METAMORFOSE

METAMORFOSE

Em UMA BREVE HISTÓRIA DO MUNDO, Geoffrey Blainey escreveu que “Em 20000 A.E.C., o homem já se encontrava presente em todos os continentes. A Austrália e a Nova Guiné, juntas, formavam uma segunda massa de terra habitada, mas contavam com menos de 5% da população mundial. Havia outra característica curiosa dessa população: estava quase inteiramente confinada às zonas, tropical e temperadas; as áreas mais frias do mundo eram praticamente desabitadas”.

Mais interessante ainda é o fato de que “COMO OS OCEANOS TINHAM NÍVEIS MUITO BAIXOS DE ÁGUA, ERA POSSÍVEL A UM HOMEM CAMINHAR DO SUL DA INGLATERRA ATÉ A FRANÇA”.

Tsunami… Nem pensar nessa longínqua época!

Alguns fatores determinantes levaram-me a escrever este ensaio… Ou ensaiar esta escrita! O calor exorbitante, a falta de chuvas, o livro INFERNO de Dan Brown e as afirmações de James Lovelock, renomado cientista, dizendo que o aquecimento global é irreversível e mais de 6 bilhões de pessoas vão morrer neste século. Esse cientista vai além! Afirma que “A raça humana está condenada”!

O Mundo está sofrendo uma METAMORFOSE mais rápida do que possa qualquer previsão antecipar? Existe no planeta cerca de um bilhão de famintos. Metade dos alimentos e refeições produzidos no mundo vão para o lixo. O Apocalipse seria uma Divina Comédia? Ou vice-versa? Em tempos bastante remotos algumas mentes brilhantes e visionárias expressaram suas visões!

Embora existam muitas interpretações para a palavra, apocalipse, do grego αποκάλυψις, apokálypsis, significa “revelação”, formado por “apo”, tirado de, e “kalumna”, véu. Um “apocalipse”, na terminologia do judaísmo e do cristianismo, é a revelação divina de coisas que até então permaneciam secretas a um profeta escolhido por Deus. Por extensão, passou-se a designar de “apocalipse” aos relatos escritos dessas revelações. Devido ao fato de, na maioria das bíblias em língua portuguesa usarem-se o título Apocalipse e não Revelação, até o significado da palavra ficou obscuro, sendo às vezes usado como sinônimo de “fim do mundo”.

Existem interpretações variadas, como no Cristianismo, na Teologia amilenista, na Teologia pré-milenista, como Linguagem simbólica, na Linguagem profética e na Visão espírita.

As tradições esotéricas e místicas, como gnose, rosacrucianismo, maçonaria, trabalham, desde o tempo em que o livro foi escrito, a ideia de que o Apocalipse recorre à linguagem simbólica, que aponta para processos de transformação através dos quais o homem tem de passar para atingir a plenitude de seu Ser, e a plena União com o Divino.

Os quatro cavaleiros do apocalipse são Peste, Guerra, Fome e Morte.

PESTE

E eu vi, e eis um cavalo branco; e o que estava sentado nele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e ele saiu vencendo, para completar a sua vitória.

GUERRA

E saiu outro, um cavalo cor de fogo; e ao que estava sentado nele foi concedido tirar da terra a paz, para que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.

FOME

E eu vi, e eis um cavalo preto; e o que estava sentado nele tinha uma balança na mão. E eu ouvi uma voz, como que no meio das quatro criaturas viventes, dizer: “Um litro de trigo por um denário, e três litros de cevada por um denário; e não faças dano ao azeite de oliveira e ao vinho”.

MORTE

Então ouvi a quarta Criatura: “Venha” e apareceu um cavalo baio, o nome do cavaleiro era Morte e o Inferno o seguia de perto.

“… o nome do cavaleiro era Morte e o Inferno o seguia de perto”. Daí me veio quase como um relâmpago à ficção de Dan Brown. Extermínio populacional por insuflar vírus em grande contingente da humanidade em uma teoria “transumaníssima”? (Manipulação biológica).

Não podemos desconsiderar entre as mentes brilhantes e visionárias que expressaram suas visões, o conhecido relato de Dante Alighieri. Foi um escritor, poeta e político italiano. É considerado o primeiro e maior poeta da língua italiana, definido como Il sommo poeta.

“Quanto maior é a sede, maior é o prazer em satisfazê-la”. Dante Alighieri.

Ou como diria Rubem Alves em VARIAÇÕES SOBRE O PRAZER:

Será que Deus fica feliz quando vê os seres humanos sofrendo? Digo isso pelo fato de que os fiéis, ao fazerem promessas a Deus para obter seus favores, o que lhe oferecem são sempre objetos dolorosos. Nunca ouvi de um devoto que tivesse oferecido a Deus uma sonata de Mozart ou um poema de Fernando Pessoa. A Igreja ensinou que o prazer é o ninho do pecado. Como se o mundo fosse um imenso jardim cheio de árvores com frutos doces e coloridos, com placas em todas elas dizendo: “Proibido”.

Observando o lixo urbano transformando-se rapidamente em lixo humano, aparece-me James Lovelock, renomado cientista, dizendo que o aquecimento global é irreversível e mais de 6 bilhões de pessoas vão morrer neste século.

Esse cientista vai além! Afirma que “A raça humana está condenada”!

“Existe no planeta cerca de um bilhão de famintos”.

“Metade dos alimentos e refeições produzidos no mundo vai para o lixo”.

Em entrevista á JEFF GOODELL da Revista Rolling Stone – Edição 14 – Novembro de 2007, pode-se ler:

Na visão de Lovelock, até 2020, secas e outros extremos climáticos serão lugar-comum. Até 2040, o Saara vai invadir a Europa, e Berlim será tão quente quanto Bagdá. Atlanta acabará se transformando em uma selva de trepadeiras kudzu. Phoenix se tornará um lugar inabitável, assim como partes de Beijing (deserto), Miami (elevação do nível do mar) e Londres (enchentes). A falta de alimentos fará com que milhões de pessoas se dirijam para o norte, elevando as tensões políticas.

“Algumas pessoas vão ficar sentadas na poltrona sem fazer nada, paralisadas de pânico. Outras vão se mexer. Vão ver o que está prestes a acontecer, e vão tomar uma atitude, e vão sobreviver. São elas que vão levar a civilização em frente.” James Lovelock.

“Os lugares mais sombrios do inferno são reservados àqueles que se mantiveram neutros em tempos de crise moral.” Dante Alighieri.

Como se o mundo fosse um imenso jardim cheio de árvores com frutos doces e coloridos, com placas em todas elas dizendo: “Proibido”. Rubem Alves.

Córrego seco é escorregão!

Queda e apagão!

Continuo…

Rabiscando com calor!

Hoje que seria o amanhã de ontem!

Amanhã coloco cor!

Evolução do bordado desenhado…

Suado! Ufa! METAMORFOSE!

Marco Alzamora num imenso jardim cheio de árvores com frutos doces e coloridos…

 

Nascer! Viver! Morrer!

Nascer! Viver! Morrer!

O tempo todo é um “ir e vir” constante. Quando perdemos um ente querido nos damos conta das transições do universo divino!

O corpo se deteriora e o espírito evolui!

Recebi mensagem de um amigo querido por conta do falecimento recente e fulminante do meu pai:

Marco

Nascer, viver, morrer!

Esta é nossa história.

No Colégio me ensinaram que um bom conto, tem que ter começo, meio, e fim.

Será que esta não é a história de nossas vidas?

Escreva esta história.

Luigi

Sempre tive o incentivo e inspiração nas sugestões de bons amigos. Comecei teclar antes mesmo da “ficha cair”!

Lembrei-me de tantas coisas, que não pude sequer mensurar datas e cronologias ordenadas.

Aos turbilhões as ideias se alastraram com velocidades alucinantes e vertiginosas jorrando comandos aos verbos atemporais em minha lavra de alma lavada!

Pensei em reencarnação. Um poeta místico escreveu algo parecido como: “Estou cansado da vida, da morte… E do retorno á vida”! A frase ficou em minha memória quando morei na França: “Je suis fatigué de La vie, de La mort… Pour Le retour a La vie”! Acho que ele era da AMORC – Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz.

No intervalo entre uma palavra e outra, observei nova mensagem, linda e sublime, que falava sobre Partida e Chegada:

A Morte segundo o Rabino Henry Sobel

Quando observamos, da praia, um veleiro a afastar-se da costa, navegando mar adentro, impelido pela brisa matinal, estamos diante de um espetáculo de beleza rara.

O barco, impulsionado pela força dos ventos, vai ganhando o mar azul e nos parece cada vez menor.

Não demora muito e só podemos contemplar um pequeno ponto branco na linha remota e indecisa, onde o mar e o céu se encontram.

Quem observa o veleiro sumir na linha do horizonte, certamente exclamará: Onde? Já se foi? Terá sumido? Evaporado? Não, certamente. Apenas o perdemos de vista. O barco continua do mesmo tamanho e com a mesma capacidade que tinha quando estava próximo de nós. Continua tão capaz quanto antes de levar ao porto de destino as cargas recebidas. O veleiro não evaporou, apenas não o podemos mais ver.

A vida é feita de partidas e chegadas. De idas e vindas. Assim, o que para uns parece ser a partida, para outros é a chegada. Assim, um dia, todos nós partimos como seres imortais que somos… Todos nós ao encontro daquele que nos criou.

Quando nascemos, choramos para insuflar a primeira baforada de ar da vida. Pneuma. “Sopro da Vida”. Espírito. Alma. Enquanto o novo rebento chora com expressão de dor, os entes envoltórios queridos choram de alegria.

Nascer! Viver! Morrer!

Existe “choro” para todo tipo de situação. Já chorei de tristeza, de alegria, de raiva, de agonia, quando alguém nasceu e quando alguém morreu.

Chorei na maternidade, no cemitério, na formatura, no casamento, em frente à televisão, escutando o rádio do carro, sozinho e, até, sonhando! Existem lágrimas até quando se chora sonhando… É só sentir a fronha do travesseiro molhada para constatar essa verdade.

Assim continuo “tocando o barco”! Nascendo, vivendo e morrendo o tempo todo.

É muito estranha a sensação de perder um pai!

Só perdendo para se saber o vácuo deixado no Ar que se respira… Na Água que se navega… No Fogo que se queima… Na Terra que se emerge o corpo!

Ciclo da Vida! Ir e Vir! Reencarnação!

O “barco” sumiu no horizonte!

“E nós ficamos no porto, acenando em cada partida, esperando por cada volta!”

Silvana Coelho – Publicitária

A doutrina da reencarnação é uma das principais doutrinas dos Rosa Cruzes e nós não fazemos segredo disso.

De acordo com a lei de encarnação, cada ser humano renasce no plano terreno a cada 144 anos, em média. Em outras palavras, se pudéssemos acompanhar as reencarnações de uma pessoa em um período de mil anos atrás, verificaríamos a ocorrência de um renascimento em um novo corpo a cada 144 anos, em média.

Se uma pessoa vive somente 80 anos neste plano terrestre e, em seguida, eleva-se a uma vida mais alta pela transição, a alma e a personalidade da referida pessoa permanecem no plano cósmico psíquico 64 anos antes de se reencarnar, a fim de completar o ciclo de 144 anos… A criança que passa para o plano cósmico aos quatro anos de idade teria de permanecer no mesmo 140 anos aguardando a reencarnação.

Embora não tenha seguido uma ordem cronológica neste texto desabafado, concluo com uma homenagem àquele que deixou plantada nesta Terra a semente divina da procriação.

Nascer! Viver! Morrer!

Chorei na maternidade, no cemitério, na formatura, no casamento, em frente à televisão, escutando o rádio do carro, sozinho e, até, sonhando!

Existem lágrimas até quando se chora sonhando… É só sentir a fronha do travesseiro molhada para constatar essa verdade.

Cito abaixo um dos princípios que herdei do meu progenitor e conservo em minha mente como exemplo de conduta: Que o legado deixado ilumine os rumos da Justiça!

“A propósito, já se disse alhures de que nada adiantam leis, por mais perfeitas que sejam se não há meios de fazê-las cumprir e respeitar. É mesmo mil vezes preferível não tê-las de qualquer sorte, a tê-las desmoralizadas, servindo apenas como prova do desrespeito da autoridade”.

Zanoni de Quadros Gonçalves

Meu pai gostava muito dessa música e cantava imitando Nat King Cole! Solamente una vez…

Ofereço essa lavra de alma lavada á você meu progenitor…

Onde quer que esteja agora!

Solamente una vez

Ame en la vida,

Solamente una vez

Y nada más…

Una vez nada más en mi huerto

Brillo la esperanza,

La esperanza que alumbra el camino de mi soledad

Una vez nada más

Se entrega el alma,

Con la dulce y total renunciación…

Y cuando ese milagro realiza el prodigo de amarse

Hay campanas de fiesta que cantan en el corazón…

A vida é feita de partidas e chegadas. De idas e vindas.

 

Minha Mística Mãe

Minha Mística Mãe

Ao iniciar esta lavra me dei conta de que estava escrevendo sobre minha mãe.

Logo me veio à cabeça Mario Quintana:

“… Dizem que sou modesto. Pelo contrário, sou tão orgulhoso que acho que nunca escrevi algo à minha altura. Porque poesia é insatisfação, um anseio de auto superação”.

Minha! É relativo!

Mística! Todos nós sabemos o significado!

Mãe! Todos nós nascemos de uma!

Agora, falar sobre o invólucro divino em que você foi concebido…

É vaidade pra dar de pau!

Consequentemente, mergulhamos nas profundezas do egocentrismo e do interesse como mola mestra das nossas boas ações.

Será muito piegas escrever sobre nossa mãe?

Agora a coisa encrencou de vez!

Já num limbo literário, veio à lembrança do meu avô José Alzamora, pai dessa figura mística que é minha mãe e me apareceu, em dimensão mística e cósmica, com um exemplar do livro de Menotti Del Picchia.

Meu avô adorava fazer citações.

 Acho que estou incorporando-o!

Em “OBRAS COMPLETAS – CONTOS – 1946”:

“No fundo de cada renuncia há um interesse. Quando um mal se torna bom, sua bondade é um disfarce acidental da sua perfídia: é uma metamorfose meramente formal da maldade assim transmudada pelo interesse. Uma generosidade que se faz mais intensa, um perdão que varre uma culpa, tudo encapota o interesse. Raspe-se a casca de qualquer ação humana que, no fundo, encontra-se o interesse…”.

Purificação

“Deixe que um banho de luz limpe seus pensamentos, sentimentos e ações. Lave o drama que encobre sua natureza primordial”.

Estava escrito em um bilhetinho que retirei do recipiente que minha mãe levou em uma reunião de família.

Há várias décadas, minha mãe e eu, começamos estudar metafísica juntos.

Filiamo-nos à Ordem Rosacruz, AMORC – Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz.

Estudamos e frequentamos as Convocações Ritualísticas.

Fizemos parte das equipes Ritualística e Iniciática.

Como oficiais ritualísticos ela foi Mestre e eu Guardião Interno do Templo.

Mas vamos direto ao motivo que me levou a registrar esse título.

Após ver publicada em rede social a foto da capa, minha lembrança na caminhada da senda mística ficou aguçada.

Com esse doce olhar que penetra o fundo da alma, Debora Tomagnini Alzamora, minha mãe, foi fotografada por meu filho Rodrigo Machado Coelho Alzamora Gonçalves tendo a foto sido editada pela querida ex-cunhada Vera Diaz.

Daí apareceu no cenário uma mística Elena Petrovna Blavatskaya!

Helena Blavatsky ou Madame Blavatsky!

Outro ponto que me despertou atenção é o fato de eu ter nascido em 31 de julho de 1951 no calendário Gregoriano e Madame Blavatsky em 31 de julho de 1831 no calendário Juliano.

Outros rumos de minha mãe e Helena Blavatsky também foram semelhantes.

Personalidade complexa, dinâmica e independente, desde pequena Elena Blavatskaya mostrou possuir um caráter forte e dons psíquicos incomuns, e logo em torno dela se formou um folclore doméstico. Imediatamente após um casamento frustrado, deixou o esposo e partiu em um longo período de viagens por todo o mundo em busca de conhecimento filosófico, espiritual e esotérico, e nesse intervalo alegou ter passado por inúmeras experiências fantásticas, entrado em contato com vários mestres de sabedoria ou mahatmas e deles recebido na condição de discípula um treinamento especial para desenvolver seus poderes paranormais de forma controlada, a fim de que pudesse servir-lhes de instrumento para a instrução do mundo ocidental.

 A partir de 1873 iniciou sua carreira pública nos Estados Unidos, e em pouco tempo se tornou uma figura tão celebrada quanto polêmica.

 Exibiu seus poderes psíquicos para grande número de pessoas, deslumbrando a muitos e despertando o ceticismo em outros, que não raro a acusaram de embuste, muitas vezes com boas evidências para tal. Entretanto, em muitos outros casos seus poderes pareceram autênticos.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Assim como Blavatsky, Minha Mística Mãe,

Imediatamente após um casamento frustrado, deixou o esposo e partiu em um longo período de viagens por todo o mundo em busca de conhecimento filosófico, espiritual e esotérico…

Fomos para Belo Horizonte e depois Salvador.

Ela percorreu também Israel e sentiu o “sopro cálido” do deserto.

Colocou os pés nas salgadas águas do Mar Morto e… Por um tempo sentiu suas origens judaicas!

Enquanto Minha Mística Mãe e eu aprendemos e exercitamos os ensinamentos místicos para conservação da saúde física e espiritual em nós mesmos e nos outros, recitando silenciosamente:

Ó Poderosa força vital do Universo!

 Alcançai o espírito que está dentro do meu Ser e…

 Renovai a Vida que está dentro do meu Corpo!

A mística Helena Blavatsky ou Madame Blavatsky!

Escreveu:

“Os ramos da árvore são sacudidos pelo vento; o tronco permanece imóvel.”

Assim termino essa lavra deixando meu eterno amor pela Minha Mística Mãe!

Ó Deus Onipotente e Puro
Luz que Adentras em minh’alma
Ser Imaculado e Santo
Paz que Penetras em mim… Pela vida Aquele que brota infinito Amor Fecundo
Gera nosso Mundo com o Sublime de Teu Esplendor!

O Pescoço

O Pescoço

Elemento de ligação entre a cabeça e o tronco, o pescoço é parte do corpo dos vertebrados. Constituído pelas sete vértebras cervicais que articulam com o crânio, com as clavículas e com a coluna vertebral, sendo suportado por vários músculos que dão à cabeça os seus movimentos.

O pescoço é um dos pontos fracos dos vertebrados, uma vez que, seccionando-o, o individuo falece, não só pela perda de grande quantidade de sangue, como principalmente por deixar de haver comunicação entre o cérebro e o resto do corpo. O enforcamento é outra forma de terminar a vida de um animal, por sufocamento; esta ação também pode ser realizada voluntariamente, como uma forma de suicídio.

Não é o caso da guilhotina!

Em 1791 Robespierre foi um dos principais líderes da insurreição popular do Campo de Marte.

Sua fama de defensor do povo lhe valeu o apelido de “Incorruptível”.

Combateu então a facção dos girondinos, menos radicais.  Robespierre foi um dos que pediram a condenação do rei Luís XVI, guilhotinado em 21 de janeiro de 1793.  Em julho do mesmo ano, Robespierre criou um Comitê de Salvação Pública para perseguir os inimigos da revolução. Foi instaurado o regime do “Grande Terror” – o auge da ditadura de Robespierre. Em 1794, Robespierre mandou executar Danton, o revolucionário que propunha um rumo mais moderado para a revolução. Neste mesmo ano, tornou-se Presidente da Convenção Nacional. No dia 27 de julho, numa sessão tumultuada, Robespierre foi ferido e teve que sair da sala às pressas. Foi detido imediatamente por seus inimigos e, um dia depois, guilhotinado.

O relato bíblico representa a decapitação de João Batista por Herodes Antipas. De acordo com os evangelhos sinóticos, Herodes mandou prender João por ele o ter admoestado se divorciando de sua esposa (Phasaelis) e, ilegitimamente, tomar como amante Herodias, a esposa de seu irmão Herodes Filipe I.

No aniversário de Herodes, a filha de Herodias (tradicionalmente chamada de Salomé) dançou perante o rei e seus convidados. Sua dança agradou tanto Herodes que, bêbado, ele prometeu a ela qualquer coisa que desejasse, limitando a promessa em metade de seu reino. Quando a filha perguntou à mãe o que deveria pedir, Herodias solicitou que ela pedisse a cabeça de João Batista numa bandeja. Mesmo chocado com o pedido, Herodes relutantemente concordou e mandou executar João na prisão.

Decapitação de João Batista. 1608. Por Caravaggio, atualmente na Igreja de São João, em Valeta, na Ilha de Malta.

Em a “A queda de Pompeu”, Cleópatra não se dá por vencida e consegue juntar um pequeno exército de mercenários, tendo regressado ao Egito para lutar contra o irmão.

Entretanto a situação internacional altera-se quando a 9 de Agosto de 48 A.E.C,  Pompeu é vencido por César na Batalha de Farsália, na Tessália.

Após a derrota, procura refúgio em Alexandria, tendo Ptolomeu XIII declarado que aceitava recebê-lo.

Contudo, o verdadeiro plano do rei consistiu em ordenar a morte de Pompeu, julgando que desta forma agradaria a César.

O assassino de Pompeu, um romano ao serviço de Ptolomeu XIII, lhe corta a cabeça, que o rei apresentou a César.

No entanto, esta atitude foi um erro, dado que César ficou horrorizado com o ato bárbaro.

Apesar de inimigos políticos, Pompeu tinha casado com a filha de César, que morreu dando à luz um filho.

César toma Alexandria e decide resolver o conflito entre Ptolomeu XIII e Cleópatra.

A guilhotina já era embrionária na mente e no pescoço!

Ela não mandou cortar O Pescoço da Serpente!

Na Maçonaria também usamos sinais referentes ao Pescoço…

A imagem acima é um sinal Maçônico. O sinal é um movimento de mão aberta passando pela garganta, uma alusão á pena pelo juramento na elevação ao grau conquistado. É dito:

“Se violar este juramento, seja arrancada minha língua, o pescoço cortado e o meu corpo enterrado na areia da praia”.

No decorrer dos tempos, O Pescoço é o alvo de barbáries e símbolo de violência. Antes fosse apenas para usar adornos e adereços embelezadores.

O grupo radical EI (Estado Islâmico), que assumiu o controle de várias cidades na Síria e no Iraque, divulgou um vídeo que mostra militante decapitando o jornalista americano Steven Sotloff.

Mulher aprisionada pelo fundamentalismo islâmico.

Quando Fanatismo Religioso e Político tem o Poder, os Inocentes pagam.

Fanatismo religioso é uma forma de fanatismo baseada em rejeição de qualquer outra ideia que não a da interpretação religiosa particular de quem o possui, não raro considerando-se quem diverge como inimigo. Não é típica de nenhuma religião em particular, distinguindo-se de outras formas de fanatismo (por exemplo, o político e o ideológico) apenas por envolver uma religião ao invés de uma ideologia ou opção política. Wikipédia.

No livro “O Desaparecimento de Deus: Um Mistério Divino” de Richard Elliott Friedman fica um questionamento interessante: Por que o Deus que era conhecido através de milagres e de interações diretas no início da Bíblia vai pouco a pouco se tornando oculto, até deixar os seres humanos inteiramente sozinhos ao final da Bíblia?

Nesta foto que fiz em Firenze – Itália, enquanto o David virava O Pescoço para outro lado, alguém carregava uma “pedra bruta”… Imagino á ser lapidada!

Em A Gaia Ciência, Livro 2, seção 76, lemos:

O maior perigo que pairou sobre a humanidade e ainda paira é a erupção da loucura – que significa a erupção da arbitrariedade no sentir, no ver e no ouvir, o prazer na falta de disciplina mental, a alegria na desrazão humana. Não é a verdade e a certeza que são o oposto do mundo do louco, mas sim a universalidade e a força unificadora universal de uma fé; em suma, o caráter não arbitrário dos julgamentos.

 

Horizonte Vertical

Horizonte Vertical

Vamos mudar o rumo dessa prosa! Quando os assuntos se tornam fatigantes e fatigados, é preciso dar um giro no eixo do universo. Vamos enxergar o mundo por janelas diferentes e usando a imaginação para desenhar uma paisagem em nossos cerebelos! Cérebros belos?

Sim. Escolho a janela e o cenário!

Mesmo que alguém diga: “Esse cara tá com a pá virada”! Devemos responder de imediato: Sim! E daí?

A pá é minha e eu viro a hora que me der na “telha”!

Rebeldia? Claro que não. Só uma forma de variar o ponto de visão das coisas. Em paz, de preferência.

Vou escolhendo o horizonte, o céu, o mar e as cores que minha mente pode produzir. Vou educando os olhos e purificando a visão do mundo que quero ver.

As janelas podem estar se abrindo ou se fechando, assim como aquela história do copo meio cheio… Meio vazio. Dependendo do seu estado de espírito. Quando elogiamos alguém dizendo como a pessoa está linda, recebemos a resposta: “São os seus olhos”! Também! São nossos olhos que informam o exterior para nosso interior. Até o feio pode ficar belo! Ou mais ou menos.

Podemos mudar o rumo da prosa, mas não o rumo do prumo!

Quando fazemos exercícios para o alinhamento dos chakras, podemos usar a cromoterapia.

Chacras ou xacras, também conhecidos pela grafia chakra segundo a filosofia iogue, centros energéticos dentro do corpo humano, que distribuem a energia (prana) através de canais (nadis) que nutre órgãos e sistemas. Wikipédia.

É como colorir por dentro da alma. Assim como a janela aberta para um universo em cores.

Aprumado o homem fica harmonizado. São Horizontes Verticais!

Quando deitamos damos um giro de 90º no eixo axial energético do nosso corpo material e, também, espiritual. Tornamos paralelas e/ou coincidentes as linhas que, por origem, são ortogonais. O alinhamento dos chakras não está sujeito ao constante 9,8 m/s² (metros por segundo ao quadrado) que é a aceleração da gravidade. Quando estamos em pé, essa linha é vertical. Muitas vezes nos confundimos com a regra do “prumo” que é vinculada à força gravitacional.

Vamos mudar o rumo dessa prosa. Chega de geometria, física e metafísica. Falemos de banalidades pendulares.

O casal ainda não tinha ido para a horizontal?

José Dirceu cumprindo a sua pena pelos crimes que cometeu. Publicado em uma rede social.

Esse Zé da foto é um político bem conhecido no Brasil. Logo que um amigo publicou a foto, os comentários surgiram de imediato:

“É desumano este tratamento, deixar os presos queimando ao sol ardente”.

Eu escrevi: Ela é gorda! A resposta “pipocou” de imediato: “Peito no umbigo não veste tomara-que-caia, se não cai no pé”.

Rebati: O Zé tá segurando! Hehehe

Bradou com indignação o interlocutor: “Só se for o saco”.

Comentei que seria uma boa ideia escrever sobre movimento pendular do apêndice! Lembrei-me de escritas do meu pai quando criticava alguns “puxa sacos”.

Dizia ele que alguém esta pendurado no apêndice pendular de tal fulano. Se acertassem um tiro no “saco” do indivíduo, acertaria seguramente a mão do dependurado! Isso é banal e todo mundo conhece.

Mudei o rumo da prosa e não gostei. Esse papo de política já encheu o “saco”. Física e metafisica, química e alquimia, politica poluída e puída… Isso tudo vira a cabeça de qualquer contribuinte dos postos e impostos.

Do inicio dessa lavra até agora, já abri e fechei janelas com paisagens coloridas e em preto e branco. Devo escolher? Como?  Se esse jorro de ideias inúteis abatem meu cérebro belo?  Acho que é isso que eu queria dizer. Saco! Em pé ou deitado?

Vamos mudar o rumo dessa prosa! Quando os assuntos se tornam fatigantes e fatigados, é preciso dar um giro no eixo do universo. Se me vira eu volto… Se me volta eu viro! Movimento constante do pêndulo sem “puxa saco”!

Além do Horizonte deve ter… Algum lugar bonito

Pra viver em paz…

Onde eu possa encontrar…

A natureza… Alegria e felicidade

Com certeza…

Lá nesse lugar…

O amanhecer é lindo…

Com flores festejando…

Mais um dia que vem vindo…

Onde a gente pode…

Se deitar no campo…

Se amar na relva…

Esse lugar bonito deve ser o meu… O seu… O nosso…

Horizonte Vertical

Ser ou não Ser… Um PROCRASTINADOR?

Ser ou não Ser… Um PROCRASTINADOR?

Meus avós há séculos atrás.

Cheirando mofo, encontrei um exemplar reminiscente de setembro de 1952. Hoje sou assinante. Tirei o mofo e resolvi ler o conteúdo histórico do periódico. Entre ler e não ler, eu recebi a Edição Especial e Limitada que, segundo Raquel Zampil – Editora Executiva, espera que eu também chore e ria, e aproveite as dicas de como a ciência pode nos ajudar a viver felizes por mais setenta anos. Edição comemorativa dos 70 anos.

Há algumas semanas eu estava pensando em escrever algo sobre os acontecimentos que foram assuntos nos idos anos 50. Pensei em falar sobre “DINHEIRO FALSO COMO ARMA DE GUERRA” escrito pelo Major George J. McNally, um estratagema fantástico de Himmler para desorganizar a economia da Inglaterra na última guerra.

Outro assunto interessante foi “De quem é a culpa do massacre de Katyn?” numa condensação do “Commentary” por G. F. Hudson. O episódio conhecido por Massacre da Floresta de Katyn foi noticiado pela primeira vez pelos alemães em abril de 1943.

PROCRASTINEI sem dó…

Não escrevi nada ontem… Nem vou escrever hoje.

Abri a segunda revista Seleções, a atual. Dei de cara com um texto de Will Stanton. Clássico escrito em 1974.

Em “Os riscos de um procrastinador” o autor conta histórias pessoais cômicas e interessantes. Começa com a ponderação de “Talvez seja mesmo melhor não fazer nunca o que deixamos para amanhã”.

Coloquei-me no lugar dele.

Novamente o ano novo se aproxima. Muitas promessas e intenções para viver melhor do que se viveu no ano anterior. Vou fazer isso… Aquilo…

Concordando com o autor pensei: “As resoluções de Ano Novo são uma baita bobagem em minha opinião”. Fiz um monte de coisas. Aonde isso me levou? Acho que minha mulher diria a mesma coisa que a mulher do autor falou para ele:

– Você não continuou praticando as suas resoluções. Aliás, nem começou a colocá-las em prática.

Adiar era meu lema! PROCRASTINADOR MILITANTE!

Sempre uso uma frase em alemão: Alles zu seine zeit!

Tudo ao seu tempo!

Coisa de quem procrastina!

Quando estava na faculdade, nas provas “cabeludas” de concreto armado e estabilidade das construções, eu estudava até meia noite. Quando não conseguia resolver um problema, ia dormir com ele na cabeça, esperando que quando acordasse a solução viesse automaticamente. Sempre deu certo! Aí aprendi a procrastinar!

“No Final Tudo Vai Dar Certo”!

Bom… Estava marcado para o dia 21/12/2012 Il Gran Finale!

Isso se o Grande Arquiteto do Universo não PROCRASTINASSE!

Sei lá se o Geraldo Vandré tinha ou não razão…

“Vem, vamos embora”.

“Que esperar não é saber”!

“Quem sabe faz a hora”

“Não espera acontecer.”

Abaixo procrastinadores…! Deveria ser o lema.

Brasil de outros tempos. Vou cantando essa bola… Pedra? Seria melhor uma pedrinha. Aquela que a gente tira do bolso e começa ter ideia para escrever. Vou indo nesse diapasão. É custoso, mas é bom.

Quando recebi e-mail do primo Michael Wahrhaftig informando discrepâncias da pátria amada, percebi que se deixar para amanhã o que se pode fazer hoje, já era!

Quando a impotência é reinante, resta deitar e rolar?

Transcrevo o e-mail na íntegra:

Nordeste Brasileiro
(Você consegue entender isso?).
 

Vítimas da seca:
Quantos? 10 milhões.
Sujeitos à fome? Sim.
Passam sede? Sim.
Subnutrição? Sim.
ONGs estrangeiras ajudando: Nenhuma!
Índios da Amazônia
Quantos? 230 mil
Sujeitos à fome? Não
Passam sede? Não
Subnutrição? Não
ONGs estrangeiras ajudando: 350(!)
Explicação:
A Amazônia tem prata,  a   maior biodiversidade do planeta (o que pode gerar grandes lucros aos laboratórios estrangeiros) ouro, nióbio, petróleo, as maiores jazidas de manganês e ferro do mundo, zinco, alumínio, diamante, esmeraldas, rubis, cobre, zinco.

E  outras inúmeras riquezas que somam 14 trilhões de dólares.
O nordeste não tem tanta riqueza… Por isso  lá não há ONGs estrangeiras ajudando os famintos (viu bobão!)…

Tente entender: Há mais ONGs estrangeiras indigenistas e ambientalistas na Amazônia  brasileira  do que em todo o continente africano,  que sofre com a fome, a sede,  as guerras civis, as epidemias de AIDS e Ebola, os massacres e as minas terrestres.

Agora, uma pergunta:
Você não acha isso, no mínimo, muito suspeito?
É uma reflexão interessante ou não é?

Por que  não  tem ONGs no Nordeste seco?

Pense, não dói muito…

Respondi o e-mail: “Que merda!”.

Ele comentou: he he he !!! Primo, sensato comentário!!! Realmente?!?!?!? Eheheh!!

“É, e a coisa está trilhando caminhos nebulosos”!

Sei lá!

Mas como me dizia um amigo quando a discussão atingia o auge, “Pessoal, não adianta, amanhã cedo estamos cheios de coisas e temos que pular cedo da cama e trabalhar”!!! Eheheh!

É a lei da PROCRASTINAÇÃO!

Quem trabalha procrastina?

O Vandré tinha razão?

Fiquei sem banho hoje porque não consertei o chuveiro ontem?

Não fui à (ou para a) puta que não pariu?

O gato preto não cruzou a estrada?

O que será que será?

Ainda trocando e-mail com o primo Michael, escrevi:

Estou escrevendo sobre procrastinar.

Vamos estourar o núcleo desse átomo em metástase! Bomba Atômica é a solução…

Segue só para você o inicio do novo artigo… Tem muito mais…

Depois te mando completo.

                                                 Abraço. 

Marco.

Ele respondeu:

Legal Primo, eu acho que o POVO está procrastinando!

Já deveria ter feito o necessário! Mas do jeito que está a tática é baixar nossa autoestima, rindo da nossa cara e assim não fazemos o que deveríamos, pois estamos depressivos!

Muito legal, e acredito que o contra-ataque deve ser assim! Cirúrgico, até que aumente o número de informados com alta autoestima, sem depressão e tanto os relaxados como os nervosos se levantarão e colocarão o País na rota certa! Eheheh! Abs.

Quantas procrastinações o governo dos USA fez antes de soltar as bombas atômicas?

Ou…

“Talvez seja mesmo melhor não fazer nunca o que deixamos para amanhã”.

Cogumelo ou Rosa?

Procrastinada… Seria hoje?

Joaquim Barbosa PROCRASTINOU no Dia do Fim do Mundo. É uma boa alma! Justo e Perfeito!

“Difícil é pegar galinha pela orelha”?

A eutanásia é objeto de postergar… Procrastinar?

Em matéria RETROSPECTIVA 2012 da Revista Veja Millôr Fernandes, com 88 anos, continua dando show de bola!

“O mundo acabou ontem” era a manchete que ele gostaria de ler nos jornais…

Continua…

“DA VIDA SÓ ME TIRAM MORTO”…

A infância não, a infância dura pouco. A juventude não, a juventude é passageira. A velhice sim. Quando um cara fica velho é pro resto da vida. E cada dia fica mais velho. É meu conforto. Da vida só me tiram morto.

Millôr não procrastinou ao escrever seu obituário!

Nem para dar o tom matreiro aos arquitetos idos…

“O banheiro é o que resta de indevassável para a alma e o corpo do homem moderno, e queira Deus que Le Corbusier ou Niemeyer não pensem em fazê-lo também de vidro, numa adaptação total ao espirito de uma humanidade cada vez mais gregária, sem o necessário e apaixonante sentimento da solidão ocasional”.

Millôr Fernandes.

“Talvez seja mesmo melhor não fazer nunca o que deixamos para amanhã”.

É mesmo muito melhor não deixar para amanhã aquilo que podemos deixar pra lá!

Pra lá de Bagdá!

Fiquei dias procrastinando para escrever esse artigo…

Que o Mundo não PROCRASTINE!

III GUERRA MUNDIAL

III GUERRA MUNDIAL

Pelo jeito da madeira… Não restará pedra sobre pedra!

Nem pedra nem madeira e nem porra nenhuma! Nem neném vai querer nascer mais!

Entre os anos 1503 e 1566, viveu um profeta, visionário, médico, astrólogo e ocultista. Até a rainha Catarina de Médicis (1519-1589) era uma das suas mais fiéis leitoras. Infelizmente aqui no Brasil a nossa “Catarina” nem lê! Para não levar tão a sério até brinquei com a Terceira Guerra Mundial!
Crimeia!
Forma sincopada de crime com a mocreia? Não vou contar o nome da mocreia! Anteciparia uma guerra localizada!

Nostradamus previu a Revolução Francesa, a ascensão de Hitler, o governo ditatorial de Muammar Khaddafi e Saddam Hussein. Até Osama Bin Laden foi figura de pré-cognição do mancebo!

Nostradamus teria previsto, entre outras coisas, a queda da União Soviética.

Como sou chegado ao surrealismo e ficção, me pergunto se o fantasma da “bomba demográfica” volta a pairar sobre o planeta?

 Observando o lixo urbano transformando-se rapidamente em lixo humano, aparece-me James Lovelock, renomado cientista, dizendo que o aquecimento global é irreversível e mais de seis bilhões de pessoas vão morrer neste século.

Esse cientista vai além! Afirma que “A raça humana está condenada”!

“Existe no planeta cerca de um bilhão de famintos”.

“Metade dos alimentos e refeições produzidos no mundo vai para o lixo”.

Em entrevista á JEFF GOODELL da Revista Rolling Stone – Edição 14 – Novembro de 2007, pode-se ler:

Na visão de Lovelock, até 2020, secas e outros extremos climáticos serão lugar-comum.

Até 2040, o Saara vai invadir a Europa, e Berlim será tão quente quanto Bagdá. Atlanta acabará se transformando em uma selva de trepadeiras kudzu. Phoenix se tornará um lugar inabitável, assim como partes de Beijing (deserto), Miami (elevação do nível do mar) e Londres (enchentes). A falta de alimentos fará com que milhões de pessoas se dirijam para o norte, elevando as tensões políticas.

Uma nova guerra mundial acelera sobremaneira as expectativas de dizimar parte da população do planeta!

Pode até matar algum lunático desavisado que não “picou a mula” daqui da terra!

O Albert Einstein era do tipo Nostradamus?

E Zaratustra (Zoroastro)?

O Bem e o Mal, para Zaratustra, manifestam-se também na alma humana, e a única forma de poder organizar o mundo e a sociedade é estando o Bem acima do Mal. Este não traz contribuição alguma para a construção de uma vida boa, já que impossibilita uma relação equilibrada entre o ser humano, a sociedade e a natureza. Zaratustra propõe que o homem encontre o seu lugar no planeta de forma harmoniosa, buscando o equilíbrio com o meio (natural e social), respeitando e protegendo terra, água, ar, fogo e a comunidade.

O cultivo de mente, palavras e ações boas são de livre escolha: o indivíduo deve decidir perante as circunstâncias que se apresentam em determinado fato. A boa deliberação, ou seja, uma boa reflexão a respeito de cada ação faz surgir uma responsabilidade social para colaborar com o projeto que Deus propôs ao mundo.

 Os seres humanos, portanto, possuem livre-arbítrio e são livres para pecar ou para praticar boas ações.

 Mas serão recompensados ou punidos na vida futura conforme a sua conduta.

Então vou dizer o que eu penso:

Não concordei em 2006 com governo que, sem consultar o Congresso Nacional, resolveu perdoar as dívidas de quatro países africanos: Moçambique, Nigéria, Cabo Verde e Gabão.

Não concordei em 2013, portanto sete anos depois, com o governo enveredar pelo mesmo caminho e perdoar as dívidas de nada menos que doze países africanos: Congo, Costa do Marfim, Guiné Bissau, Guiné Equatorial, Mauritânia, São Tomé e Príncipe, República Democrática do Congo, Senegal, Sudão, Tanzânia, Zâmbia. E… Gabão.

Ops! Mas a dívida do Gabão já não havia sido perdoada pelo governo em 2006? Que negócio é esse de perdoar duas vezes a dívida do mesmo país?

Mas o que é mais interessante é que justamente os países que tiveram as dívidas perdoadas, são países onde empreiteiras brasileiras estão operando e fazendo obras financiadas pelo BNDES! Os africanos fazem as mega obras a preços não questionados, onde nós não temos controle sobre suas economias e nem o poder de fiscalização? As empreiteiras fazem essas obras e recebem do BNDES? Aí o governo, cujas campanhas receberam grana das empreiteiras, vão lá e perdoam as dívidas? Não concordei!

E Cuba então?

Não concordei com o pagamento de 20% da dívida de cerca de R$ 134 milhões do país com o Banco do Brasil e foram investidos R$ 20 milhões do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) na construção de uma usina de álcool combustível.

Não concordei com o empréstimo de US$ 1,47 bilhão e “aditivo” de US$ 176 milhões para a para a ampliação e modernização de cinco aeroportos cubanos: Havana, Santa Clara (centro), Holguín (oriente), Cayo Coco (na costa norte) e Cayo Largo (costa sul).

Que empreiteira fará as obras? A mesma empresa financiadora da campanha política?

Pensando bem…

Aqui já começou a III GUERRA MUNDIAL!

ESTE FUTURO SERÁ DEFINIDO EM OUTUBRO/2014.

Em novembro de 2014, Lewandwoski assume a  Presidência do STF.

Antes disso, diz-se que Joaquim Barbosa se aposenta.

Em 2015 sai Celso; em 2016, Marco Aurélio.

Esse governo, se reeleito,  nomeará cinco novos Ministros.

Acabou.

Como na Venezuela chavista o tribunal virará um mero departamento do partido do governo.

Vamos ver qual será a resposta das ruas…

Seguramente assistimos o prenúncio da III Guerra Mundial!

 

Magia

Magia

O som, a luz, a cor, o ar, a temperatura e… O pensamento do momento é que tornam um ambiente mágico! Tudo é somado às viagens das nossas fantasias, onde o ato de pensar enleva o ato de sentir! Quando na tenra infância ouvíamos as historinhas infantis e nos transportávamos á mundos mais distantes e fantásticos do que as agruras do dia a dia real, assim também, na idade adulta alçamos voar á um mundo lindo da imaginação.

Como arquiteto, artista plástico e escritor, eu sempre tive o privilégio de projetar ideias. O título desta lavra surgiu em um momento mágico em que me sentei só para fumar um cigarrinho, na parte reservada de um restaurante. A visão que eu tive, documentei na foto da capa desse artigo. Sem dúvida foi um momento mágico.

A etimologia da palavra Magia provém da Língua Persa, magus ou magi, que significa sábio. Da palavra “magi” também surgiram outras tais como “magister”, “magista”, “magistério”, “magistral”, “magno”, etc. Também pode significar algo que exerce fascínio, num sentido moderno, como por exemplo, quando se fala da magia do cinema. Wikipédia. Quando sonhamos também vivenciamos a magia.

Ali, sentado, num momento de ritualismo tabagista, imaginei que não seria politicamente correto citar o fator referente à nicotina! Mas que seja assim… Foi assim… E fim de papo quanto ao certo e errado.

Como estudante de metafísica durante muitas décadas aprendi, pela magia, curar alguns males dos quais fui acometido. Respirando profundamente e segurando o ar nos pulmões enquanto recitava algumas palavras como:

“Ó Poderosa Força Vital do Universo… Alcançai o Espírito que está dentro da minha Alma e renovai a Vida que está dentro do meu Corpo”!

Um dia qualquer do passado eu colori uma foto minha para tentar entender as cores dos meus pensamentos. Sentindo-me como um palhaço do universo, escrevi:

PALHAÇOS SÃO AQUELES QUE SE TRANSFIGURAM NO MOVIMENTO ECTOPLASMÁTICO DA ESSÊNCIA VITAL PARA, NO INSTANTE SUBLIME, MOSTRAR A EXCELÊNCIA DA CRIAÇÃO!

Modéstia ás “favas”! Não estou mesmo politicamente correto hoje. Nem ontem! Narcisista? Quem sabe?

Narciso e Narciso

Se Narciso se encontra com Narciso
e um deles finge
que ao outro admira
(para sentir-se admirado),
o outro
pela mesma razão finge também
e ambos acreditam na mentira.
Para Narciso
o olhar do outro, a voz
do outro, o corpo
é sempre o espelho
em que ele a própria imagem mira.
E se o outro é
como ele
outro Narciso,
é espelho contra espelho:
o olhar que mira
reflete o que o admira
num jogo multiplicado em que a mentira
de Narciso a Narciso
inventa o paraíso.
E se amam mentindo
no fingimento que é necessidade
e assim
mais verdadeiro que a verdade.

Ferreira Gullar

MOVIMENTO ECTOPLASMÁTICO DA ESSÊNCIA VITAL

E o meu pensamento continua fluindo na magia do dia a dia! Das histórias que ouvi!

Das canções que cantei! Dos sonhos que sonhei!

Mágico de Oz – Somewhere over the Rainbow

Em algum lugar além do arco-íris
Bem lá no alto
E os sonhos que você sonhou
Uma vez em um conto de ninar
Em algum lugar além do arco-íris
Pássaros azuis voam
E os sonhos que você sonhou
Sonhos realmente se tornam realidade
Algum dia eu vou desejar por uma estrela
Acordar onde as nuvens estão muito atrás de mim
Onde problemas derretem como balas de limão
Bem acima dos topos das chaminés, onde você me encontrará.

Em alguns lugares além do arco-íris pássaros azuis voam… E o sonho que você desafiar, por que, porque eu não posso? Bom, eu vejo árvores cheias de vida e Rosas vermelhas também.  Eu vou assisti-las florescer pra mim e pra você… E eu penso comigo…

Que mundo maravilhoso! Magia!

 

O Seu Encontro com Você

O Seu Encontro com Você

É Você Singular encontrando com Você Plural

Eu… Je suis… Aussi!

Tu

Ele

Nós

Vós

Eles

Eu posso ser Tu… Tu podes ser Ele… Ele pode ser tanto Eu quanto Tu… Nós podemos ser Eu, Tu e Ele.

Vós podeis ser tanto Eu quanto Ele.

Eles podem ser Eu, Tu, Ele, Nós e Vós… Onde, enfim Vós, Eles e Eu podemos ser Todos Nós!

O verbo nunca encerra o seu tempo. O tempo é relativo. Desta forma entre o Eu e Eles existe Tu, Ele, Nós e Vós Todos. A palavra escrita é a maior conquista da humanidade?

O primeiro livro impresso por Gutenberg foi queimado numa lareira coletiva para aquecer os seres em hipotermia? Seria uma queima do verbo na visão iconográfica da humanidade iletrada?

Quando o Eu olha Eu olhando para o lado oposto… Conflito-Me!

Quando Eu me olho olhando para o mesmo lado… Harmonizo-me!

Quando Eu olho para mim… Encontro-me!

No ensaio da vida, percorremos caminhos onde encontramos tudo que existe no universo aos pares. Nada existe sem seu oposto.

O bem e o mal, o claro e o escuro, o dia e a noite, a alegria e a tristeza, o tudo e o nada, a dinâmica e a estática e assim por diante…

Porém alguns mistérios, e por serem mistérios não são explicados, se apresentam em incógnitas.

Na lei da dualidade, assim como na da lei ação e reação, duas situações não apresentam seus reais opostos.

Uma delas é a questão da dinâmica e da estática. No universo tudo vibra e está em movimento.

As leis da estática foram formuladas por Albert Einstein para justificar a referida dualidade dos opostos.

Se não houvesse isso, haveria o desequilíbrio.

A outra é retórica. É no mínimo intrigante pensar o que ocorre na dualidade “tudo /nada”.

No tudo, pode-se considerar a presença do nada (Se é tudo, até o nada faz parte).

No nada, o tudo não existe (Ou não faz parte). No nada não existe nada.

Qual é a face oculta da minha mente? Quem sou eu? De onde eu vim e para onde vou?

Em meu desenho os “elos” são almas que vagam em harmonia pelo universo!

Já citei algumas vezes, em artigos anteriores, o escritor Richard Elliott Friedman em “O Desaparecimento de Deus”. Por que Deus que era conhecido através de milagres e de interações diretas no início da Bíblia vai pouco a pouco se tornando oculto, até deixar os seres humanos inteiramente sozinhos ao final da Bíblia?

Em um momento triste e trágico da sociedade “civilizada” em que o terror faz novas vítimas num ataque ao jornal Charlie Hebdo em Paris, fica difícil encontrar a presença do Criador! Matar em nome de Deus? Guerra Santa? Política?

No princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus! E o verbo era Deus. E o verbo se fez carne e habitou entre nós.

Deve haver algum erro de interpretação, pois assistimos o verbo se fazendo “carnificina”!

Aquilo que for odioso para ti, não faça também ao próximo.

Não é isso que presenciamos nestas guerras pontuais.

Não terás outros deuses diante de mim.

Será que o Divino quis alertar Moisés? Quando disse:

Eu lhes ocultarei a Minha face.

A Guerra Santa continua… Je suis… Aussi!

A ideia de guerra santa nasceu com o conceito de um Deus único. É uma guerra causada por diferenças entre as religiões.

Guerra Santa é um recurso extremista que as grandes religiões monoteístas têm usado ao longo da história para proteger o que consideram ameaça aos seus dogmas e a seus lugares sagrados.  Na origem das primeiras “guerras santas” já travadas na história estão o Islamismo e o Cristianismo. Vivemos os resquícios da Idade Obscura?

Na Idade Média, quando o monoteísmo ficou definitivamente na moda, homens de diferentes fés mataram uns aos outros crentes de que estavam ganhando o caminho do céu ao livrar o mundo terreno dos infiéis ou hereges.

Aquenáton, conhecido antes do quinto ano de seu reinado como Amenófis IV, foi Faraó da XVIII dinastia do Egito que reinou por dezessete anos e morreu em 1336 ou 1334 A.E.C. Ele é lembrado por abandonar o tradicional politeísmo egípcio e introduzir uma adoração centrada em Aton, que é às vezes descrita como monoteísta ou henoteísta. Inscrições antigas ligam Aton ao Sol comparado às estrelas, com a linguagem oficial posterior evitando chamá-lo de um deus, dando a deidade solar um status acima dos meros deuses.

Je suisAussi!

“Soldados, do alto destas pirâmides quarenta séculos vos contemplam”. Napoleão Bonaparte

Se vivo fosse ainda, Napoleão diria aos terroristas do Estado Islâmico:

Do alto dessa torre (Eiffel) apenas 126 anos vos observam!

E nada mudou…

E eu descobri que meus castelos se apoiavam sobre pilares de sal e pilares de areia!

Só resta O Seu encontro com Você!

 

O Peso da Pena… A Gota D’água!

O Peso da Pena… A Gota D’água!

Quanto pesa uma pena? A primeira ideia é que se trata de algo bem leve. Assisti a um vídeo recentemente que mostra um balé utilizando uma estrutura geodésica onde havia uma pena colada em uma das hastes. Ao retirar a pena do conjunto, toda peça geométrica se desmanchou ao chão! Era o peso suficiente para manter o equilíbrio.

Qual o volume de uma gota d’água? Da mesma forma que o peso da pena, a gota d’água nos parece insignificante pela ideia de pequenez. Mas ela pode inundar o universo ou fazer transbordar os reservatórios mais diversos. Unidas formam oceanos!

Aquela gotinha nos olhos, que chamamos de lágrima, pode detonar uma explosão de sensações. De amor, de ódio e de dor! Pode ser de alegria também! O que vale e o que não vale a pena? Ops! Não estamos falando de penar! Mas também existe. Sentir pena de alguma coisa ou de alguém é outra situação para a mesma palavra. Um grande sofrimento psicológico.  Desgosto, Dó… Tristeza. Sentimento provocado por sofrimento alheio. Compaixão, Lástima. Um espinho ou uma pua! Como diziam os mais antigos. Como castigo a pena também é reportada. Punição ou castigo imposto por lei a algum crime, delito ou contravenção. Uma sanção.

Meter pena: Dar pena.

Pena capital: O mesmo que pena de morte.

Pena de morte: Sanção que condena à morte.

Pena de talião: Castigo que consiste em fazer sofrer ao delinquente o que ele fez sofrer à vítima.

Na religião católica, Pena Eterna são castigos dos condenados ao Inferno. Seriam “almas penadas”?

Pena última: O mesmo que pena de morte.

Valer a pena: Merecer o esforço, o trabalho. Compensar. Por tudo isso a pena tem pesos diferentes!

Quando estamos vivendo momentos de “tolerância zero”, a gota d’água funciona na mesma forma daquela que faz transbordar o conteúdo líquido de um recipiente.  Tudo isso nos dá a certeza da importância de um grão de areia no equilíbrio do Universo. Temos vivido em constante estado de tensão pelas intempéries do crescimento urbano e do crescimento populacional. Sem contar com as disritmias causadas pelos mandatários “pilantras” na face da Terra! As cidades como “um aglomerado permanente, relativamente grande, denso de indivíduos socialmente heterogêneos, ressente-se da falta de planos de zoneamento e de legislação que possam canalizar o seu desenvolvimento sem detrimento da condição de vida de seus habitantes”. Igualmente generalizáveis para todas as grandes metrópoles, acrescentam-se os problemas com a poluição e com as redes de esgoto que se mostram de todo insuficientes para responder a um crescimento exagerado que não se previu e dificilmente, ou nunca, se poderá conter.

Do acumulo do lixo urbano, a formação do lixo humano é apenas um passo, um curto trecho percorrido pelas classes mais baixas em quase todas as grandes metrópoles.

Como se o céu vendo as penas

Morresse de pena

E chovesse o perdão

E a prudência dos sábios

Nem ousou conter nos lábios

O sorriso e a paixão

Pois transbordando de flores

A calma dos lagos zangou-se

A rosa-dos-ventos danou-se

O leito do rio fartou-se

E inundou de água doce

A amargura do mar

Numa enchente amazônica

Numa explosão atlântica

E a multidão vendo em pânico

E a multidão vendo atônita

Ainda que tarde

O seu despertar

Tem momentos em que se alguém esbarra na gente, saímos cuspindo fogo e bradando impropérios! Como se o esbarrão fosse aquela gota d’água!

Dá vontade de “depenar” os insensíveis que nos importunam com gritos em seus celulares… Arrastando cadeiras barulhentas… Cortando bruscamente sua frente no trânsito… Motoqueiros ziguezagueando em todos os pontos cardeais do seu carro! GRRRRR!

Mas… Aí a pena pesa!

São penas que foram usadas para a libertação da escravatura! Para escrever as 613 mitzvot da Torá!

Pena que vale a pena! Leve na estrutura física, mas pesada em sua função exercida na determinação que orienta e que ensina, principalmente, que liberta!

Voltando à Gota D’água para encerrar esta lavra, deixo aqui registrado um momento em que o nosso país, este grande Brasil Continental, Numa enchente amazônica… Numa explosão atlântica, vive seu limite de tolerância para tantos desmandos seguidos décadas a fio! Patrocinar subliminarmente a Ditadura Cubana, além de ser uma Pena… É a Gota D’água. Quem sabe uma Gota de Sangue! …Em um hospital qualquer!