Adão e Eva… Tá tudo… Entubado…

Adão e Eva… Tá tudo… Entubado…

Quando começo escrever, procuro sempre imagens e músicas para embelezar as letras… As palavras… As frases… Os textos… A lavra… A verve!

A humanidade está enferma. Era uma vez um Adão e uma Eva. Únicos. No Éden. Inicio das entubações e dominações. “Tá tudo dominado”! Mundo enloucado!

No começo era assim:

Google – Imagens

Ó! Eva… O Universo conspira a nosso favor! Disse Adão.

Google – Imagens

A Eva começou a ficar fogosa. Ela e Adão foram criados um para o outro. Nem a cobra de Adão atrapalhava a maçã de Eva. A felicidade existia aos “tubos”, sem “dutos”. Não existiam ainda os Salvos Com Dutos Valerianos e Delubianos com seus Zés Dirceus… Dos Proteus e dos Promeus! O que era de um, era do outro. Concluía-se que o ser humano foi criado em Paz!

Deu fome e Adão não comeu a maçã… Nem a Eva!

Brava,  pensou em fugir com a maçã e tirar os pés enraizados do Éden.

Desenho Marco Alzamora

Arrancando os pés do chão, com raízes e tudo, Eva deu um passo à frente…

Adão implorava para Eva não se evadir do Éden.

Google – Imagens

Começou uma guerra dos sexos.

Refletiu no animalzinho que, desde remotos tempos, já era o melhor amigo do homem.

Rede Globo – Guerra dos Sexos

A maçã virou osso duro de roer…

Inevitável o contágio com o resto da humanidade e com todos os seres vivos.

Dante Alighieri em sua grande obra A Divina Comédia, quando relatou o Inferno, não conhecia Marcola.

Marcola conhecia bem Dante.

O mundo começava a crescer vertiginosamente.

Os cachorrinhos da Rede Globo imitam os homens infernizados do Dante e do Marcola… Que já cantava esta bola…

Dante e Virgílio no Inferno

Autor: William-Adolphe Bouguereau

Antes de estourarem os arrepiantes horrores de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina… E só o Marcola deverá nos dizer onde mais acontecerá… Vamos fazendo contrabando de bananas para o Paraguai.

(Entrevista dada ao Jornal O GLOBO por “Marcola”, o líder do PCC. Coluna: Arnaldo Jabor).

– Você é do PCC?

– Mais que isso, eu sou um sinal de novos tempos. Eu era pobre e invisível… Vocês nunca me olharam durante décadas… E antigamente era mole resolver o problema da miséria… O diagnóstico era óbvio: migração rural, desnível de renda, poucas favelas, ralas periferias… A solução que nunca vinha… Que fizeram? Nada. O governo federal alguma vez alocou uma verba para nós? Nós só aparecíamos nos desabamentos no morro ou nas músicas românticas sobre a “beleza dos morros ao amanhecer”, essas coisas… Agora, estamos ricos com a multinacional do pó. E vocês estão morrendo de medo… Nós somos o início tardio de vossa consciência social… Viu? Sou culto… Leio Dante na prisão…

Ele já cantava essa bola!

Esse cara é o Marcola!

Bandidos atearam fogo em um ônibus urbano, em Canasvieiras, no Norte da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis (Cristiano Estrela/Ag. RBS/Folhapress) O estado de Santa Catarina enfrentou uma nova série de atentados na última madrugada. Entre a noite de terça-feira e a manhã desta quarta, três ônibus foram incendiados e prédios das polícias civil e militar foram alvos de disparos dos criminosos. Na segunda-feira, bandidos já haviam atacado ônibus e viaturas policiais em Santa Catarina.

Passaram por cima do Paraná?

Será que o plano é imitar a Eva quando deu o primeiro passo em fuga do Éden?

Em Curitiba temos as estações “tubos” para o transporte coletivo.

Adão e Eva… Tá tudo Entubado…

Tá tudo dominado?

A enferma humanidade briga aqui e briga acolá.

Blog do Dante Arruda. blogspot.com

Exército israelense aumenta mobilização após ataque a Jerusalém.

Não vai sobrar nem quibe nem tabule para contar a história.

Adão não comeu a Eva… A Eva não comeu a maçã… Começou a intubação sem elucubração, pois ninguém havia entubado ninguém até então.

As Forças Armadas devem entrar em ação.

Exército, Marinha e Aeronáutica devem se mobilizar com urgência. O Marcola cantou a bola de outras “forças armadas”:

Um país apodrecido?

Orlando Fedeli

O PCC acaba de expor, a quaisquer olhos, o estado de deterioração moral e de completa ausência de valores a que o Brasil – desgraçadamente – foi reduzido.

Uma facção criminosa se impôs ao Estado.

O crime organizado venceu um Estado desorganizado.

Pior que desorganizado, um Estado deteriorado.

Um Estado – como, de resto, – todo um país desgraçadamente apodrecidos por anos de corrupção ideológica e moral que atingiu em vários graus, amplas camadas de todas as esferas e instituições sociais: Igreja, Estado, Universidade, Escola, Família, Congresso, Justiça…

Conforme declarou o jornal O Estado de São Paulo, em editorial, a crise vivida nestes dias tornou patente que o uso de força armada deixou de ser um monopólio do Estado. Criminosos montaram um Estado paralelo, com poder armado também paralelo.

E agora cabe bem a pergunta: por que o PT de Lula se esforçou tanto em fazer uma lei e uma campanha para o desarmamento da população? Por que o Lula não se preocupa em desarmar o PCC e o MST, as duas “Forças” mais Armadas do Brasil?

Palavras do sábio Marcola. O cantador da bola.

Nessas alturas já não se sabe se foram Adão e Eva ou os cachorrinhos da Rede Globo os inspiradores da enfermidade dos humanos.

Carlinhos Cachoeira seria um Adão da atualidade?

Sua Eva seria essas coisas todas mesmo?

O Fabio Campana fazendo fofocas informou em Política, Cultura e o poder por trás dos panos, uma passagem que não avaliza a manceba do Carlinhos Cachoeira com a Eva do Adão. Seria verdade?

É fofoca?

Alvaro Dias exigente

Andressa Mendonça chegou ao Senado nesta manhã por uma discreta entrada lateral que dá acesso ao gabinete do tucano Alvaro Dias.

O senador aproveitou que sua sala havia virado rota da CPI mista do Cachoeira para dar uma conferida na mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Sabe o que Dias achou? Diz o tucano:

– Não achei isso tudo, não.

Por Lauro Jardim

É, deve ter sido fofoca mesmo. O Fabio Campana colocou a foto da Denise Rocha, assistente parlamentar.

Os homens ou mentem ou se enganam. Adão deve ter contado histórinhas para a Eva não “picar a mula” do Éden.

Nem acho que o senador Alvaro Dias iria se manifestar a tal situação. O colunista quis ser humorista.

Andressa Mendonça, noiva de Carlinhos Cachoeira.

A Eva de biquíni não é a Eva que aparece o rosto na foto da Coluna do Fabio Campana.

O Adão é esse aí mesmo.

Enquanto estou escrevendo estão jogando bombas, queimando ônibus, matando bandidos e policiais.

Tudo culpa do Adão e da Eva? Da maçã não comida? Do Inferno de Dante? Do Marcola?

Homens e mulheres, cachorros e cadelas, gatos e gatas… Tudo depende da flexibilidade do rabo da lagartixa?

Jacaré nada de costas em rio de piranhas?

Alguém disse para o crocodilo: “Deixa estar jacaré”… A lagoa há de secar… Os peixinhos hão de morrer… E você há de ficar…

Adão entra pelo cano e Eva pelo tubo.

Encanado e entubada.

O terror passou por cima do Paraná?

Aqui não acontece violência semelhante?

Não ainda. Não queimaram nenhum tri-articulado.

No planalto central do país, o chefe mor da Justiça sodomiza o sistema prisional.

Tem presídio para Adão e para Eva.

Futura Press

Geraldo Alckmin o ministro José Eduardo Cardozo se encontram para discutir combate ao crime.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse na tarde de hoje (13), na capital paulista, que prefere a morte a uma longa pena no sistema prisional brasileiro, porque as condições nos presídios nacionais são medievais.

“Se fosse para cumprir muitos anos em uma prisão nossa, eu preferiria morrer”…

Medievais?

No mensalão, Toffoli diz que “prisão combina com período medieval”.

Tem prisão para Eva?

Sodoma e Gomorra? Masmorra?

Foto Maxim Shemetov, 30.07.2012. 

Detido alguns momentos antes de ser lida a sentença, que decidiu a pena de dois anos de prisão para os três elementos das Pussy Riot, o ex-campeão mundial de xadrez Garry Kasparov ilustrou em poucas palavras a amplitude do julgamento: “foi um ajuste de contas medieval e inquisitório”.

Alguém está entubando alguém medievalisticamente?

Prenderam Adão e Eva na mesma masmorra?

Ô Marcola! Cante essa bola!

A cobra do Éden falava qual língua?

Texto de Mircea Eliade em “História das crenças e das ideias religiosas, vol. I” (Ed. Zahar) – trechos das págs. 165 a 167. Tradução de Roberto Cortes de Lacerda.

O jardim do Éden, com o seu rio que se dividia em quatro afluentes e levava a vida às quatro regiões da Terra, e as suas árvores que Adão devia guardar e cultivar lembra o imaginário mesopotâmico. É provável que, também nesse caso, o relato bíblico utilize certa tradição babilônica. Mas o mito de um paraíso original, habitado pelo homem primordial, e o mito de um lugar “paradisíaco” dificilmente acessível aos seres humanos eram conhecidos além do Eufrates e do Mediterrâneo.

No inicio a maçã era verde? Seriam Adão e Eva semelhantes aos da foto?

E os homens das cavernas vieram de que colóquio amoroso? Neandertal?

Não importa.

O que importa é a herança deixada para a enferma humanidade em guerra.

Tem que acabar com isso antes do fim do mundo.

Os sinais do fim dos tempos são presentes.

Apocalíptico!

The End Of The World…

Ao Meu Amor…

Se eu fosse você, eu voltava pra mim…

Foi assim que comecei escrever hoje. Conversando com meu querido amigo e parceiro destas estrepolias literárias, Luigi, Xuqui, Juan Campesino ou outras mil facetas de identificação do feiticeiro  Cervantes, perguntei qual é a música! Ele de “bate pronto” respondeu: “Estava pensando em alguma coisa importante em minha vida…”  

Pra você eu guardei
Um amor infinito
Pra você procurei
O lugar mais bonito
Pra você eu sonhei
O meu sonho de paz
Pra você me guardei demais
Se você não voltar
O que faço da vida?
Não sei mais procurar
A alegria perdida
Eu não sei nem porque
Terminou tudo assim
Ah, se eu fosse você
Eu voltava pra mim
Voltava sim…

Desenho em aquarela – Marco Alzamora

Mandou-me um vídeo com a música e comentou:

“Não sei se vai ajudar a tua inspiração”.

Era esta música que eu estava pensando… Sem as moças alegrinhas que estão no vídeo. Ou podemos fazer uma revista para elas. Kkkk.

Sério, esta música é linda.

Sem preconceitos! É claro!

Respondi: Realmente!

Desenho em aquarela – Marco Alzamora

Belas desperdiçadas num idílio de amor. Sublime, embora não seja meu sonho erótico.

A música deve dizer algo que você deixou passar… Nunca é tarde… Se a morte ainda não levou!

Veja e ouça o “Secreto Eterno”. – Reforcei.

Ele insistiu:

“Vá… Duas senhoritas, um bom uísque (quando podíamos), uma casa na praia, sem dívidas, dinheiro no bolso… Foi sempre um sonho de consumo de qualquer homem”.

“Hoje, realmente, também não faz mais parte de meu sonho erótico”.

O “Secreto Eterno” é lindo, mas cantado em espanhol, no órgão fica muito triste e engraçado, a música é uma mistura de tango com bolero, ou estou enganado?

O mote está em DEIXOU PASSAR… Mas será que posso ter uma segunda chance?

Se a morte ainda não levou… Na teoria… Sim! Tem uma música, não sei se é apropriada, somente para ilustrar “Se eu soubesse naquele dia o que sei agora. Eu não seria este ser que chora, eu não teria perdido você”…

Mas, ela não dá a condição da reconquista do que você deixou passar.

Espetáculo este tema, tem que ser tratado com luvas de pelica.

Vai! Dom Marco

Vai ficar uma história linda.

Depois dessa, se ele não mandar me matar, vou continuar escrevendo até o fim essa empreitada.

O “Secreto Eterno” remete ao casamento místico. Meu avô, estudante profundo de metafísica, assobiava e cantarolava com tanto esmero e pureza d’alma… Que fico emocionado até hoje ao lembrar.

Neste meio tempo lembrei-me do recém lido livro de Anne Tyler, “O Começo do Adeus” – Aprendendo a se despedir…

Anne Tyler nasceu no dia 25 de outubro de 1941 em Minnesota. O seu  sorriso mostra muito bem que ela entende o que estou escrevendo agora. É um sentimento de quem já se despediu de muitos entes queridos. A dor da perda todos nós conhecemos. Desde que nascemos. Em sua ficção, a autora conta a história de Aaron, um homem de meia idade, desolado pela morte da esposa.

Meu teclado não quer parar de fazer tec-tec-tec… Ou será PEC – PEC – PEC de iniciativa popular?

Tagarelas são os meus dedos!

Percebi que sou o primogênito de um enlace amoroso de tempos idos. Meu pai e minha mãe fizeram juras de amor eterno ao despertarem no desejo sublime que me fez nascer. Fruto da magia divina. Moraram em verdadeiros barracos escorados com pedaços de madeira nesses interiores paranaenses. Ali havia nascido o amor.

O tempo não para nunca. Os caminhos da vida são infinitos. Quando recebi um e-mail do meu progenitor, contando uma história linda, reforcei meu desejo de explorar o tema nesse artigo.  Embora muitos já conheçam, contava o seguinte:

CASADOS PARA SEMPRE

Há muito tempo atrás, um casal de idosos que não tinham filhos, morava em uma casinha humilde de madeira, tinham uma vida muito tranquila, alegre, e ambos se amavam muito. Eram felizes. Até que um dia… Aconteceu um acidente com a senhora. Ela estava trabalhando em sua casa quando começa a pegar fogo na cozinha e as chamas atingem todo o seu corpo. O esposo acorda assustado com os gritos e vai a sua procura, quando vê coberta pelas chamas e imediatamente tenta ajudá-la. O fogo também atinge seus braços e, mesmo em chamas, consegue apagar o fogo. Quando chegaram os bombeiros já não havia muito da casa, apenas uma parte, toda destruída. Levaram rapidamente o casal para o hospital mais próximo, onde foram internados em estado grave. Após algum tempo aquele senhor menos atingido pelo fogo saiu da UTI e foi ao encontro de sua amada. Ainda em seu leito a senhora toda queimada, pensava em não viver mais, pois estava toda deformada, queimara todo o seu rosto. Chegando ao quarto de sua senhora, ela foi falando: – Tudo bem com você meu amor?

-Sim, respondeu ele, pena que o fogo atingiu os meus olhos e não posso mais enxergar, mas não se preocupe amor, que sua beleza está gravada em meu coração para sempre. Então triste pelo esposo, a senhora pensou consigo mesma: “Como Deus é bom, vendo tudo o que aconteceu a meu marido, tirou-lhe a visão para que não presencie esta deformação em mim”. As chamas queimaram todo o meu rosto e estou parecendo um monstro. E Deus é tão maravilhoso que não deixou ele me ver assim, como um monstro!

 Obrigado Senhor!

Passado algum tempo e recuperados milagrosamente, voltaram para uma nova casa, onde ela fazia tudo para o seu querido e amado esposo, e o esposo agradecido por tanto amor, afeto e carinho, todos os dias dizia-lhe:

-COMO EU TE AMO.

Você é linda demais. Saiba que você é e será sempre, a mulher da minha vida! E assim viveram mais 20 anos até que a senhora veio a falecer. No dia de seu enterro, quando todos se despediam da bondosa senhora, veio aquele marido com os olhos em lágrimas, sem seus óculos escuros e com sua bengala nas mãos. Chegou perto do caixão, beijou o rosto acariciando sua amada, disse em um tom apaixonante: -“Como você é linda meu amor, eu te amo muito”. Ouvindo e vendo aquela cena, um amigo que estava ao seu lado perguntou se o que tinha acontecido era milagre. Pois parecia que o velhinho parecia enxergar sua amada. O velhinho olhando nos olhos do amigo, apenas falou com as lágrimas rolando quente em sua face: – Nunca estive cego, apenas fingia, pois quando vi minha amada esposa toda queimada e deformada, sabia que seria duro para ela continuar vivendo daquela maneira. Foram vinte anos vivendo muito felizes e apaixonados! Foram os 20 anos mais felizes de minha vida. E emocionou a todos os que ali estavam presentes.

CONCLUSÃO: Na vida temos de provar que amamos! Muitas vezes de uma forma difícil… E, para sermos felizes, temos de fechar os olhos para muitas coisas, mas o importante é que se faça única e intensamente com AMOR!

Ao Meu Amor… VAI DAR TUDO CERTO!

Google – Imagem

E assim vamos levando… Maridos se vão e esposas ficam… Esposas se vão e maridos ficam… Bom quando todos vão juntos… Ou ficam! Quando existe a “cara metade”, é a alma que se apresenta na relação. Tempos passados com amor, sempre estarão presentes em nossas mentes e corações. Quando alguém canta… “Chorei… Não precisava esconder… Todos viram… Fingiram… Pena de mim não precisava… Ali onde eu chorei… Qualquer um chorava! É porque já viveu uma paixão…

Google – Imagem

Será que isso já aconteceu com você? Comigo? Com meu amigo Juan Campesino?

Sei lá! O importante é a preservação daquele sentimento puro que um dia existiu! Ao Meu Amor…

Um Amor e uma Cabana!

Quando falo disso não estou falando em…

…Serenata de Schubert!

Falo de um amor e uma cabana mais simples!

Quando o amor é tão grande que até as paredes escoradas em caibros de madeira formam estruturas suficientemente fortes para sustentar os fluxos divinos da paixão. Ali nascem os frutos contínuos da procriação.

A alma canta em harmonia com vibrações musicais das esferas.

Existe quem defenda o contrário. Aliás, nos tempos atuais essa poesia cultivada nos antigos casais, não funciona mais  para a maioria dos jovens amantes. A magia sumiu?

As lembranças do passado estreitam os relacionamentos?

“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”

Fernando Pessoa

“A amizade é um amor que nunca morre.”

Mario Quintana

Agora, para finalizar essa viagem no tempo e no espaço…

Ofereço… O meu abraço…

Ao Meu Amor…

Será? Reflexões!

Será? Reflexões!

Quando o momento do Universo está “nervoso”, tudo parece “fervilhar” nos cerebelos mais aguçados! Nos menos aguçados também! A Primavera chegou nublada e pouco florida! Trovoadas e “bombas” eclodem nos quatro pontos cardeais!

Assistindo a um documentário na TV, relatando acontecimentos causados por déspotas… Remeteu-me á Primavera Árabe!

Apesar de ter-se iniciado durante o inverno do hemisfério norte, é uma alusão à Primavera de Praga.

Primavera Árabe, como é conhecida internacionalmente, é uma onda revolucionária de manifestações e protestos que vêm ocorrendo no Oriente Médio e no Norte da África desde 18 de dezembro de 2010. Até a data, tem havido revoluções na Tunísia e no Egito, uma guerra civil na Líbia e na Síria; também houve grandes protestos na Argélia, Bahrein, Djibuti, Iraque, Jordânia, Omã e Iémen e protestos menores no Kuwait, Líbano, Mauritânia, Marrocos, Arábia Saudita, Sudão e Saara Ocidental. Os protestos têm compartilhado técnicas de resistência civil em campanhas sustentadas envolvendo greves, manifestações, passeatas e comícios, bem como o uso das mídias sociais, como Facebook, Twitter e Youtube, para organizar, comunicar e sensibilizar a população e a comunidade internacional em face de tentativas de repressão e censura na Internet por partes dos Estados.

Hoje o Brasil está vivendo seu período de democracia aonde o povo vai ás urnas para eleger seus representantes no Poder Público da República. A res- pública é outra coisa! Segundo os noticiários… Bem dilapidada pelos que estão no poder. Não falar sobre isso? É defensável? Há justificativa para os “roubos” e desmandos de uns e de outros?

Falando em redes sociais, deparei-me com uma postagem do amigo Paulo Sergio Maioque:

É triste, mas é a verdade. Em todos os episódios políticos, sendo o lado X, Y ou Z, há um procedimento estratégico que vem sendo seguido pelos grupos de sabotagem. Podemos sintetizá-lo em dez mandamentos operativos:

1) Difunda o ódio. Ele é mais rápido que o amor.

2) Comece pela juventude. Ela esta multiconectada e pode ser mais facilmente mobilizada para destruir do que para construir.

3) Perceba que destruir é “divertido”, ao passo que “construir” pode ser cansativo e chato.

4) A veracidade do conteúdo é menos relevante do que o potencial impacto de uma mensagem construída a partir da aparência ou do senso comum.

5) Trabalhe em sintonia com a mídia tradicional, mas simule distanciamento dos partidos tradicionais.

6) Utilize âncoras “morais” para as campanhas. Criminalize diariamente o adversário. Faça-o com vigor e intensidade, de forma a reduzir as chances de defesa.

7) Gere vítimas do oponente. Questões como carga tributária, tráfico de drogas e violência urbana servem para mobilizar e indignar a classe média.

8) Eleja sempre um vilão-referência em cada atividade. Cole nele todos os vícios e defeitos morais possíveis.

9) Utilize referências sensoriais para a campanha. Escolha uma cor ou um objeto que sirva de convergência sígnica para a operação.

10) Trabalhe ativamente para incompatibilizar o político-alvo com os grupos religiosos locais. Várias dessas agências internacionais de desestabilização enviaram emissários ao Brasil, especialmente a partir do ano passado.

Antes de responder… Fiz a analogia das primaveras!

Primavera Brasileira?

Primavera da América “Latrina”?

Bom… Vamos lá caro amigo:

Concordo Paulo Sergio Maioque! Só acho que não dá pra defender o indefensável! Se assim não o fosse, as falcatruas seriam empurradas pra baixo de um tapete bem encardido! Boa Semana!

De “bate-pronto” recebi a tréplica:

Na maioria das vezes Marco Antonio Alzamora Gonçalves saber ou não saber o que é defensável, fica por conta do julgamento da consciência de cada um. E você sabe que muitas vezes somos traídos por ela e quando descobrimos já fez o estrago que poderíamos ter evitado. Um bom domingo e uma semana de muita reflexão consciente. Abraços.

Será? Reflexões!

…saber ou não saber o que é defensável, fica por conta do julgamento da consciência de cada um?

O grupo radical EI (Estado Islâmico), que assumiu o controle de várias cidades na Síria e no Iraque, divulgou um vídeo que mostra militante decapitando o jornalista americano Steven Sotloff.

Consciência de cada um… E você sabe que muitas vezes somos traídos por ela e quando descobrimos já fez o estrago que poderíamos ter evitado.

Mulher aprisionada pelo fundamentalismo islâmico.

Quando Fanatismo Religioso e Político tem o Poder, os Inocentes pagam.

“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”!

Propaganda nazista de Joseph Goebbels.

Por fim, infelizmente, acabou sendo a maior prova de que uma mentira contada muitas vezes pode se tornar uma verdade.

O dano foi terrível!

Primavera Brasileira?

Quando um jornal de grande circulação publica matéria sobre depoimento de um ex-diretor de estatal, dizendo que se revelasse tudo que sabe… Não haveria eleições este ano!

Isto faria parte dos dez mandamentos operativos, citados anteriormente pelo amigo Paulo?

 6) Utilize âncoras “morais” para as campanhas. Criminalize diariamente o adversário. Faça-o com vigor e intensidade, de forma a reduzir as chances de defesa.

Será? Reflexões!

Isso é verdade ou mentira?

Em janeiro de 2005, a empresa belga Astra Oil comprou uma refinaria americana chamada Pasadena Refining System Inc. por irrisórios US$ 42,5 milhões?

No ano seguinte, com aquele mico na mão, os belgas encontraram pela frente a generosidade brasileira e venderam 50% das ações para a Petrobras. Sabem por quanto? Por US$ 360 milhões! Vocês entenderam direitinho: aquilo que os belgas haviam comprado por US$ 21,25 milhões (a metade da refinaria velha) foi repassado aos “brasileiros bonzinhos” por US$ 360 milhões. 1590% de valorização em um aninho.  A Astra sabia que não é todo dia que se encontram brasileiros tão generosos pela frente e comemorou:

“Foi um triunfo financeiro acima de qualquer expectativa razoável”.

Bom…

Concordo Paulo Sergio Maioque! Só acho que não dá pra defender o indefensável! Se assim não o fosse, as falcatruas seriam empurradas pra baixo de um tapete bem encardido! Boa Semana!

Será? Reflexões!

A DUALIDADE DO SER… A OUTRA FACE!

A DUALIDADE DO SER… A OUTRA FACE!

Somos o que somos? E o que somos? Bipolares? Tripolares? Entes polares ou… Entre polares?

Ontem foi um dia “daqueles”! Assisti a um programa na televisão falando sobre agorafobia. Agorafobia vem do grego (ágora – assembleia; reunião de pessoas; multidão + phobos – medo) e é originalmente o medo de estar em espaços abertos ou no meio de uma multidão. Em realidade, o agorafóbico teme a multidão pelo medo de que não possa sair do meio dela caso se sinta mal e não pelo medo da multidão em si. Muitas vezes é sequela de transtorno do pânico. Quando o medo surge é difícil saber se estamos tendo um ataque de pânico ou agorafobia, porque ambos têm quase os mesmos sintomas. Parecia que nada iria dar certo. O dia passou e a noite chegou mais amena. Demorei a dormir, tendo conseguido já na madrugada de hoje. O sono vem “com tudo” bem na hora de levantar. Para quem tem hora, é claro! Quem não tem horário a cumprir pode ficar com as juntas encrencadas de tanto ficar na cama. Por razões da dinâmica de ir e vir, o novo dia foi bem diferente do anterior. Mas até que isso acontecesse, foram horas de elucubrações quase psicodélicas. Lisérgicas eu diria!

Como venho dedicando-me a escrever já há algum tempo, fiquei me perguntando sobre a minha identificação com o relato de uma personagem do romance de Khaled Hosseini, “O silêncio das montanhas”. A personagem Nila Wahdati era escritora, escrevia poemas. Ela dizia que não se orgulhava de seus poemas. Fiquei com “meus botões” imaginando se seria o mesmo comigo. Não que eu escreva poemas… Mas escrevo! E basta por enquanto! A personagem pondera sobre conseguir distanciar o seu trabalho do próprio processo criativo. Aí é que me veio o questionamento.

Ela, respondendo a uma entrevista, disse:

 Eu vejo o processo criativo como um empreendimento necessariamente desonesto. Aprofunde-se num lindo texto escrito, monsieur Boustouler, e vai encontrar todos os tipos de desonra. Criar significa vandalizar a vida de outras pessoas, transformando-as em participantes involuntários e inconscientes. Nós roubamos desejos alheios, seus sonhos e embolsamos seus defeitos. Pegamos o que não nos pertence. E fazemos isso conscientemente.”

É a compulsão que a dominava… E me domina!

Ainda lépido, na madrugada que parecia não ter fim, lembrei-me de Mario Quintana escrevendo:

“… Dizem que sou modesto. Pelo contrário, sou tão orgulhoso que acho que nunca escrevi algo à minha altura. Porque poesia é insatisfação, um anseio de auto superação”.

Monumento a Mário Quintana (dir.) e Carlos Drummond de Andrade, na Praça da Alfândega de Porto Alegre, obra de Francisco Stockinger.

Levantei… Fiz alguma coisa… Voltei ao travesseiro, esteio dos meus pensamentos de vigília noturna.

Sim, como poderia escrever algo para ser “bem lido”? Que me satisfizesse o amago do ego?

Acabara de ler um livro de Elie Wiesel, “Uma Vontade Louca de Dançar”, onde ele preconiza que “… Quando a gente chora, não choramos pelos outros e, sim por nós mesmos”.

Elias “Elie” Wiesel (Sighetu Marmaţiei, 30 de setembro de 1928) é um judeu sobrevivente dos campos de concentração nazistas, que recebeu o Nobel da Paz em 1986 pelo conjunto de sua obra de 57 livros, dedicada a resgatar a memória do Holocausto e a defender outros grupos vítimas das perseguições.

Consequentemente, mergulhamos nas profundezas do egocentrismo e do interesse como mola mestra das nossas boas ações.

Agora a coisa encrencou de vez!

Já num limbo literário meu avô José Alzamora me apareceu, em dimensão mística e cósmica, com um exemplar do livro de Menotti Del Picchia.

Meu avô adorava fazer citações. Acho que estou incorporando-o!

Em “OBRAS COMPLETAS – CONTOS – 1946”:

“No fundo de cada renuncia há um interesse. Quando um mal se torna bom, sua bondade é um disfarce acidental da sua perfídia: é uma metamorfose meramente formal da maldade assim transmudada pelo interesse. Uma generosidade que se faz mais intensa, um perdão que varre uma culpa, tudo encapota o interesse. Raspe-se a casca de qualquer ação humana que, no fundo, encontra-se o interesse…”.

Menotti Del Picchia

Paulo Menotti Del Picchia (São Paulo, 20 de março de 1892 — São Paulo, 23 de agosto de 1988) foi um poeta, jornalista, tabelião, advogado, político, romancista, cronista, pintor e ensaísta brasileiro.

No ensaio da vida, percorremos caminhos onde encontramos tudo, que existe no universo, aos pares. Nada existe sem seu oposto.

O bem e o mal, o claro e o escuro, o dia e a noite, a alegria e a tristeza o tudo e o nada, a dinâmica e a estática e etc…

Porém alguns mistérios, e por serem mistérios não são explicados, se apresentam em incógnitas.

Na lei da dualidade, assim como na da lei ação e reação, duas situações não apresentam seus reais opostos.

Uma delas é a questão da dinâmica e da estática. No universo tudo vibra e está em movimento.

As leis da estática foram formuladas por Albert Einstein para justificar a referida dualidade dos opostos.

Se não houvesse isso, haveria o desequilíbrio.

A outra é retórica. É no mínimo intrigante pensar o que ocorre na dualidade “tudo /nada”.

No tudo, pode-se considerar a presença do nada (Se é tudo, até o nada faz parte).

No nada, o tudo não existe (Ou não faz parte). No nada não existe nada.

Albert Einstein

É conhecido por desenvolver a teoria da relatividade.

Acho que ando meio “relativista” mesmo!

Assim, nos tornamos eternos buscadores e não nos incluímos na teoria estática de Einstein.

Sempre estaremos num movimento continuo, até mesmo com a transição da alma.

Como meu pensamento vaga… Que vague com AMOR!

Assim conclamo o poeta maior… Quem sabe?

Ninguém melhor que Carlos Gomes!

Tão longe de mim distante

Onde irá, onde irá teu pensamento

Quisera, saber agora

Se esqueceste, se esqueceste

Quem sabe se és constante

Se ainda é meu teu pensamento

Minh’alma toda devora

Dá a saudade dá a saudade agro tormento

Tão longe de mim distante

Onde irá onde irá teu pensamento

Quisera saber agora

Se esqueceste se esqueceste o juramento!

Não te contei… Não?

Não te contei… Não?

Enquanto estou começando escrever esta lavra, alguém em algum lugar já sabe até o que eu estou pensando!

Fantástico!

Com o advento do norte-americano Edward Snowden, embasado em documentos secretos, o Universo está sendo espionado. Querem fazer crer que somente os Estados Unidos da América possuem esta capacidade. Óbvio que não. Espionagem sempre existiu nos quatro pontos cardeais. Lembro-me muito bem do meu avô, estudante avançado de hipnose e telepatia, contando que os astronautas russos e americanos contratavam paranormais para fazerem parte das suas equipes, objetivando a comunicação entre a central de comando na Terra e os “Deuses Astronautas” em suas naves interplanetárias. Dizia que quando as naves espaciais se posicionavam atrás da Lua, perdia-se a comunicação com a Terra, considerando que as ondas hertzianas transmitidas por instrumentos não atravessavam “paredes sólidas”. Nesse lapso de tempo as comunicações deveriam ser feitas por telepatia, pois as “ondas cerebrais” não são barradas por nenhum obstáculo material. Pensando bem… Não precisamos de “aparelho” nenhum para sabermos alguma coisa.

No dia 6 de junho, o jornal britânico The Guardian, primeiro a divulgar os vazamentos de Snowden, informou como opera a NSA. Um programa de computador dá à agência acesso a e-mails, chats online e chamadas de voz dos usuários dos serviços da Apple, Facebook, Google e Microsoft, entre outros, e tem parceria com uma grande telefônica dos Estados Unidos que mantém relações de negócios com serviços telefônicos no Brasil e noutros países.

Publicado por Associação do Ministério Público de Minas Gerais (extraído pelo JUSBRASIL).

Claro que a utilização de uma “parafernália” de instrumentos e equipamentos detecta e arquiva informações até do nosso DNA.

Mas a leitura do pensamento é muito mais protegida das intempéries climáticas. Faça sol ou… Faça chuva!

A ideia remete-me á Dan Brown em mais uma de suas fabulosas ficções, “Inferno”.

No livro ele fala de um luxuoso iate de 229 pés de comprimento chamado Mendacium. Avaliado em mais de 300 milhões de dólares, onde foi instalado um centro de comando informatizado de nível militar e protegido por uma blindagem de chumbo.

A sala de controle era servida por três links dedicados via satélite e por uma densa rede de estações de transmissão terrestres. O diretor desta “nave aquática” deveria ter o controle de tudo. Ali, o autor descreve, poder-se-ia prever cada possibilidade, antecipar qualquer reação e moldar a realidade a fim de alcançar o resultado desejado. Ele tinha um histórico impecável de sucessos e confidencialidade que lhe garantia uma clientela impressionante: bilionários, políticos, xeques e até governos inteiros.

Portanto a ficção de Dan Brown já nem é tanto assim… Tão fora da realidade! Ops! Desculpe-me…

Volto já! Estou recebendo uma ligação com encriptação em meu computador!

É uma mensagem criptografada!

Pronto! Voltemos ao tema! Ah! Vocês estão curiosos para saber qual mensagem acabei de receber? Pois bem, vamos lá! Em forma de hieróglifos fui informado sobre a criação da DARPADefense Advanced Research Project Agency (em português: Agência de Projeto e Pesquisa Avançada de Defesa). Meu avô José Alzamora voltou à cena! E tem até um brasileiro nessa empreitada metafísica! Seu nome é Miguel Nicolelis.

A Darpa, agência que ajudou a criar a internet e que financia as pesquisas do brasileiro Miguel Nicolelis, terá um projeto próprio para criar um leitor de pensamentos para ajudar soldados dos EUA.

Resultados muito mais palpáveis para os projetos financiados pela Darpa nesta área foram observados na Universidade Duke, na Carolina do Norte. Lá, a equipe liderada pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis conseguiu, em 1999, fazer com que uma macaca movimentasse um braço robô usando apenas o pensamento. Em janeiro do ano passado, um macaco conseguiu controlar o andar de um robô, em uma pesquisa que pode dar o Nobel ao brasileiro. Tudo isso pode parecer muito bizarro, mas o fato é que a Darpa tem um histórico de sucesso. Criada em 1957, após os Estados Unidos terem sido derrotados pela União Soviética na corrida para colocar o primeiro satélite artificial em órbita (os soviéticos conseguiram lançar o Sputnik em 1957 e ainda mandaram Yuri Gagarin para o espaço em 1961), a Darpa deu origem à NASA, a agência espacial dos EUA, e, mais tarde, iniciou a pesquisa que culminou na internet atual. Se há alguma agência capaz de criar uma inovação de impacto tão grande como a da telepatia, certamente é a Darpa.

…Darpa que pretende criar binóculos capazes de ler a mente – e que funcionariam a partir da detecção dos pensamentos dos inimigos quando eles ainda estivessem no subconsciente. REDAÇÃO ÉPOCA.

Não te contei… Não?

Chacotas vão “rolar” em todas as redes! Até naquelas do Nordeste dependuradas em troncos de coqueiros, com sombra e água de coco fresca!

Após a espionagem detectada na China, só nos falta saber como estão se comportando os marcianos! Será que eles existem mesmo? Acho que os chineses vieram para o Brasil alegando interesse no petróleo da camada do Pré-Sal com o objetivo de saber se existem extraterrestres em nosso mar profundo!

Penso que, além da invasão do dragão, já existe um exército de marcianos no fundo desse mar!

Alô, alô, marciano…

Aqui quem fala é da Terra…

Pra variar estamos em guerra…

Você não imagina a loucura…

O ser humano tá na maior fissura…

Os Sapatos… Dos Outros!

Os Sapatos… Dos Outros!

Vestir o sapato alheio pode não ser a mesma coisa que fazer mesuras com bonés alheios, ou seja, “cumprimentar com o chapéu dos outros”! Termo antigo, usado para fazer reverência ao interlocutor. Todos nós já pusemos os sapatos dos nossos pais ou parentes quando éramos crianças. É claro que as “mulherzinhas” tinham um fascínio muito maior do que a curiosidade dos “hominhos”! Sem machismo, que fique bem claro! É que elas são mesmo mais sensíveis do que eles!

O hábito antigo de saudar alguém se tirando o chapéu era denominado chapelada. Tirar o chapéu é um sinal convencional de saudação ou agradecimento, normalmente efetuado apenas pelos homens. Pode ser observado também quando se entra em um templo religioso em sinal de respeito. Quando alguém é homenageado por ações que não praticou, pode-se dizer que fez mesuras com chapéu dos outros.

Há alguns dias escutei, em uma rádio, algo sobre usar os sapatos alheios. Momento Espirita, se não me engano. Os países de língua inglesa usam uma expressão muito interessante para explicar a empatia, “Colocar seus pés nos sapatos dos outros”.

Fui consultar sobre empatia:

O estudo sobre os processos empáticos é relativamente recente, sendo que as primeiras pesquisas científicas conhecidas sobre empatia foram feitas a partir da segunda metade do século XX, embora esse conceito já existisse pelo menos desde o início do século XX.

A empatia é, segundo Hoffman (1981), a resposta afetiva vicária a outras pessoas, ou seja, uma resposta afetiva apropriada à situação de outra pessoa, e não à própria situação. O termo foi usado pela primeira vez no início do século XX, pelo filósofo alemão Theodor Lipps (1851-1914), “para indicar a relação entre o artista e o espectador que projeta a si mesmo na obra de arte”.

Na psicologia e nas neurociências contemporâneas a empatia é uma “espécie de inteligência emocional” e pode ser dividida em dois tipos:

A cognitiva – relacionada à capacidade de compreender a perspectiva psicológica das outras pessoas; e a afetiva – relacionada à habilidade de experimentar reações emocionais por meio da observação da experiência alheia.

Wikipédia.

Começamos a prática desse exercício já em tenra infância, quando colocamos os sapatos maiores que nossos pés. Ao fazermos isso, iniciando nossas vidas, não temos a consciência de estarmos propriamente nos transportando para a personalidade do proprietário dos sapatos. Somente mais tarde, com exercício prático, é que conquistamos a capacidade de suspender provisoriamente a insistência no próprio ponto de vista, e encarar a situação a partir da perspectiva do outro. Pesquisas indicam que a empatia tem uma resposta humana universal, comprovada fisiologicamente. Dessa forma a empatia pode ser tomada como causa do comportamento altruísta, uma vez que predispõe o indivíduo a tomar atitudes não egoísticas. Fico imaginando isso:

Brincadeirinha à parte, o assunto é sério e importante para que possamos entender as diferenças.

Só “calçando os sapatos do outro” saberemos onde o “calo” dói. Assim poderemos compreender e tomar atitudes mais eficazes para consolar e ajudar nossos semelhantes. Sempre julgaremos menos ou, certamente, com menos severidade. Suavizamos o ódio, o rancor e o ressentimento, ficando mais susceptíveis para o perdão.

Em O Óleo de Lorenzo, um filme estadunidense de 1992, do gênero drama, dirigido por George Miller, fica a expressão maior de um ato de amor. Era como se os pais colocassem os sapatos do filho. História real de um casal, Augusto e Michaela Odone, cujo único filho, Lorenzo, começa a apresentar hiperatividade, surdez, desequilíbrio e vários outros sintomas. Os pais do menino não se conformaram com o fracasso dos médicos e com a falta de medicamentos para a doença.  Assim, decidiram estudar e pesquisar sozinhos, na esperança de descobrir algo que pudesse deter o avanço da doença, de caráter hereditário, transmitida geneticamente pela mãe.

Nesse caso triste e ao mesmo tempo lindo, foram os pais que vestiram os sapatinhos do filho!

Na vida real, Lorenzo sobreviveu a sua mãe, Michaela Odone, que morreu em 10 de junho de 2000, vítima de câncer de pulmão. Lorenzo morreu em 30 de maio de 2008 (um dia depois do seu 30° aniversário), em decorrência de uma pneumonia. Ele vivera 22 anos além do que os médicos haviam prognosticado, quando a doença foi diagnosticada. Sua sobrevida foi atribuída ao óleo que seus pais inventaram. Augusto Odone, seu pai, faleceu em 24 de outubro de 2013, de insuficiência cardíaca.

Esse é sem nome… Sem pai… E sem mãe… Quem sabe?

Nunca usou Os Sapatos… Dos Outros! Até aí, nunca pôde “Colocar seus pés nos sapatos dos outros”.

Outros… Mesmo com os sapatos furados… Ainda guardam um pouco da esperança em…

“Colocar seus pés nos sapatos dos outros”.

Meu sapato já furou

Minha roupa já rasgou

E eu não tenho onde morar

Meu dinheiro acabou

Eu não sei pra onde vou

Como é que eu vou ficar?

Eu não sei nem mais sorrir

Meu amor me abandonou

Sem motivo e sem razão

E pra melhorar minha situação

Eu fiz promessa pra São Luís Durão

Quem me vê assim pode até pensar

Que eu cheguei ao fim

Mas quando a minha vida melhorar

Eu vou zombar de quem sorriu de mim

Meu sapato já furou…

Na Moral

Na Moral

Tá ligado? É nóis… Tá me tirando?

Será esse o caminho da “evolução” cultural no Brasil?

Quando nos deparamos com “filósofos” dessa ordem e que já governaram a nação dizendo:

Crise

É uma crise causada, fomentada, por comportamentos irracionais de gente branca, de olhos azuis, que antes da crise parecia que sabia tudo e que, agora, demonstra não saber nada.

Amor

Uma mulher não pode ser submissa ao homem por causa de um prato de comida. Tem que ser submissa porque gosta dele.

Sem contar com afirmações “sábias” como:

Minha mãe nasceu analfabeta!

Ou quando ouvimos de outra cavalgadura da “sabedoria”, na sucessão presidencial da República das Mandiocas, falar e não dizer absolutamente nada, atropelando a língua portuguesa e a lógica, assassinando o verbo em destempero e despreparo:

Pátria Educadora da Presidenta?

Terra curva

Eu, para ir, eu faço uma escala.

Para voltar, eu faço duas, para voltar para o Brasil. Neste caso agora nós tínhamos uma discussão.

Eu tinha que sair de Zurique, podia ir para Boston, ou pra Boston, até por que…

Vocês vão perguntar, mas é mais longe?

Não é não, a Terra é curva, viu?

O que ela queria dizer: Que a escala feita em Portugal na volta de Zurique era justificável.

Estradas de água

Esse país foi descoberto, foi colonizado através das estradas de água.

Essas estradas de água são a forma mais barata de transporte.

O que ela quis dizer: Estradas de água não existem.

Se existissem e o Atlântico fosse considerado uma delas, talvez a referência ao descobrimento fizesse sentido.

Árvores plantadas pela natureza

A Zona Franca de Manaus, ela está numa região, ela é o centro dela porque é a capital da Amazônia (…). Portanto, ela tem um objetivo, ela evita o desmatamento, que é altamente lucrativo – derrubar árvores plantadas pela natureza é altamente lucrativo.

O que ela queria dizer: Que a Zona Franca de Manaus oferece uma alternativa econômica ao desmatamento. Em tempo: Manaus é a capital do Estado do Amazonas.

Chuchar

Nós sabemos, e eu já estive aqui várias vezes antes, que essa é uma cidade arborizada, cercada por rios, e que tem essa interessantíssima característica de ter muitas mangueiras.

De fato, deve ser muito bom morar numa cidade que de repente você pode chuchar uma árvore e cair uma manga na sua mão.

É de fato algo que todo mundo quer, é pegar e ter acesso a uma boa manga.

O que ela quis dizer: O sentido de “chuchar” nesse contexto ainda é um mistério.

Cachorros

É interessante que muitas vezes no Brasil, você é como diz o povo brasileiro, muitas vezes você é criticado por ter o cachorro e, outras vezes, por não ter o mesmo cachorro.

Esta é uma crítica interessante que acontece no Brasil.

O que ela queria dizer: Que os críticos muitas vezes são injustos.

Ciência

E nós criamos um programa que eu queria falar para vocês, que é a Ciência sem Fronteiras.

Por que eu queria falar da Ciência sem Fronteiras para vocês? É que em todas as demais…

Porque nós vamos fazer agora o Ciência sem Fronteiras 2.

O 1 é o 100 000, mas vai ter de continuar fazendo Ciência sem Fronteiras no Brasil.

O que ela quis dizer: A segunda etapa do programa “Ciência Sem Fronteiras” é essencial, apesar de a primeira edição do programa ter atendido 100.000 estudantes. Enquanto eu fico estarrecido com tamanha desenvoltura intelectual ela fala de Cultura!

Criar cultura

A cultura permite isso, permite que a gente perceba como a vida é diversa, e como ela permite que nós sejamos capazes de criar cultura e, como espectadores ou consumidores de livros, de filmes, de curtas, de televisão, enfim, de todas as telas, que a gente sinta uma imensa alegria no coração.

O que ela quis dizer: A cultura nos permite criar cultura e sentir alegria.

Dez mil

O que é 10. 000?

O que ela quis dizer: Que ela prefere manter 150 000 reais em espécie dentro de casa a lucrar 10 000 por ano aplicando esses recursos na poupança.

Bacalhau

O bacalhau é uma moleza de fazer.

Posso falar, é simplíssimo o bacalhau.

Você corta várias coisas, bota uma camada, bota outra, bota, você vai ver o bacalhau… Agora, é sem reclamações, sem reclamações. Tchau. Ah, não, não pode reclamar, porque senão não tem graça.

O que ela quis dizer: Que o bacalhau é uma moleza de fazer.

Corrupção

Não acredito que tenha alguém acima da corrupção. Acho que todo mundo pode cometer corrupção.

O que ela quis dizer: Que é preciso ter mecanismos eficientes para punir corruptos.

SENAI para economista

Eu acho Elizabeth, que seria interessante que você olhasse entre os vários cursos que tem sido oferecido inclusive pelo SENAI.

O que ela quis dizer: Que uma economista com 55 anos de idade deve fazer um curso técnico para arranjar um emprego.

Mano Brown

Assim, como todos merecem a oportunidade de conhecer e se emocionar com as letras pungentes dos raps cantados por Mano Brown, cada homenageado, e cada homenageada dessa edição da Ordem do Mérito Cultural assim como todos que vivem intensamente a sua opção pela cultura merecem nossas homenagens.

O que ela quis dizer: Mano Brown é autor de letras pungentes e os homenageados merecem homenagens.

Submarinos

Essa unidade principal do prédio… Que constitui a unidade principal, o prédio principal desse complexo de estaleiro de construção de submarinos, ela se constitui em mais um passo, mais um passo para fazer aqui o complexo naval de Itaguaí, um verdadeiro polo tecnológico, um polo industrial de imensa relevância para o nosso desenvolvimento, para o desenvolvimento do nosso país.

O que ela quis dizer: Uma explicação cheia de ecos sobre a construção de submarinos.

É verdade Pátria Educadora!

O que dá pra rir… Dá pra chorar!

Seria cômico se não fosse trágico!

Na Moral

Tá ligado? É nóis… Tá me tirando?

Se os líderes da República das Mandiocas detêm tamanha sabedoria e cultura, tendo os “professores” formados por uma esquisita política comunista, não poderia ser diferente no ENEM:

“O calor é a quantidade de calorias armazenadas numa unidade de tempo”.

“O Ateísmo é uma religião anônima”.

“A fé é uma graça através da qual podemos ver o que não vemos”.

“A floresta está cheia de animais já extintos. Tem que parar de desmatar para que os animais que estão extintos possam se reproduzir e aumentarem seu número respirando um ar mais limpo”.

“A ciência progrediu tanto que inventou ciclones como a ovelha Dolly”.

“Os dois movimentos da Terra são latitude e longitude”.

“O dia tem 24 oras, mas 8 delas são noite”.

“Ângulo é duas linhas que vão indo e se encontram”.

“A alimentação é o meio de digerirmos o corpo”.

“Uma tonelada pesa pelo menos 100 kg de chumbo”.

“Lenini e Stalone eram grandes figuras do comunismo na Rússia”.

Depois dessa eu peço pra ir ao banheiro e me retiro do recinto!

Sem antes fazer algumas conjecturas sobre a Pátria Educadora.

Lendo:

Atentei para o seguinte, na contra capa do livro:

Quais são as razões da profunda crise na escola?

É possível encontrar uma espécie de vírus no gene de nossa sociedade e de nosso sistema educacional?

Podemos concluir que é urgente uma redefinição do papel da escola e de suas prioridades?

Inúmeros pais e educadores testemunham, estupefatos, a revolução em curso.

Interrogam-se sobre as profundas mutações que de forma acelerada vêm ocorrendo em nosso sistema educativo.

Porém, nenhum governo, seja de direita ou de esquerda, vem a público esclarecer os fundamentos ideológicos dessas constantes reformas no ensino e tampouco se preocupam em apresentar, de forma clara, as coerências e os objetivos dos métodos adotados.

Mas que ainda tudo nos pareça muito obscuro, podemos encontrar todas as respostas na filosofia da revolução pedagógica, que se expõe, em termos explícitos, nas publicações dos organismos internacionais como a UNESCO, a OCDE, o Conselho da Europa, a Comissão de Bruxelas e tantas outras…

… As técnicas de manipulação psicológica, que não se distinguem muito das técnicas de lavagem cerebral (os grifos são meus), estão sendo utilizadas de forma maciça.

Naturalmente os alunos são as primeiras vítimas; porém, os educadores e também o pessoal administrativo, diretores, pedagogos e até mesmo inspetores, não estão sendo poupados.

Essa revolução silenciosa, antidemocrática e totalitária, quer fazer dos povos meras massas ignorantes e totalmente submissas à classe governante.

Ela ilustra de maneira exemplar, a filosofia manipuladora e ditatorial que tem abrigo na chamada Nova Ordem Mundial. (o grifo é meu e esse assunto é tema para outra análise).

Tal filosofia é imposta por meio de ações sutis e indiretas, porém poderosíssimas, gerando resultados catastróficos à inteligência humana.

Na Moral

Tá ligado? É nóis… Tá me tirando?

Será esse o caminho da “evolução” cultural no Brasil?

República das Bananas

República das Bananas

Ainda guardo na memória ter ouvido dos meus avós a expressão “República das Bananas”. O nome era aplicado a todo país á beira do caos político ou econômico e com governos inoperantes e despóticos.

Era um termo pejorativo que fazia referência a uma nação, geralmente latino-americana, politicamente instável, dependente de uma economia primária, comandada por um governo rico, corrupto, elitista e oligárquico. Enfim, é um termo que vem sendo utilizado desde o início do século XX para caracterizar países em situações caóticas em matéria econômica ou social.

Entre as várias disritmias por onde o Brasil passa hoje, e nas décadas perdidas de subsequentes governos, encontramos um “escândalo” bilionário.

Cantado em verso e prosa na grande maioria dos veículos de comunicação, tanto impressos quanto eletrônicos, a “banana” da vez é o “petróleo”!

O sufrágio majoritário deste ano de 2014 foi repleto de intempéries escandalosas e dividiu a “República das Bananas” em duas partes bem definidas.

República das Bananas

A expressão foi concebida para ser utilizada em uma obra literária de autoria do escritor norte-americano O. Henry (cognome de William Sydney Porter – 11 de setembro de 1862 – 5 de junho de 1910) intitulado “Cabbages and Kings” (Reis e Repolhos). Nesta novela, O. Henry utilizava a expressão “República das Bananas” como uma crítica à fictícia República da Anchúria, que nas palavras do autor era uma “ditadura servil”, que explorava por meio da opressão e da violência a sua população e respectiva mão-de-obra, fazendo de seu país um enorme latifúndio, com especial atenção à produção da banana.  Procurado por fraude bancária pela justiça dos EUA, o autor passou um tempo refugiado em Honduras, onde presenciou as condições difíceis da população local, o que o inspirou sem dúvida nenhuma a compor sua história, bem como o termo que se tornou parte do vocabulário da imprensa mundial a partir de então.

Por Emerson Santiago – infoescola: Navegando e Aprendendo

Na origem do título, a fraude, foi apenas bancária!

Petrobrás! Não vou entrar no mérito dos “bilhões” de dólares que foram “desviados” em propinas e comissões irregulares praticadas pelos gestores desta estatal. Sem contar com as perdas em consequência das péssimas gestões consecutivas.

No momento em que se comemoram os 25 anos da derrubada do Muro de Berlim, barreira física construída pela República Democrática Alemã durante a Guerra Fria, que circundava toda a Berlim Ocidental, separando-a da Alemanha Oriental, incluindo Berlim Oriental, fico pensando sobre a mensagem subliminar instalada nos cerebelos dos brasileiros quando o sufrágio majoritário deste ano de 2014 dividiu a “República das Bananas” em duas partes bem definidas. Postado em várias redes sociais!

Claro que não vejo a menor possibilidade disso acontecer! A formação étnica do Brasil Continental é tão miscigenada que não permitiria tal divisória. Mas o desejo de muitos foi expresso no imaginário coletivo. Pelo mapa, a metade da populaça não tem ideia do que seja a invasão comunista na América Latina. O Foro de São Paulo (FSP) é uma organização criada em 1990 a partir de um seminário internacional promovido pelo Partido dos Trabalhadores do Brasil, juntamente com o cubano Fidel Castro, que convidaram outros partidos e organizações de esquerda da América Latina e do Caribe para discutir alternativas às políticas neoliberais dominantes na América Latina durante a década de 1990 e promover a integração econômica, política e cultural da região. Segundo a organização, atualmente mais de 100 partidos e organizações políticas participam dos encontros. As posições políticas variam dentro de um largo espectro, que inclui partidos social democratas, extrema-esquerda, organizações comunitárias, sindicais e sociais ligados à esquerda-católica, grupos étnicos e ambientalistas, organizações nacionalistas, partidos comunistas e até mesmo grupos guerrilheiros, como as FARC. Estas, entretanto, acabaram por ser impedidas de participar abertamente a partir de 2005.

Com a união dessas ideias e princípios, minha imaginação vai mais longe. Imaginem a República das Bananas renomeada em República da Coca e da Maconha!

A América do Sul tem os três maiores produtores de cocaína do mundo! A Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (JIFE) divulgou em seu Relatório Anual, no qual constata que o tráfico, o crime organizado relacionado às drogas e a violência continuam a serem flagelos para diversos países da América do Sul. Considerado um cultivo milenar na região, a coca é ponto incisivo no estudo. Segundo dados das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), em 2006, a Colômbia era responsável por 50% da plantação mundial de coca, enquanto o Peru produziu 33% e a Bolívia 17%.

No Equador e na Venezuela, já se percebe um aumento do cultivo, mesmo que em pequena escala.

No Peru e na Bolívia houve um aumento no número de hectares plantados, 12,69 mil hectares peruanos e 5,07 mil hectares bolivianos, enquanto na Colômbia houve uma redução, mas o aprimoramento das técnicas de cultivo, de variedades da planta e processamento da coca nos laboratórios clandestinos fez com que essa diminuição não fosse tão significativa. No relatório, a JIFE pediu que o governo boliviano e peruano que “adotem medidas para proibir a venda, uso e exportação da folha da coca que não estejam alinhadas aos tratados internacionais, pois a JIFE se preocupa com o aumento de impactos negativos do cultivo da coca e produção de cocaína na região”. De acordo com o relatório da JIFE, “toda a região está afetada pelo cultivo ilícito em larga escala da coca, da papoula e da cannabis (maconha), bem como a produção e tráfico de drogas”. No ano passado, foram feitas apreensões de cocaína na América do Sul, que correspondem a 40% de toda a produção mundial da droga. O consumo de cocaína pelos sul-americanos está aumentando. A maconha ainda é a droga mais usada na região, mas a busca por tratamento de dependência química é maior entre os usuários de cocaína, 50%, enquanto 26% são buscados por usuários de maconha.

Na América Central, apesar de a região integrar a rota de tráfico internacional, o consumo de cocaína é, segundo o relatório, baixo.

Navios, iates e aviões particulares são os meios de transporte utilizados na rota de tráfico de cocaína América do Sul – África – Europa.

O caminho mais utilizado é a droga que sai da Colômbia e, pelo Brasil, vai para Cabo Verde e Guiné Bissau, de onde seguem principalmente à Espanha e Portugal. Segundo as autoridades de Guiné Bissau, em relatório da UNODC, 60% da cocaína que chega ao país vem do Brasil, e os outros 40% veem direto da Colômbia. O relatório mostrou também o resultado de um recente estudo comparativo sobre o consumo de drogas entre os estudantes. Ainda assim, a estimativa de uso de maconha na América do Sul é 2,3% inferior à média mundial. O Brasil é o único dos países sul-americanos em que a droga ilícita mais usada não é a maconha, e sim os solventes e inalantes. Na Argentina, foi constatado o nível mais elevado de consumo anual de cocaína entre os estudantes, 2,5%.

República da Coca e da Maconha!

Antes de estourarem os arrepiantes horrores de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina… E só o Marcola deverá nos dizer onde mais acontecerá… Vamos fazendo contrabando de bananas para o Paraguai.

(Entrevista dada ao Jornal O GLOBO por “Marcola”, o líder do PCC. Coluna: Arnaldo Jabor).

– Você é do PCC?

– Mais que isso, eu sou um sinal de novos tempos. Eu era pobre e invisível… Vocês nunca me olharam durante décadas… E antigamente era mole resolver o problema da miséria… O diagnóstico era óbvio: migração rural, desnível de renda, poucas favelas, ralas periferias… A solução que nunca vinha… Que fizeram? Nada. O governo federal alguma vez alocou uma verba para nós? Nós só aparecíamos nos desabamentos no morro ou nas músicas românticas sobre a “beleza dos morros ao amanhecer”, essas coisas… Agora, estamos ricos com a multinacional do pó. E vocês estão morrendo de medo… Nós somos o início tardio de vossa consciência social… Viu? Sou culto… Leio Dante na prisão…

Ele já cantava essa bola!

Esse cara é o Marcola!

Pateta e Patetinha

Pateta e Patetinha

Para quem não sabia, o Patetão tinha um filho. Max é um personagem fictício, jovem filho do popular personagem da Disney Pateta. Apareceu pela primeira vez numa curta metragem clássica de “E o vento levou”.

Max é um dos poucos personagens de cartoon, que não possui uma única idade em encarnações anteriores, mas aparece próximo do tempo real. Ele foi descrito com 11 anos de idade em “A Turma do Pateta”, como um adolescente em “A Goofy Movie”, e mais recentemente, em “An Extremely Goofy Movie” e “A casa do Mickey”, como um jovem adulto. É bem diferente do pai, já que é maduro e muito esperto, e sempre fica constrangido na frente do pai, mas mesmo assim, ele adora ter um Pai Pateta. O lema de Disney sempre foi “Keep moving forward” (“Continue seguindo em frente”).

Se Walter Elias Disney, que foi um produtor cinematográfico, cineasta, diretor, roteirista, dublador, animador, empreendedor, filantropo e fundador da The Walt Disney Company, estivesse vivo, eu faria uma sugestão para uma historinha bem “tupiniquim” que se passa por estas paragens surrealistas das Américas constipadas pela corrupção.

Gostaria de deixar bem claro que esta escrita é de ficção e qualquer semelhança com a vida real É MERA COINCIDÊNCIA!

Em 1968, durante a ditadura militar, Pateta filiou-se ao Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema.

Já pensava em montar uma equipe de trabalho.

Pronto! A ideia estava criada e “cumpanheiros” existiam aos montões. Era só começar a escolha.

Pateta não era muito chegado à leitura e trabalho.

Mas como teve infância difícil sempre ensinava o Patetinha pescar! Tanto no “volume morto” da Cantareira quanto em águas profundas da camada de pré-sal!

Embora tenha relutado em filiar-se e candidatar-se, ao Sindicato de Metalúrgicos, pois à época tinha uma visão negativa do sindicato e seu grande hobby era jogar futebol, foi em frente.  O lema de Disney sempre foi “Keep moving forward” (“Continue seguindo em frente”). Apesar de não ter qualquer vivência sindical, já era apontado como uma pessoa com espírito de liderança e com carisma. Convencido a integrar a chapa, sob a influência de seu irmão, Patetópólis da Silva – conhecido como Frei Patéchico, militante do Partido Comunista Penúria e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul Pateta foi eleito, em 1969, para a diretoria do sindicato dos metalúrgicos da cidade, dentre os suplentes, continuando a exercer suas atividades de operário.

Após várias tentativas, em 27 de outubro de 2002, o Pateta foi eleito presidente da Penúria (País fictício situado na América Latrina). No seu discurso de diplomação, Pateta afirmou: “E eu, que durante tantas vezes fui acusado de não ter um diploma superior, ganho o meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu país”.

Embora o Patetinha não existisse ainda, Pateta conheceu Maga Patalógica.

Que já tinha os olhos voltados para enfiar a mão na “grana” do Tio Patinhas.

Maga Patalógica possuía uma “folha corrida” digna dos Irmãos Metralhas!

Em 1967 foi militante da Política Operária (POLOP) nas Minas Gerais. Em 06/10/68 realizou assalto ao Banespa da Rua Iguatemi subtraindo a instituição em Ncr$ 80 mil. Dois meses após, em 11/12/68, assaltou a Casa de Armas Diana na Rua do Seminário, levando 48 armas. Após assaltar o 4º Regimento de Infantaria em Quitaúna – Osasco – SP, participou ainda de assaltos à casa de um governador e ao Banco Mercantil de São Paulo. Era a parceira ideal para dar continuidade aos Projetos de Poder do Pateta.

Já rico e poderoso Pateta mandou até sua cara metade, Clarabela, fazer plástica! Ela já sonhava em comprar uma fazenda para o Patetinha!

Patetinha estava com o futuro garantido.

Antes trabalhava como monitor do Parque Zoológico de São Paulo onde recebia no ano de 2002 um salário de R$ 600,00 por mês. Hoje é um dos maiores e mais ricos empresários da Penúria (País fictício situado na América Latrina) e até o final do ano de 2010 possuía, sem poder, inclusive passaporte diplomático. Dizem, também, que Patetinha é dono de um frigorífico, e que recebeu recentemente do governo Maga Patológica um empréstimo de 30 bilhões de reais. Segundo informações de um empresário de Porto Seguro, e que possui fazenda no Pará, Patetinha só compra boiadas acima de 50.000 cabeças, sendo o maior comprador de gado para abate do Estado.

A Mutação dos Neutrinos

A Mutação dos Neutrinos

Em uma tarde fria e chuvosa nas plagas do sul brasileiro, acendi a lareira e liguei a televisão.

 Estava passando o filme 2012.

2012 é um filme de catástrofe de 2009 dirigido por Roland Emmerich e estrelado por John Cusack, Chiwetel Ejiofor, Amanda Peet, Oliver Platt, Danny Glover, Thandie Newton e Woody Harrelson.

O filme faz referências ao Maianismo, ao Calendário de Contagem Longa e ao fenômeno 2012 em um retrato de eventos cataclísmicos que se desenrola no ano de 2012.

 Na trama, devido a bombardeamentos de erupções solares, o núcleo da Terra começa a aquecer a um ritmo sem precedentes, provocando o deslocamento da crosta terrestre.

 Isso resulta em vários tipos de cenários apocalípticos, que vão desde a Califórnia caindo no Oceano Pacífico, a erupção do supervulcão de Yellowstone, grandes terremotos e vários mega tsunamis ao longo de toda a crosta na Terra, mergulhando o mundo em caos.

 A película centra-se em torno de um elenco de personagens e em como eles escaparem das catástrofes múltiplas em um esforço para atingir alguns navios construídos no Himalaia, junto com cientistas e governos do mundo todo que estão tentando salvar tantas vidas quanto podem antes das catástrofes decorrentes.

Envolto ao tema do filme, em clima frio e chuvoso, nos recentes acontecimentos mundiais onde o ser humano perde gradativamente o senso de equilíbrio, fui atraído para um quadro na parede da minha casa.

É a ilustração da capa desta lavra.

O triste olhar da retratada colhendo folhas, frutas ou sei lá o que, levou-me á uma viagem mental.

Criativo, nominei a tela de:

Colhendo as folhas de setembro!

Óleo sobre tela com espátula pintada por Suzanna Villela em 1975.

Uma infinidade de imagens tomou conta do meu cérebro.

Com tantas notícias mostrando a desordem existente, do micro ao macro, tive meus olhos lacrimejados e uma dor no âmago do meu ser quando deparei com a imagem triste divulgada nos quatro cantos do mundo.

As imagens de um menino sírio morto numa praia da Turquia viraram símbolo da crise migratória que já matou milhares de pessoas do Oriente Médio e da África que tentam chegar à Europa para escapar de guerras, de perseguições e da pobreza.

O mundo enfrenta a pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, segundo organizações como a Anistia Internacional e a Comissão Europeia.

Mais de 350 mil imigrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro de 2015 e mais de 2.643 pessoas morreram.

Cá com meus “botões” fiquei amargando pensamentos e inquirindo sobre os acontecimentos.

A Mutação dos Neutrinos teria alguma coisa com isso tudo?

Partícula elementar da matéria, fantasma ou camaleão, o neutrino pode estar um milhão de vezes mais presente no universo do que cada um dos constituintes dos átomos, mas continua a ser incrivelmente difícil de detectar.

Pesquisando no Diário de Notícias CIÊNCIA encontrei:

O neutrino, que desde os anos 1960 intriga os físicos, é desprovido de carga eléctrica, o que lhe permite atravessar paredes.

 A cada segundo, 66 mil milhões das suas partículas fantasmagóricas atravessam o equivalente a uma unha humana.

 No entanto, um neutrino emitido pelo Sol tem apenas uma hipótese em cem milhões de chegar a Terra.

Emitidos pelas estrelas e pela atmosfera, os neutrinos podem ser criados pela radioatividade dita beta, como a das centrais nucleares. Será culpa da Mutação dos Neutrinos?

  Assim que um próton se transforma num nêutron (eletricamente neutro) ou um nêutron se transforma num próton, esta mutação sucede acompanhada pela emissão de um eléctron negativo ou positivo e de um neutrino (ou de um anti-neutrino).

O comportamento destas partículas imperceptíveis interessa muito aos cientistas, uma vez que permite explicar por que é que o mundo é majoritariamente constituído por matéria e não por anti-matéria, uma vez que as duas deveriam existir em quantidade equivalente depois do ‘Big Bang’.

A observação das “oscilações” de nêutrons, que por vezes se transformam com outras formas, é também um elemento fundamental para a Física.

 Isto porque, para oscilarem, estas partículas devem ter uma massa, o que foi cientificamente estabelecido em 1998, depois de 30 anos de investigação.

“A existência de um modelo que possa explicar por que é que o neutrino é tão pequeno, sem se desvanecer, terá profundas implicações na compreensão do nosso universo, de como ele era, como evoluiu e como eventualmente morrerá”, afirmou Antonio Freditado, físico do Instituto Italiano de Física Nuclear.