A Mutação dos Neutrinos

A Mutação dos Neutrinos

Em uma tarde fria e chuvosa nas plagas do sul brasileiro, acendi a lareira e liguei a televisão.

 Estava passando o filme 2012.

2012 é um filme de catástrofe de 2009 dirigido por Roland Emmerich e estrelado por John Cusack, Chiwetel Ejiofor, Amanda Peet, Oliver Platt, Danny Glover, Thandie Newton e Woody Harrelson.

O filme faz referências ao Maianismo, ao Calendário de Contagem Longa e ao fenômeno 2012 em um retrato de eventos cataclísmicos que se desenrola no ano de 2012.

 Na trama, devido a bombardeamentos de erupções solares, o núcleo da Terra começa a aquecer a um ritmo sem precedentes, provocando o deslocamento da crosta terrestre.

 Isso resulta em vários tipos de cenários apocalípticos, que vão desde a Califórnia caindo no Oceano Pacífico, a erupção do supervulcão de Yellowstone, grandes terremotos e vários mega tsunamis ao longo de toda a crosta na Terra, mergulhando o mundo em caos.

 A película centra-se em torno de um elenco de personagens e em como eles escaparem das catástrofes múltiplas em um esforço para atingir alguns navios construídos no Himalaia, junto com cientistas e governos do mundo todo que estão tentando salvar tantas vidas quanto podem antes das catástrofes decorrentes.

Envolto ao tema do filme, em clima frio e chuvoso, nos recentes acontecimentos mundiais onde o ser humano perde gradativamente o senso de equilíbrio, fui atraído para um quadro na parede da minha casa.

É a ilustração da capa desta lavra.

O triste olhar da retratada colhendo folhas, frutas ou sei lá o que, levou-me á uma viagem mental.

Criativo, nominei a tela de:

Colhendo as folhas de setembro!

Óleo sobre tela com espátula pintada por Suzanna Villela em 1975.

Uma infinidade de imagens tomou conta do meu cérebro.

Com tantas notícias mostrando a desordem existente, do micro ao macro, tive meus olhos lacrimejados e uma dor no âmago do meu ser quando deparei com a imagem triste divulgada nos quatro cantos do mundo.

As imagens de um menino sírio morto numa praia da Turquia viraram símbolo da crise migratória que já matou milhares de pessoas do Oriente Médio e da África que tentam chegar à Europa para escapar de guerras, de perseguições e da pobreza.

O mundo enfrenta a pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial, segundo organizações como a Anistia Internacional e a Comissão Europeia.

Mais de 350 mil imigrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro de 2015 e mais de 2.643 pessoas morreram.

Cá com meus “botões” fiquei amargando pensamentos e inquirindo sobre os acontecimentos.

A Mutação dos Neutrinos teria alguma coisa com isso tudo?

Partícula elementar da matéria, fantasma ou camaleão, o neutrino pode estar um milhão de vezes mais presente no universo do que cada um dos constituintes dos átomos, mas continua a ser incrivelmente difícil de detectar.

Pesquisando no Diário de Notícias CIÊNCIA encontrei:

O neutrino, que desde os anos 1960 intriga os físicos, é desprovido de carga eléctrica, o que lhe permite atravessar paredes.

 A cada segundo, 66 mil milhões das suas partículas fantasmagóricas atravessam o equivalente a uma unha humana.

 No entanto, um neutrino emitido pelo Sol tem apenas uma hipótese em cem milhões de chegar a Terra.

Emitidos pelas estrelas e pela atmosfera, os neutrinos podem ser criados pela radioatividade dita beta, como a das centrais nucleares. Será culpa da Mutação dos Neutrinos?

  Assim que um próton se transforma num nêutron (eletricamente neutro) ou um nêutron se transforma num próton, esta mutação sucede acompanhada pela emissão de um eléctron negativo ou positivo e de um neutrino (ou de um anti-neutrino).

O comportamento destas partículas imperceptíveis interessa muito aos cientistas, uma vez que permite explicar por que é que o mundo é majoritariamente constituído por matéria e não por anti-matéria, uma vez que as duas deveriam existir em quantidade equivalente depois do ‘Big Bang’.

A observação das “oscilações” de nêutrons, que por vezes se transformam com outras formas, é também um elemento fundamental para a Física.

 Isto porque, para oscilarem, estas partículas devem ter uma massa, o que foi cientificamente estabelecido em 1998, depois de 30 anos de investigação.

“A existência de um modelo que possa explicar por que é que o neutrino é tão pequeno, sem se desvanecer, terá profundas implicações na compreensão do nosso universo, de como ele era, como evoluiu e como eventualmente morrerá”, afirmou Antonio Freditado, físico do Instituto Italiano de Física Nuclear.

Céu e Terra

Céu e Terra

Assim é no cristianismo:

“Seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como no Céu”!

Assim é no judaísmo:

Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mélech haolam, hamôtsi lêchem min haárets.

Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D-us, Rei do Universo, que faz sair pão da terra.

William Shakespeare foi um poeta, dramaturgo e ator inglês, tido como o maior escritor do idioma inglês e o mais influente dramaturgo do mundo.

Também citou os mistérios entre o Céu e a Terra!

A frase “Não tanto ao céu, nem tanto a terra” remete-nos ao ato sugestivo de não nos tornarmos extremistas.

Sem exageros, com equilíbrio.

Céu é substantivo masculino. Espaço onde se localizam e se movem os astros.

Parte desse espaço, visível pelo homem e limitada pelo horizonte; firmamento, abóbada celeste.

Terra é o terceiro planeta mais próximo do Sol, o mais denso e o quinto maior dos oito planetas do Sistema Solar.

É também o maior dos quatro planetas telúricos.

É por vezes designada como Mundo ou Planeta Azul.

Nesse ir e vir encontrei meu amigo e poeta acróstico Celso de Macedo Portugal.

Eu estava estancado na penumbra impeditiva de criar ao anunciar em uma rede social:

Preciso doadores de três órgãos para transplante imediato: hipófise, hipotálamo e pineal!

Pedi ao Celso:

Sintetize Céu e Terra!

Ele pensou um instante e mandou a síntese:

Cosmos…

Númeno!

Númeno ou noúmeno (do grego νοούμενoν) é um objeto ou evento postulado que é conhecido sem a ajuda dos sentidos. Na filosofia antiga, a esfera do Númeno é a realidade superior conhecida pela mente filosófica. Também pode ser entendido como a essência de algo, aquilo que faz algo ser o que é.

No entanto, este termo é mais bem conhecido da filosofia de Immanuel Kant.

No kantismo, o Númeno é o real tal como existe em si mesmo, de forma independente da perspectiva necessariamente parcial em que se dá todo o conhecimento humano; Coisa-em-si, nômeno, noúmeno (embora possa ser meramente pensado, por definição é um objeto incognoscível.)

Está ligado, em Kant, à expressão coisa em si, no original Ding an sich, embora a natureza desta relação tenha alguma controvérsia.

O termo é geralmente usado em contraste ou em relação com fenómeno, que em filosofia se refere que aparece aos sentidos, isto é, é um objeto dos sentidos.

Obs.: Por “perspectiva necessariamente parcial” devemos entender por aquilo que ocorre no tempo, portanto Númeno é um real que não depende do tempo para existir, e por isso o conceito de Númeno se opõe ao conceito de fenômeno (‘no kantismo’). Equivale ao real absoluto.

Etimologia: Advém do alemão Noumenon, plural noumena, palavra criada pelo filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804), a partir do grego nooúmena usada por Platão ao falar da ideia, propriamente ‘aquilo que é pensado, pensamento’, neutro plural substantivado de nooúmenos, particípio presente passivo de noéó ‘pensar’

Pensei: Isso é metafísica pura!

Eu viajei entre o Céu e a Terra naquele ínfimo momento!

Em “Acróstico em Verso” do Celso de Macedo Portugal pude resgatar parte:

A dúvida

Diante da incerteza

Única da verdade

Vejo com clareza

Ilação e alacridade

Duvidar é cegueira

Ao descrer da realidade!

Os opostos Céu e Inferno lembraram-me da afirmação de alguns filósofos:

“O Inferno é aqui na Terra”!

Resgatei a banda Barão Vermelho:

Foi decretado

Estado de calamidade social

Agora já se paga os pecados

Com carnê mensal

O inferno é aqui

E não adianta, nem tentar fugir

O preço que se paga é alto

Para existir

Na rua

O povo todo traz na cara

A insatisfação

Já não sorriem

Tolos miseráveis

Filhos da nação

O último a sair

Que apague a luz

E desça da cruz

Com tempo pra fugir

Em direção a um futuro

Que não terá fim

Por outro lado, em contrapartida, encontrei o grande fotógrafo e ambientalista francês, Yann Arthus-Bertrand, que há mais de 20 anos viaja sobre os céus ao redor do mundo, capturando com seus clicks a beleza da Terra e sua fragilidade, em uma tentativa de protegê-la das destrutivas mãos dos homens.

E eu fico cá com meus desenhos entre o Céu e Terra!

…o Sol, girando na axial, escalava a montanha ou desabava rumo ao mar…

O Indefensável

O Indefensável

Transcrevo a tradução de um vídeo que recebi em uma rede social.

O mundo está contra o Islã?

Brigitte Gabriel é uma jornalista conservadora americana, conferencista política nascida em Marjayoun no Líbano e com dupla nacionalidade – Libanesa e Americana.

Leiam a resposta de Brigitte Gabriel a uma estudante Muçulmana em um painel no Congresso Norte-Americano para a Verdade:

Questiona a estudante Muçulmana:

Salaam aleikum! Paz á todos vocês!

Meu nome é Saba Ahmed!

Sou uma estudante de Direito da American University.

Estou aqui para fazer uma pergunta simples á vocês.

Sei que nós retratamos o Islã e todos os muçulmanos como maus, mas há 1,8 bilhão de muçulmanos seguidores do Islã, temos mais de oito milhões de muçulmanos neste país e eu não os vejo representados aqui.

Mas minha pergunta é:

Como podemos travar uma guerra ideológica com armas?

Como podemos terminar essa guerra?

A ideologia jihadista de que vocês falam é uma ideologia.

Como podemos vencer essa coisa se você não endereçá-la ideologicamente?

A resposta de Brigitte Gabriel veio de imediato e sem titubear:

Ótima pergunta!

Eu estou tão feliz que você está aqui e estou muito feliz que você levantou essa questão, pois nos dá a oportunidade para responder!

O que eu acho incrível é que, desde o início deste painel nós estamos aqui para tratar do ataque às nossas pessoas em Benghazi e nem uma pessoa mencionou “muçulmanos”, que estamos aqui contra o Islã ou que estamos lançando uma guerra contra muçulmanos!

Estamos aqui para discutir como quatro americanos morreram e o que o nosso governo está fazendo.

Não estamos aqui para falar mal de muçulmanos.

Você foi quem levantou a questão sobre muçulmanos, não nós!

Mas já que você levantou, permita-me elaborar minha resposta.

Há 1,2 bilhão de muçulmanos no mundo de hoje.

Claro que nem todos são radicais!

A maioria deles é de pessoas pacíficas.

Os radicais são estimados entre 15% a 25%, de acordo com todos os serviços de inteligência ao redor do mundo.

Restam 75% de pessoas pacíficas.

Mas quando você considera 15% a 25% da população muçulmana você está olhando para 180 milhões a 300 milhões de pessoas dedicadas à destruição da civilização ocidental.

São tão grandes quanto os Estados Unidos.

Então, por que deveríamos nos preocupar com os radicais – 15% a 25%?

Porque são os radicais que matam!

Porque são os radicais que decapitam e massacram!

Quando você olha através da história, quando você olha a todas as lições da história, a maioria dos alemães era pacífica.

Mesmo assim os nazistas conduziram a agenda.

E, como resultado, 60 milhões de pessoas morreram, 14 milhões em campos de concentração, seis milhões eram judeus.

A maioria pacífica foi irrelevante.

Quando você olha para a Rússia, a maioria dos russos era pacífica também.

Mesmo assim os russos foram capazes de matar 20 milhões de pessoas.

A maioria pacífica foi irrelevante.

Quando você olha para a China, por exemplo, a maioria dos chineses era pacífica, também!

Mesmo assim os chineses foram capazes de matar 70 milhões de pessoas.

A maioria pacífica foi irrelevante.

Quando você olha para o Japão antes da Segunda Guerra Mundial, a maioria dos japoneses era pacífica, também!

Mesmo assim, o Japão foi capaz de abrir seu caminho como um açougueiro através do Sudeste Asiático matando doze milhões de pessoas, a maior parte delas com baionetas e pás.

A maioria pacífica foi irrelevante.

Em 11 de setembro nos Estados Unidos, nós tínhamos 2,3 milhões de muçulmanos árabes vivendo nos Estados Unidos.

Bastaram 19 sequestradores, 19 radicais, para colocar a América de joelhos, destruir o World Trade Center, atacar o Pentágono e matar quase três mil americanos naquele dia.

A maioria pacífica foi irrelevante.

Logo, por todos os nossos poderes da razão e nós falando sobre muçulmanos moderados pacíficos, estou feliz que você está aqui, mas onde estão os outros se manifestando?

Já que você é o único muçulmano representado aqui…

(Aplauso da plateia!).

Guardem os aplausos para o final.

Já que você é o único muçulmano representado aqui…

E já que você é a única muçulmana representada aqui, você aproveitou a oportunidade e, em vez de falar sobre por que nosso governo…

Eu estou assumindo…

 Você é americana?

Você é uma cidadã americana?

Então, como uma cidadã americana, você sentou neste recinto e, em vez de se levantar e perguntar algo sobre nossos quatro americanos que morreram e o que o nosso governo está fazendo para corrigir o problema, você se posicionou aí para defender a ideia de “muçulmanos moderados pacíficos”!

Eu queria que você trazido dez com você para perguntar como podemos fazer nosso governo responder por aquilo!

Está na hora de pegarmos o “politicamente correto” e jogá-lo no lixo!

Que é onde isso merece estar.

Porém, a tentativa de defender atos extremos existe tanto de um lado quanto do outro.

E a verdade, você sabe!

Algum inconformado que assina como Eduardo Hernandez Fortes imediatamente postou sua opinião em baixo do vídeo:

Achei uma merda de discurso.

 Eu sou ateu e como praxe, vivo dois pontos:

A dificuldade em aceitar os religiosos, e a dificuldade que tem os religiosos em aceitar o meu ponto de vista.

 Agora vai começar uma época discriminatória terrível para os muçulmanos, e esta senhora está colérica citando o nazismo e muitos outros massacres.

Ela, entretanto, esqueceu-se de mencionar que o tal povo americano jogou duas bombas nucleares contra cidades japonesas, devastando basicamente civis.

 Os cristãos foram responsáveis, por exemplo, somente por um período conhecido como Idade das Trevas.

 Enfim, a galera tá discutindo com ódio aos muçulmanos, e sequer sabe, por exemplo, o que significa o ramadã (período sagrado em que os muçulmanos jejuam em solidariedade às pessoas que passam fome no mundo).

 Ou sequer sabem o que significa islamismo (abandono às coisas materiais).

Agora o ser humano é assim e se esquece de uma coisa tão básica:

 “A exceção de uma guerra perdida, não existe nada mais triste que uma guerra ganha.”

Infelizmente somos isso:

 Guerra se combate com guerra, ódio com ódio, fúria com fúria…

 E assim caminha a humanidade.

Obs.: Fiz correções gramaticais e gráficas no texto do “mancebo” defensor “ateu” da causa.

Ateu?

Quem sabe um sonhador romântico?

Fiquei na minha aguardando outras manifestações mais inteligentes.

E veio em seguida.

Aline Villa Nova Bacurau respondeu:

 A meu ver, o único problema é que não existe conversa com esses radicais…

E a MAIORIA que não se julga radical se cala.

Onde estão os líderes repudiando os acontecidos?

 Qual seria a sugestão para acabar com essa barbárie?

Aline Villa Nova Bacurau continuou respondendo ao “ateu”:

Você se submeteria as leis do EI?

 Você ateu aceitaria isso ou a morte?

 Para eles VOCÊ é um pecador.

 Isso entre eles eu respeito, porque é cultura deles, mas bem longe de nós…

Meu amigo Rogerio Costa com o humor de sempre postou:

Tirando petistas, respeito qualquer um.

KKKK!

Outro amigo, Luciano Nader foi mais discursivo sobre a postagem do “ateu”:

Respeito seu ateísmo, mas não podemos compará-lo a intolerância religiosa.

Seria como fazer uma comparação entre Bíblia e Corão, relativizando as coisas em benefício do Islã.

Há passagens BÉLICAS no Livro judaico-cristão, sim, mas nem o cristianismo nem o judaísmo sustenta a ideia de uma guerra santa em nome de Javé.

Já o corão é usado por todo muçulmano, terrorista ou não, como argumento para atacar o ocidente, por diversos meios.

Portanto, seria eu dizer que ambos os livros podem ser desvirtuados e justificar a violência, não é uma linha lógica e historicamente defensável.

Se tivessem detido Hitler em 1936 ou 1938, possivelmente a guerra seria evitada, mas deixaram o cara crescer, sempre em nome da paz e dos “direitos” que os Aliados reconheciam nas ousadias dos nazistas.

 Deu no que deu.

 O Islamismo é a mesma coisa.

Muçulmano odeia cristão, ATEU, ou quem quer que seja que não concorde com sua religião medieval, violenta e implacável que busca destruir os infiéis, ou seja, todo mundo que NÃO SEJA MUÇULMANO, sim senhor!

Pois eu os considero inimigos e ponto final.

Não os quero como vizinhos, como amigos, como imigrantes.

Quero-os bem longe daqui, preferencialmente que se matem lá pelo oriente médio, ou África mesmo.

Podemos muito bem passar sem essa gente por perto.

Acha que isso é xenofobia?

 Entre no Youtube e vejam as barbaridades que esses fanáticos praticam na França, na Inglaterra, e depois me responda.

Imagine Eduardo, esses extremistas muçulmanos que possuem diversos “ódios” com relação à França, entre muitos: destacamos o grande liberalismo “imoral”, permissivismos diversos, cultos à orgia, e outros aspectos que os radicais extremistas simplesmente não toleram, em função da degradação moral e atentado aos princípios familiares muito considerados por esses extremistas,

E OS QUE JÁ VIVEM aqui no Brasil?

 São milhares de muçulmanos.

Quando essa comunidade apresentar alguma expressividade quantitativa será que tolerarão o “Bordel” a céu aberto que é este país?

Senão vejamos algumas coisas que atingirão frontalmente essa comunidade – Carnaval e suas Mulheres Nuas, Parada Gay, Marcha das Vadias, Bicicletada Sexy, Virada Pornográfica, Marcha da Maconha, Novelas e seus Exércitos de Gays, Funkeiras altamente sensuais, Peladões pelas ruas, Doutrinação do Gênero e Kits Gays em nossas escolas, enfim, e outras modalidades, infelizmente, imorais e altamente ofensivas e inaceitáveis aos Muçulmanos radicais.

Imagino que seja algo que teremos que começar a pensar imediatamente, um terrorista não manda avisos, A QUESTÃO MAIOR INDEPENDE de você ser ateu, eu católico, sicrano evangélico, beltrano judeu… Qualquer religião que não a deles, precisa ser eliminado…

E o vídeo do líder dos atentados puxando os corpos naquela 4X4 e dando risada?

Para não relatar toda a polêmica interminável de…

 O Indefensável…

Deixo uma mensagem cantada em prosa e verso!

Haverá um tempo em que ouviremos um chamado!

Quando o mundo deverá se juntar como um só!

Há pessoas morrendo!

E é tempo de emprestar uma mão para a vida!

Esse é o maior presente de todos!

Nós não podemos continuar fingindo todos os dias!

Que alguém, em algum lugar, irá em breve fazer a diferença!

Nós somos toda a parte da grande família de Deus!

E a verdade, você sabe!

Amor é tudo o que precisamos.

CHURRASCO NA LAJE

CHURRASCO NA LAJE

Jean-Jacques & Emeline Gauer com algum alemão ao lado falando com o cachorrinho abaixo à esquerda.

Proprietários do Scweizerhof Bern – GAUERGHOTEL, onde fiz minha exposição de desenhos como já divulguei em artigo anterior. Hoje eles aumentaram a rede hoteleira e investimentos.

Lausanne Palace & Spa

Situado no coração de Lausanne com vista para o lago de Genéve e para os Alpes.

O casal não deixou de ser meu MECENAS também, como citei no artigo “MECENATO”. Bancaram toda exposição e os nobres convites às personalidades como Roman Polanski e Elizabeth Taylor, hospedes tradicionais. Como retribuição e gentileza de minha parte, fiz o portrait da Emeline sem cobrar um tostão sequer… kkk

Emeline Gauer Bern 83 

Jean-Jacques gostava de contar piadas.

Eram sempre as mesmas.

-Marco, você conhece aquela do Belga que foi comprar carne? (Os franceses, suíços, italianos e, quem sabe, toda Europa estão para os belgas como o Brasil está para Portugal).

Os Belgas lá são os portugueses cá!

-Não Jean-Jacques, qual?

-O belga era sempre chacoteado pelos parisienses.

Com a devida fama de “sonsidade”.

 Cansado das chacotas foi passar um ano em Paris para se tornar um verdadeiro francês. Fez curso de dicção, mandou confeccionar terno com corte de alfaiate famoso, estudou gestual e passou a pensar (segundo ele) como um verdadeiro parisiense.

Quando foi comprar carne, entrou direto para o balcão de um estabelecimento comercial e pediu um quilo de carne.

Imediatamente o balconista olhou para ele e perguntou:

 “O senhor é belga né”?

O belga ficou estupefato e retrucou:

 Como assim?

Não estou falando como um verdadeiro francês?

Sim, respondeu o interlocutor.

Não estou vestido como um verdadeiro parisiense?

Sim respondeu o vendedor.

Então, como sabe que sou belga?

Meu caro senhor, com o devido respeito, aqui não é um açougue…

 É uma SAPATARIA! 

A outra é mais velha e manjada.

Para fazer amor, falamos em italiano.

 Para fazer negócios falamos em Inglês.

 Para sermos gentis falamos em francês e com nosso cachorro falamos em Alemão! Quáquáquá!

Quando me mudei para a periferia de Berna, Kirchlindach, uns 4 km do centro de Berna, passeava num bosque lindo a 18º negativos.

Parecia filme do Walt Disney.

Esquilos pulando de galho em galho e desprendendo flocos de neve que brilhavam como diamantes suspensórios aéreos.

 Que fique bem registrado:

 EU NÃO USAVA DROGAS.

Era o cenário de desenho animado.

 Carneirinhos deixando a grama bem podada!

Kirchlindach

Nos finais de semana, como ninguém é de ferro, ia até Gstaad raspar a bunda na neve como exímio esquiador.

Dois metros e meio era o percurso máximo que eu conseguia ficar em pé. Ficava hospedado num chalé de uma amiga vizinha do Ivo Pitangui.

Chalés onde os vinhos eram colocados no lado de fora das janelas para ficarem na temperatura ambiente. Casinha do Pitangui na 1ª foto.

Como a gente precisava comer, fui ao alto da estação de inverno fingindo que era um vero italiano.

Manja! Manja que te fa benne!

Depois de estar quase ambientado no pequeno país, fui descobrir um pouco do patrimônio histórico.

A rua abaixo, fotografada do alto da catedral de Berna, foi morada do endoidecido Albert Einstein.

O Jogo de telhados agasalhou a teoria da relatividade.

Foto – Marco Alzamora

Albert Einstein, cidadão suíço.

Albert Einstein, que deu nova perspectiva filosófica e científica ao mundo, viveu vários anos na Suíça.

A casa em Berna, onde elaborou a famosa teoria da relatividade, tornou-se um museu muito visitado.

O museu fica na Kramgasse, n° 49, em pleno centro de Berna, na casa onde o cientista viveu 7 anos.

Esses anos berneses foram dos mais fecundos na vida do cientista. Não é por acaso que a teoria da relatividade nasceu na capital suíça.

“Como foi bonito, meu período em Berna”, escreverá um dia o Prêmio Nobel em suas memórias, quando já se tornara uma espécie de símbolo universal da aspiração do homem ao conhecimento.

Parece que Einstein gostava muito dessa cidade tranquila, das longas arcadas sob as quais passeava, com chinelos verdes, perdido em cogitações.

Fonte: swissinfo, R. Rossello/O.Panchaud (Tradução de J.Gabriel Barbosa).

Indo de um lado para o outro, a caminho de Liechtenstein, fiquei uma semana numa fazenda em Lucerna, precisamente em Ruswil, onde em troca de hospedagem e tortas schartswald (floresta negra), feitas com chocolates nacionais, eu pintei um mural na parede que separava o estacionamento do casarão e o chiqueiro.

 Chiqueiro com assepsia. Tudo em aço inoxidável e brilhando de tão limpo.

Painel em Hüswil – Zell – Schweizerland – Marco Alzamora

Após ter visto muita Ferrari e Rolls-Royce no Principado de Liechtenstein:

Fui passear pelas rodovias vicinais degustando o cardápio regional e assistindo aos passeios do Clube do Rolls-Royce formado por cidadãos da classe média proprietários dos mais variados modelos e anos de fabricação.

É mais ou menos como o Club dos Opalas em Astorga, no interior do Paraná!

Paisagem vista da estradinha onde os Rolls-Royce desfilam.

Fotos Marco Alzamora

Aqui ficou clara a observação que o mundo todo faz:

“Os suíços varrem a paisagem”!

Ao lado da casa maior, é habito e costume, se construir uma casinha menor que se chama stöckli, para acomodar os filhos quando se casam.

Eles ficam por um tempo morando ali.

Cada um com seus “pobrema” né?

Quando eu falava que estava morando na Suíça, os italianos diziam que eu era velho e acomodado.

 Que país sem graça e sem sal!

Tudo é muito certinho e o ônibus para no ponto às 11h22min: 33seg e milésimos escambau!

Aí, “piquei a mula” da Suíça e fui jogar francos suíços na Fontana.

A esperança era a de conseguir todos os meus desideratos.

Da Itália fui para a Grécia e da Grécia para o então recentemente institucionalizado o novo Estado do Tocantins.

Antropologia perde! Lá, no norte velho de Goiás, passei a “grunhir”:

Fui fazer churrasco e uma gambira de baixo dum pé de manguba!

Mas isso é papo para outra hora.

Enchi de moedinhas o meu bolso e de esperanças…

 Minha cabeça!

De tanto me perguntarem se eu não havia feito o auto-retrato, esculhambei com a essência d’alma homenageando os meus pares:

Então, antes de retratar-me…

Fui fazer política, pintei minha cara…

E fui comer CHURRASCO NA LAJE!

Os Gatos e… As Tribos de Israel

Os Gatos e… As Tribos de Israel

Assim começou minha jornada pela Terra Santa!

Realizando o sonho da minha mulher em estar mais próxima dos netos sabras, começou a grande maratona!

Com o calor infernal do verão, fomos mudando de casa em casa até conseguirmos um apartamento mais definitivo para alugar.

Lembrei-me do meu avô José Alzamora quando dizia “Isto é uma Massada”, referindo-se a uma caminhada cansativa.

Massada, que, provavelmente, significa “lugar seguro” ou “fortaleza”, é um imponente planalto escarpado, situado no litoral sudoeste do Mar Morto.

 O local é uma fortaleza natural, com penhascos íngremes e terreno acidentado.

Imagino que a expressão fosse usada pela dificuldade do acesso até lá.

Penso que a minha decisão em mudar radicalmente o “rumo da prosa” ou “zona de conforto”, objeto de assumir essa empreitada, foi uma grande expectativa de encontrar “lugar seguro” ou “fortaleza”!

Assim seja!

Que a “paz profunda” esteja confirmando o Salmo 32:8:

Instruir-te-ei e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos”.

Embora não seja judeu de nascimento, minha alma é judaica.

Invoco a famosa frase na língua alemã:

“Alles zu seiner zeit”!

“Tudo ao seu tempo”!

Tenho que ter paciência para continuar essa grande jornada.

Entre um lindo por do sol e o nascer de uma esplendorosa lua, minha cabeça gira em infinitos megabytes!

Conseguimos um bom apartamento perto da praia de Rishon Lezion ao sul de Tel Aviv.

Como a maioria das edificações, são péssimas as instalações hidráulicas e elétricas.

Não existe mão de obra boa por estas bandas.

Não há manutenção em quase tudo.

Cheguei a pensar:

“É o fim da picada”!

Mudar de casa na mesma cidade já é cansativo. Mudar de um país para outro… Imaginem!

Embora tivéssemos a ajuda de muitos amigos na Terra Santa e muito bem atendidos pelos serviços públicos, nossa ansiedade e angústia não se acalmam.

Vale o sorriso de alegria da minha mulher quando está perto dos netos.

Vale ver o por do sol na praia.

Foto tirada pela minha mulher em um mágico final de tarde em Rishon Lezion!

Vale estar em um país onde se pode deixar a bolsa em qualquer lugar e não ser furtada.

Ok! Vamos discorrer sobre Os Gatos e… As Tribos de Israel.

Praticando uma das matérias que estudei na Faculdade de Arquitetura, mergulhei na fascinante cadeira acadêmica Semiótica Arquitetônica.

Busquei também outra extensão cultural para completar a observação, Sociologia Urbana.

A frase “Quem não tem cão caça com gato” não se aplica na maioria dos Distritos de Israel.

Grande parte dos habitantes possui um cão.

Os gatos estão por toda a parte… Até descansando em um colchão.

Em polêmica questão de castrar os felinos vadios onde, nos últimos anos, mais de 100 mil foram castrados e esterilizados pelas autoridades, está longe de ser uma praga comparável às que se abateram sobre o Egito quando Ramsés se recusou a ouvir Moisés.

Porém, quando o sol se põe, a sinfonia nas ruas da Terra Santa soma-se ao bater das mesas e o barulho dos talheres para o jantar.

Os sons se completam com as canções judaicas e do topo do minarete o muezim (encarregado de anunciar em voz alta) chama os muçulmanos para oração.

Enfim, os gatos, segundo a tradição local, foram trazidos pelos britânicos para pôr fim a uma praga mais próxima das do Antigo Testamento: ratos.

Hoje é difícil avistar um nestas ruas da Terra Santa.

Vamos ás Tribos de Israel!

Sentados numa famosa esquina próxima a prefeitura de Tel Aviv, frente à praça onde foi assassinado Yitzhak Rabin, começamos a reparar os diversos tipos humanos que vagueavam pelas calçadas e ruas.

Todas as Tribos de Israel estavam ali representadas.

Só pra lembrar:

Tribo de Israel (do hebraico שבטי ישראל) é o nome dado às unidades tribais patriarcais do antigo povo de Israel e que de acordo com a tradição judaica teriam se originado dos doze filhos de Yaacov (Jacó), neto de Abraham (Abraão).

O sentido de tribo, na Torá, não se refere ao sentido comum de tribo de povos primitivos ou pré-modernos, como as antigas tribos africanas ou as antigas tribos ameríndias, mas sim ao sentido de clã familiar, que é uma forma de organização que vigorou e vigora, sobretudo na Europa Ocidental. As doze tribos teriam o nome de dez filhos de Jacó.

As outras duas tribos restantes receberam os nomes dos filhos de Yossef (José), abençoados por Jacó como seus próprios filhos.

Os nomes das tribos são: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Zebulom, Issacar, Dã, Gade, Aser, Naftali, Benjamim, Manassés e Efraim.

Apesar desta suposta irmandade as tribos não teriam sido sempre aliadas, o que ficaria manifesto na cisão do reino após a morte do rei Salomão.

Com a extinção do Reino de Israel ao norte, as dez tribos desapareceriam exiladas por Sancheriv rei Assirio.

As outras tribos restantes (Judá, Benjamim e Levi) constituiriam o que hoje se chama de judeus e serviria de base para sua divisão comunitária (Yisrael, Levi e Cohen).

As “Doze Tribos”, levando em consideração que os filhos de José (Manassés e Efraim), que foram considerados parte das tribos de Israel ficando no lugar de Levi e José na posse de terras, por seu avô Jacó, considerá-los como seus próprios filhos, formando assim, as doze tribos de Israel.

Wikipédia.

Em Israel cada um se veste como quer sem dar a menor importância pela opinião dos outros.

Não importa se jovem ou idoso.

Tem de tudo.

As bicicletas motorizadas e outros equipamentos de movimentação motora circulam nas calçadas e ruas de toda Tel Aviv.

Tem senhora idosa com cabelo vermelho, azul e verde.

Tem meninas e meninos com tatuagens e piercing no nariz e em todas as partes do corpo.

Uns andam descalços e outros com botas em pleno verão.

São tribos que escolhem seus estilos!

Tem gente muito esquisita nessa praça! Hehehe!

Olha a cabeleira da Zezé ao fundo!

É muito divertido estudar antropologia com aulas presenciais na urbe prometida pelos antigos sábios do Sion!

Na parte religiosa também se observa divisões de indumentária e postura como hábitos tribais.

A Eternidade do Infinito!

A Eternidade do Infinito!

Num momento de elucubrações com meu amigo “Juan Campesino”, responsável pela divulgação de um blog, quando conversávamos sobre física e metafísica, química e alquimia, recebi postagem da minha filha Renata que, retornando do Chile, fez a linda foto da capa desta lavra.

Enlevado na “prosa” com o amigo e vislumbrado no “clique” da fotógrafa, resoluto, mergulhei no Universo Curvo de Einstein.

A quarta dimensão. O espaço, pela relatividade, é curvo, e não plano. Por isso, todas as trajetórias são “tortas”.

Até a da luz.

Na Física clássica, o espaço tem três dimensões – altura, largura e profundidade. A relatividade acrescenta uma quarta, o tempo.

Segundo essa teoria, de Albert Einstein, o espaço é deformado pela presença de objetos com muita massa, como as estrelas e os planetas, cuja gravidade interfere na trajetória de qualquer corpo em movimento. Nem mesmo a luz viaja em linha reta pelo espaço. Revista Super Interessante.

Após ter me enviado um artigo que discorria sobre “Partículas Telepáticas”…

A conversa começou assim:

Não é a mesma coisa que o efeito borboleta?

 Ou melhor, amai ao próximo como a ti mesmo?

 Pois o próximo é você mesmo.

 Marco está tudo interligado, penso eu.

Respondi de “bate pronto”:

Luigi (Juan Campesino),

Efeito borboleta é um termo que se refere à dependência sensível às condições iniciais dentro da teoria do caos. Este efeito foi analisado pela primeira vez em 1963 por Edward Lorenz. Segundo a cultura popular, a teoria apresentada, o bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo.

Física foi uma das matérias que mais me cativou na tenra escola! Metafísica foi uma faculdade que cursei até certo grau avançado! Nunca fui bom de Química, mas pela metafísica galguei algo da alquimia. Colocar isso tudo em fórmulas é um exercício de estudiosos obcecados. A excelente conjectura do artigo que você enviou rabisca alguns encontros da física e da química. Ambas as ciências em suas respectivas evoluções nos remetem á metafísica e a alquimia. Desde criança fui induzido aos exercícios de comando mental e da telepatia.  Meu avô materno era um estudante de hipnose chegando ao elevado grau da letargia! Enfiava uma agulha de tricô no braço e, sem dor, retirava-a estancando o sangramento. Somos todos sensíveis a hiperestesia direta ou indireta do pensamento, que é a pré-cognição. Muitas vezes temos a visão de algo que vai acontecer, ou a sensação que remete ao evento. É louvável explicar certos fenômenos pela ciência convencional, porém, a intuição e conhecimentos similares ainda não puderam ser colocados em fórmulas físicas materializadas.

A telepatia era utilizada por astronautas e paranormais russos e americanos para fazerem contatos com a Terra no momento em que a nave espacial encontrava-se atrás da Lua e os instrumentos de comunicação só funcionavam com ondas hertzianas. Elas não atravessam obstáculos sólidos.

Daí, as ondas mentais faziam às vezes de tais ondas e a comunicação era telepática.

Enfim…

O mundo não sabe que na NASA já existe, há muitos anos, corpos de marcianos e outros “alienígenas”. Esse é um tema interessante para um novo artigo.

O pensamento pode ser mensurado e captado sim. Quando escrevi o “Chip do Chimpanzé” ou “Não te Contei Não?”, eu estava pensando nisso. Vamos continuar “batendo essa bola”!

Vai dar Samba do Crioulo Doido.

O pensamento se propaga no vácuo?

Ato contínuo veio à resposta:

Eu penso que se propaga sim. Pois acredito que o vácuo não existe, como não existe o número zero.

Os árabes ou indianos, colocaram o desenho “0” dizendo que ele estava esperando ser preenchido.

Ora, toda espera gera algum tipo de força, portanto vácuo é zero e não existe.

Abraços. Luigi

Ri e respondi:

O número 8 deitado é infinito?

Lá veio ele com outra elucubração:

Para mim o número 8 deitado é o código do DNA. Como acredito que o universo é curvo e não se expande. O número 8 deitado é a espiral, do começo e do fim. Os cientistas falam que sim, mas se eu olhar o universo de um ponto diametralmente oposto da terra, eu poderia dizer que o universo está encolhendo. Acontece que os buracos negros engolem galáxias, mas estas são repostas, dando a impressão que o universo se expande. Funciona como um moto contínuo, esse sim, infinito.

Pensei cá com meus botões: Vou dar “trela” a esse “papo maluco”… Respondi: São dois zeros emendados! Tanto na horizontal quanta na vertical. O círculo mostra o ciclo do “ir e vir”! VIDA & MORTE & VIDA & Oito infinitamente! Dizem que nosso ciclo encerra com mil reencarnações! Depois… ETERNIDADE!

Encerrada a conversa geradora desta “viajem lisérgica” sem uma gota sequer do famoso LSD – Que é a sigla de Lysergsäurediethylamid, palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico, sendo uma das mais potentes substâncias alucinógenas…

E sem “O soma” que era a droga que os personagens do livro Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley utilizavam a fim de que eles nunca ficassem tristes!

Fui dormir pensando nas “reencarnações”. Não acredito que foi por acaso, porém, ao ser despertado as pressas por minha mulher que possui ojeriza a seres alados, eu fui solicitado para afastar uma enorme borboleta com envergadura das asas por volta dos 15 centímetros, onde pousava tranquilamente em uma das paredes do seu escritório. Gastei quase meio conteúdo de inseticida de óleo de eucalipto! A borboleta se debateu toda e não morreu! Saiu voando pela janela! Acho que ela também não cumpriu ainda as encarnações todas. Mas ela deve ter ficado bem “alegrinha” com o “banho” de química. Se as borboletas pensam, esta protagonista matinal deve ter lembrado o Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley.

 O símbolo do Infinito lembra a forma da Borboleta…

Infinito é um adjetivo que denota algo que não tem início nem fim, ou que é inumerável. É também um nome que representa o que não tem limites. Usado em sentido figurado pode significar Deus, o Absoluto ou o Eterno. Eterno é aquilo que não tem fim! Então a Eternidade deve ser a mãe do Infinito! Assim sendo… Ambos viverão Felizes para Sempre!

E o Universo é uma Eterna Poesia!

Assim como o oceano… Só é belo com luar

Assim como a canção

Só tem razão se se cantar

Assim como uma nuvem

Só acontece se chover

Assim como o poeta

Só é grande se sofrer

Assim como viver

Sem ter amor não é viver

Não há você sem mim

Eu não existo sem você

Vinícius de Moraes

Umbanda

Umbanda

Sincretismo

Como estudante de metafísica sempre fui um buscador e inquiridor sobre as Forças da Natureza e a Origem do Universo.

O termo Universo pode ser usado em sentidos contextuais ligeiramente diferentes, denotando conceitos como o cosmo, o mundo ou a natureza.

Mas… Aí é que tá o travo da trova!

A força do pensamento pode mover a matéria?

Estudei e frequentei várias Sendas Místicas por onde andei…

 Seguindo em frente!

Muitas vezes dando dois passos para trás!

Assim caminha a humanidade.

Fiz oferenda á Iemanjá nas praias do Rio Vermelho em Salvador quando morava em Itapuã.

Visitei o espaço místico da famosa Mãe Menininha do Gantois.

Já fui ao Terreiro de Umbanda do Pai Maneco em Curitiba.

Em todas as passagens por estes lugares, apreciei os ricos rituais em movimentos aos sons de músicas embaladas com percussão peculiar.

Movimentos cósmicos invadiram meu cérebro e meu corpo…

Seguindo em frente!

Etimologicamente a Umbanda ou “embanda” são oriundas da língua quimbunda da Angola, significando “magia”, “arte de curar”.

Há também a suposição de uma origem em um “mantra” na Língua adâmica cujo significado seria “conjunto das leis divinas” ou “Deus ao nosso lado”.

Formada no início do século XX no sudeste do Brasil a partir da síntese com movimentos religiosos como Candomblé, Catolicismo e Espiritismo.

É considerada uma “religião brasileira por excelência” com um sincretismo que combina o Catolicismo, a tradição dos orixás africanos e os espíritos de origem indígena.

Só para constar, Sincretismo é formado pela fusão de diferentes cultos ou doutrinas religiosas, com reinterpretação de seus elementos.

Vivendo mais de uma década na Bahia, desenhei muitas figuras ligadas ao tema.

Vai ter Festa no Mar…

Também tenho origem e vida cigana.

Minha descendência espanhola remete-me ao “nômade”…

Minha alma judaica remete-me ao “judeu errante”!

Colorindo meu corpo e minha mente nas cores do arco íris!

Devo ter origem indígena também!

Como se navegasse no Cosmo!

Um decreto assinado em 2006 instituiu o dia 24 de maio como Dia Nacional dos Ciganos no Brasil.

A data faz menção aos 24 e 25 de maio, dias em que se prestam homenagens no mundo todo à Santa Sara Kali, padroeira do povo cigano.

Santa Sara Kali é a padroeira dos Roma. O seu nome, tal como o de Sara no Antigo Testamento, pode ser um nome hebraico que indica uma mulher de alta sociedade, que algumas vezes é traduzido como “princesa” e em outras, “senhora”. Wikipédia.

Quando os ciganos dançam, eles estão se embalando no Universo.

Os carroções se alinham na noite onde a lua se debruça inteira, para ver os ciganos acenderem as fogueiras. As estrelas parecem que acendem mais luzes, piscando na cadência dos passos, enquanto a música e canto entoam comemorações à vida.

Alex de Oxóssi – Rio Bonito – Rio de Janeiro.

Tal quais os terreiros de Umbanda!

Assim… Desde os meus vinte anos:

Eu vi mamãe Oxum na cachoeira…

Sentada na beira do rio…

Colhendo lírio, lírio ê…

Colhendo lírio, lírio á…

Colhendo lírio pra enfeitar nosso congá!

SEXO

SEXO

Título instigante! Ato instintivo! Existe desde a formação do Universo!

Quando começo escrever, procuro sempre imagens e músicas para embelezar as letras… As palavras… As frases… Os textos… A lavra… A verve!

A humanidade está enferma. Era uma vez um Adão e uma Eva. Únicos. No Éden. Inicio das intubações e dominações. “Tá tudo dominado”! Mundo enloucado!

No começo era assim:

Google – Imagens

Oh! Eva… O Universo conspira a nosso favor! Disse Adão.

É histórico que na maioria das religiões o SEXO tenha sido normatizado dentro dos princípios mais sublimes do que apenas uma “necessidade fisiobiológica”!

No judaísmo, o casamento é visto como um vínculo contratual entre um homem e uma mulher, através do qual eles se unem para criar uma família. Embora à procriação não seja o único propósito, um casamento judaico também é esperado para cumprir o mandamento de ter filhos. O foco principal centra-se em torno do relacionamento entre o marido e a esposa. No nível espiritual, o casamento é entendido como o significado de que o marido e a esposa estão se fundindo para formar uma única alma. É por isso que um homem é considerado “incompleto” se ele não for casado, como sua alma é apenas uma parte de um todo maior que continua a ser unificada.

É realizado dentro dos conceitos estabelecidos da Torá, do Talmud e da Halachá. O casamento judeu é diferente de um casamento cristão ou de outras religiões, pois tem todo um significado em cada etapa desde o dia do casamento até o “Kidushin” a Consagração do casamento.

Segundo algumas tradições rabínicas, Deus perdoa completamente qualquer pecado que os noivos tenham cometido em suas vidas, para que possam começar suas vidas de casados em um estado totalmente puro.

Relações sexuais regulares são esperadas entre o marido e a mulher. Esta obrigação é conhecida como “onah”. Na tradição Judaica, as relações sexuais no casamento constituem-se em mandamento religioso.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O islamismo desencoraja a interação social entre homens e mulheres, quando estiverem sozinhos, e diversos países islâmicos praticam ativamente a segregação sexual. A religião, no entanto, não desencoraja todo e qualquer contato entre os sexos; um exemplo histórico ocorreu com Cadija, à primeira esposa do profeta Maomé, que o empregou antes de terem qualquer relacionamento amoroso, e se encontrou diversas vezes com ele para discutir assuntos relacionados aos negócios – um exemplo seguido e praticado pelas outras esposas de Maomé, que ensinavam e davam conselhos aos homens e mulheres de Medina. Wikipédia.

São muitas as estórias e histórias sobre as questões relativas ao SEXO. Não vamos discorrer nesse momento sobre o homossexualismo.

Seria prolongar excessivamente o ensaio sobre o tema. Mas não podemos deixar de fora a triste questão da exploração sexual de menores que repercute cruel nesses dias atuais. Inclusive com o Brasil em véspera de Copa do Mundo de Futebol observando o tal “turismo sexual”!

De forma geral, a exploração sexual infantil trata-se do abuso sofrido por uma criança a qual, por vários fatores, como situação de pobreza ou falta de assistência social e psicológica, torna-se fragilizada. Entretanto, para além das possíveis vulnerabilidades decorrentes da situação socioeconômica, existem outros aspectos, fato que explicaria uma maior vulnerabilidade das meninas, tão expostas à violência contra a mulher até mesmo no ambiente familiar.

Além destes, observamos os vícios das drogas e o chamado turismo sexual, o qual consiste na chegada de vários estrangeiros a regiões como o Nordeste brasileiro em busca de sexo.  Todos estes são aspectos importantes para a compreensão da violência contra a criança.

Triste realidade…

Em tempos mais remotos o SEXO também foi distorcido.

As fontes sobreviventes oferecem um importante número de histórias a respeito de Calígula que ilustram a sua crueldade e a sua demência. As fontes contemporâneas, Fílon de Alexandria e Sêneca, o Moço, descrevem o imperador como um demente irascível, caprichoso, derrocador e enfermo sexual. Era acusado de alardear de se acostar com as mulheres dos seus súditos, de matar por pura diversão, de provocar uma fome ao gastar demais dinheiro na construção da sua ponte, e de querer erigir uma estátua de si mesmo no Templo de Jerusalém com o objeto de ser adorado por todos.

Antiga moeda romana com a gravura de Calígula. O reverso representa as três irmãs de Calígula, Agripina, Drusila e Júlia Lívila, com as quais se rumorejou que o imperador manteve relações incestuosas.

Baco ou Dionisio! Deus do vinho! Romano e Grego!

Dionisio era o deus grego equivalente ao deus romano Baco, dos ciclos vitais, das festas, do vinho, da insânia, mas, sobretudo, da intoxicação que funde o bebedor com a deidade. Filho de Zeus e da princesa Semele, foi o único deus olimpiano filho de uma mortal, o que faz dele uma divindade grega atípica.

Havia também o Deus Eros! Erótico! Cupido! De flecha certeira! Alado!

É o amor apaixonado, com desejo e atração sensual. Platão refinou sua própria definição. Embora o Eros seja sentido inicialmente por uma pessoa, com contemplação transforma-se em apreciação da beleza dentro dessa pessoa, ou transforma-se mesmo em apreciação da própria beleza. Platão não pleiteia a atração física como uma parte necessária para o amor, daqui o uso do termo “amor platônico” significar “sem atração física”. Platão define o Eros e diz também que ajuda ao conhecimento da recordação da beleza da alma, contribuindo para uma compreensão da verdade espiritual. Os amantes e os filósofos todos são inspirados a dizer a verdade por Eros, Deus do Amor.

SEXO e Kundalini… Os filamentos de DNA!

A kundalini é ativada pelo calor de nossas emoções e por isso é considerada o fogo alquímico dos Deuses.

A energia da Kundalini é rejuvenescedora e curadora porque ela é capaz de reagrupar e organizar todos os desajustes de nossas células até os filamentos de DNA. O fluxo energético de suas emoções altera a química do sangue gerando ondas de prazer sem que nenhum acontecimento externo esteja interferindo no processo.

Assim Caminha a Humanidade…

Rompendo as gâmbias do hortomogenério…

Teus lindos olhos que têm barlacantes…

Mas SEXO também é poesia!

A UMA DEUSA

(Atribuído ao poeta Luiz Lisboa do Maranhão)

Tu és o quelso do pental ganírio

Saltando as rimpas do fermim calério

Carpindo as taipas do furor salírio

Nos rúbios calos do pijom sidério

És o bartólío do bocal empírio
Que ruge e passa no festim sitério
Em ticoteios de partano estírio
Rompendo as gâmbias do hortomogenério

Teus lindos olhos que têm barlacantes
São camençúrias que carquejam lantes
Nas duras pélias do pegal balônio

São carmentórios de um carce metálio
De lúrias peles em que pulsa obálio
Em vertimbáceas do pental perônio

Barlacantes carmentórios
Pulsa obálio gâmbias lúrias
Do pijom és o bartólio
Carquejantes camençúrias

Com essa aquarela abri minha exposição de artes no Gauer Hotel Schweizerhof Bern, na capital Suíça. Roman Polanski e Elizabeth Taylor estavam hospedados no hotel e prestigiaram a mostra erótica!

Mas SEXO também é música!

Brigitte Bardot… Je t’aime moi non plus…

Eu te amo…  Eu mais ainda… Como a onda irresoluta… Tu és a onda, eu a ilha nua… Entrelaçado em meu dorso…  Você vai e você vem… E eu mantenho… Eu te amo…

E eu mais ainda…

A Rosa Vermelha…

A Rosa Vermelha…

A rosa vermelha é símbolo místico em várias ordens arcanas do conhecimento. O período em que vivemos está repleto de energias cósmicas e transformações do homem com seu habitat. O meio ambiente vibra… O homem vibra… Ora com harmonia… Ora sem!

Quando o Universo conspira a nosso favor, temos a sensação de que vibramos no mesmo diapasão Cósmico.

A AMORCAntiga e Mística Ordem Rosa Cruz é uma senda, escola de metafísica, que tem a Rosa Vermelha na composição do símbolo.

Google – Imagem

Como membro da Ordem há muitos anos, posso afirmar que é mais que uma simples escola, é uma faculdade de metafísica, completa de informações.

Hoje, adormecido, me encontro no grau dos Illuminati.

A Antiga e Mística Ordem Rosacruz (A.M.O.R.C.) é uma organização internacional de caráter místico-filosófico, que tem por missão despertar o potencial interior do ser humano, auxiliando-o em seu desenvolvimento, em espírito de fraternidade, respeitando a liberdade individual, dentro da Tradição e da Cultura Rosacruz.

Fundada nos EUA, em 1915, por Harvey Spencer Lewis, ela também é conhecida por seu nome em Latim, Antiquus Mysticusque Ordo Rosæ Crucis. Esta denominação é a simplificação de Antiga e Arcana Ordem da Rosa Vermelha e da Cruz Dourada.

Em sua forma atual o rosacrucianismo foi restabelecido no começo do século vinte, precisamente em 1915. Cientista, escritor, filósofo, pintor e místico, o Dr. Harvey Spencer Lewis, assumiu a responsabilidade de reativar a Ordem Rosacruz na América do Norte. Sob sua orientação foi construído o Parque Rosacruz em San José, Califórnia, e a AMORC floresceu. Segundo a Ordem Rosacruz AMORC as suas origens remontariam às supostas antigas escolas de mistérios egípcias, há 3.365 anos.  É tido como fundador da tradição Rosacruz o faraó Tutmés III, da XVIII dinastia, por volta de 1350 a.C. Teria o faraó fundado uma fraternidade secreta, com o objetivo de estudar os mistérios da vida. A Fraternidade Rosacruz ainda não se autodenominava assim, sendo oficialmente estabelecida em El Amarna pelo faraó Amenhotep IV, conhecido também como Akhenaton.

Akhenaton, primeiro faraó a admitir um Deus único. Provavelmente pela influência dos Hebreus no Egito.

Nas minhas incursões pelas sendas místicas e herméticas, encontrei a Maçonaria e o Martinismo.

Google – Imagem

O Grau 18º da Maçonaria é o Grau Rosa Cruz.

Tem rosas esparramadas por todo o Universo.

A Rosa Vermelha… É do… Bem Querer…

O “G” no símbolo maçônico, centralizado entre o entrelaçado esquadro e o compasso, significa “Gnose” (conhecimento), Geômetra, Grande Arquiteto do Universo e assim por diante. Ocupa o lugar da Rosa em outras representações simbólicas. “Deus Geometriza”.

Na escalada da “Escada de Jacó”, subi ao Gr.´. 30. Cav.´. Kadosch e da Águia Branca e Negra.

Google – Imagem

A Escada de Jacó representa simbolicamente a ligação entre a Terra e os Céus. A origem da introdução do simbolismo da Escada de Jacó na Maçonaria Especulativa deve-se à visão de Jacó, registrada no Velho Testamento.

Se fossemos percorrer todos os caminhos das escolas arcanas, herméticas e esotéricas, ficaríamos a vida toda em incursões maravilhosas e… Não chegaríamos ao fim… O Infinito é o endereço da “caminhada”…

A rosa também foi utilizada para denominar catástrofe.

Google – Imagem

A Rosa de Hiroshima não é vermelha.

Era nuclear. Universo vibrando em desarmonia com o cósmico.

A Rosa Vermelha… É do… Bem Querer…

A Rosa Vermelha se fez presente em várias épocas da civilização.

Il nome della rosa

“O Nome da Rosa” de Umberto Eco é um romance cuja trama se desenrola em um mosteiro italiano na última semana de novembro de 1327. Ali, em meio a intensos debates religiosos, o frade franciscano inglês Guilherme de Baskerville e seu jovem auxiliar, Adso, envolvem-se na investigação das insólitas mortes de sete monges, em sete dias e sete noites. Os crimes se irradiam a partir da biblioteca do mosteiro: “o nome da rosa” era uma expressão usada na Idade Média para denotar o infinito poder das palavras.

No romance, Umberto Eco relembra a problemática suscitada pelo nominalismo entre o que é essencial, que parece ser o nome da rosa como nome, em si um conceito, portanto universal, dessa forma, eterno, imutável, imortal e de sua contraposição a rosa particular, individual no mundo, flor de existência única na realidade, que por acontecer, também é passageira, mortal e transitória.

Pitadas de erotismo também fizeram parte da película do escritor italiano, Il nome della rosa.

O Nome da Rosa é um filme baseado no romance de Umberto Eco, o qual foi lançado em 1980. Tem como Título Original: Der Name Der Rose.

Google – Imagem

Rosas vermelhas são flores de grande simbologia.

Google- Imagem – Cigana

Sempre me senti com alguma hereditariedade cigana.

Nômade… Andante… Buscando sempre!

Acho que a cor vermelha da flor tem muito a ver com o calor dessa minoria étnica. Alzamora vem da Península Ibérica. Deve ser “alma judaica” com certeza.

“Cigano” provém do termo grego bizantino athígganos. “Gitano” provém do termo castelhano gitano. “Judeu” provém do termo latino judaeu. “Boêmio” é uma referência à antiga crença de a etnia ser originária da Boêmia, região da atual República Tcheca.

Em fins de julho de 2010, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, decidiu, após dois incidentes envolvendo membros franceses da comunidade cigana, promover o retorno em massa dos Roma à Romênia e Bulgária, o que suscitou uma grande polêmica.

A França continua socialista.

Google – François Hollande

O símbolo do vitorioso partido socialista francês é uma rosa, mas a flor parece ter murchado e, meses depois de François Hollande ter vencido a campanha presidencial, o vento está levando as pétalas para todos os lados.

Quando os ciganos dançam, eles estão se embalando no Universo.

Os carroções se alinham na noite onde a lua se debruça inteira, para ver os ciganos acenderem as fogueiras. As estrelas parecem que acendem mais luzes, piscando na cadência dos passos, enquanto a música e canto entoam comemorações à vida.

Alex de Oxóssi– Rio Bonito – Rio de Janeiro.

Google – Imagem

Nicolas Sarkozy também gostava de uma vida em rosa. Os ciganos deixaram na França a luxúria da rosa vermelha. Era “La Vie en Rose”… Carla Bruni…

Cigana ítalo-francesa!

Houve polêmica entre os ciganos passantes “Pour La France”.

Mistura da criação de Umberto Eco… Il nome della rosa.

A Rosa Vermelha… É do… Bem Querer…

A repatriação dos ciganos na França está ligada a uma política do governo francês de remoção de acampamentos ilegais. Embora os cidadãos búlgaros e romenos tenham o direito de entrar na França sem visto – já que seus países de origem fazem parte da União Europeia – as regras de imigração francesas obrigam os estrangeiros a obter uma permissão de trabalho ou uma autorização de permanência (permis de séjour), caso desejem permanecer em território francês por mais de três meses.

O vento está levando as pétalas para todos os lados.

Cigano já esta acostumado com isso.

Hoje estou aqui… Amanhã… Em volta da fogueira! Danço…

No início desta lavra falei sobre o Martinismo. A França sempre foi palco e cenário de misticismos.

O Martinismo de que falo não tem relação com Martinho Lutero. Se trata de Louis Claude de Saint-Martin.

Louis Claude de Saint-Martin (Amboise, França 18 de janeiro de 1743 – 13 de Outubro de 1803) foi um filósofo e místico francês.

Foi discípulo de Martinez de Pasqually e Jacob Boehme (de forma póstuma, através de seus escritos). Advogado deixou de lado a jurisprudência e ao lado de Jean Baptiste Willermoz, lançou a base do Martinismo. Influenciou diversos ocultistas franceses, especialmente Eliphas Levi, Stanislas de Guaita e Papus.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A influência judaica nas Ordens Herméticas e do Conhecimento é perfeitamente visível a quaisquer olhos. Até ao “Olho Que Tudo Vê”.

O “Olho de Hórus”.

Martinismo é uma escola de pensamento místico-filosófica, derivada dos ensinamentos e escrita de Martinez de Pasqually e de Louis Claude de Saint-Martin, relacionada com o cristianismo esotérico e a mística judaica. É também a designação de um rito da maçonaria. A escola de Martinez restringiu-se à Teurgia, à prática operativa, enquanto que a escola de Louis Claude de Saint-Martin estendeu-se à chamada senda mística ou cardíaca. Papus foi o fundador do martinismo moderno. Iniciado em 1882 por Henri Delaage, na Sociedade dos Filósofos Desconhecidos, uma ordem fundada no século XVIII por Louis Claude de Saint-Martin, fundou em 1931 a Ordre Martiniste Traditionnel, da qual derivam diversos grupos contemporâneos.

Wikipédia, a enciclopédia livre.

Como no romance de Alexandre Dumas que encerrou a saga eterna dos Mosqueteiros, a rosa vermelha dos socialistas renasce na França e floresce de novo às margens do Sena.

Enfim, a Rosa Vermelha pode falar de Amor, Paixão, Erotismo, Sendas Herméticas, o Secreto Eterno, o Doce Mistério da Vida…

Google – Imagem

Rosas vermelhas são flores de grande simbologia. A rosa, por si só, é uma das flores mais populares no mundo, além de serem muito antigas. Existem diversas cores de rosas, mas a vermelha é sempre a mais utilizada e que mais chama atenção. As rosas vermelhas simbolizam o amor e a paixão.

É… Nicolas Sarkozy sonha em cavalgadas…

A França mística sempre vai deixar subsídios para Os Cavaleiros Templários.

Carla Bruni – Google

La Vie en Rose…

 

Que Azedume Gelado…

Que Azedume Gelado…

Acordei um limão muito azedo hoje. Nem passarinho cantando adoçava meu azedume.

Nem sei se tinha passarinho cantando com esse frio.

Síndrome de um domingo sem fim, igual ao romance do Kent Follet, “Mundo Sem Fim”.

Google

O passarinho cantou sim… Eu é que não escutei.

Estava com preguiça de ler 1000 páginas.

Soltei bafos nas mãos para ver se esquentavam…

Após um primeiro turno político, comecei a cuspir fogo pelo bafo quente… Como o amigo da foto abaixo…

Ou melhor, ainda…

Já que com esse, o estresse é politico.

Entre outros estressados é claro…

Quase queimei a mão. Mas esquentou um pouco.

Pensei nas estrofes do Hino Nacional…

Brasil… Sem Lábaro… Sem Buril…

O Resto da Rima…

Fica por Conta… De Quem aqui Pariu!

Fui pagar contas pela internet… Estava fora o sistema.

Tentei outro banco, a senha estava bloqueada. Mandava ir desbloquear num caixa eletrônico. Fui. Estavam todos travados e prendendo meus queridos cartõezinhos…

Queridos? Uma merda… Só iludem a gente mentindo que a gente pode comprar. Pagar é que é “foda”.

Azedo, com frio e com uma gripe que dói na garganta, minha prosa só poderia ser esse limãozinho que estou descrevendo. Tudo bem, amanhã será outro dia.

Opa! Estou tentando me convencer que sou otimista?

Não era essa a ideia quando comecei a teclar.

Estou azedo e quero ficar azedo e ninguém tem nada a ver com isso.

Parece criança né? Síndrome da semana do dia das crianças. Que preguiça ser criança de novo. Mas é melhor que ser adulto azedo.

Tá nervoso? Vai pescar idiota! Com esse frio? Vá ao supermercado e compre o peixe já congelado… Tão custoso quanto!

Se eu quiser fazer alguma coisa eu faço… Se não quiser não faço!

Lembrei-me do José Zokner (Juca), que após ter comprado seu livro “RIMAS PRIMAS & Outras Constatações”, ele me escreveu num guardanapo:

“Ler o meu livro que deverá ficar à mão em cima do criado mudo. Ler antes de… Ou depois de… Jamais ao invés de…”.

“Ah, esse nosso vernáculo”…

Criado mudo? Mesinha de cabeceira? Sei lá Juca!

Indutor ao ato substitutivo?

Faço isso e não faço aquilo?

Acho que eu estou azedo por que eu quero mesmo.

Nem mel adoça. Mas o gelo gela!

Que saco esse frio.

Quem matou Odete Roitman?

Quem matou Max?

Sai fora Carminha!

Vamos brincar no Facebook!

Lá a gente fica sabendo de tudo.

Obá! O domingo está chegando ao fim.

O frio ainda não.

Ah! Mas teve um dia bacana esta semana. Foi o aniversário do meu irmão Luiz Aurélio. Dia 12, dia da criança. Sentei ao lado do Sergio Reis. Que papo interessante. Ex-diretor de marketing do Bamerindus, assim como Luiz Aurélio, elogiou meu ultimo artigo “Aquelas Mulheres de Atenas…”.

Fiquei mais fã dele ainda. KKK… Vaidade! Ego! Escambau!

O domingo gelado e azedo ainda não tinha acabado quando vi meu vizinho Gerson fazendo uma calçadinha de paver na casa dele.

Pensei… Esse Gerson não tem mal tempo!

Será que gente assim não fica azeda?

Acho que ele não! Está sempre fazendo conserto terapia.

Tudo bem, ele é 20 anos mais novo do que eu.

Azedume é coisa de velho?

Rabugento?

Quando eu era criança, eu não cansava andando na Rua XV. Minha Vó Jupira Tomagnini me carregava.

Sem azedume e sem rabugice.

Isso era Curitiba com calçadas ilustradas de pinhão.

Os carros tinham pneus com faixas brancas.

O tempo passa… O tempo voa… E a Poupança Bamerindus continua numa boa…

Lembrei-me do Toni. Aquele barbudo simpático que fazia a propaganda do banco.

Ali tinha também Eloi Zanetti.

O Toni entrava num restaurante ou bar e perguntava para o garçom:

“Tem grapette?”

O garçom respondia:

“Não”…

O Toni continuava:

“Tem Crush?”

“Não”…

“Então me dá um Black mesmo!”…

Êta tempo bão!

Oba! O domingo acabou!

Volto a escrever amanhã. Segunda fria também.

Day by Day!

Alles zu sine zeit!

Na Toca do Coelho da Coluna do Aroldo Murá, a pepita de ouro foi para analise… Deu pirita!

Humor Coelhino.

Brinco sempre com o Antonio Carlos Coelho. Ele me chama de rabequista.

Disse para ele que a lã angorá era confeccionada com pele de coelho domesticado para substituir o cashmere.

A lã angorá é um tecido de lã fino e macio feito a partir do pelo do coelho angorá.

Esse dia ele não quis nem comer cenoura!

Antonio Carlos da Costa Coelho: ouvido atentíssimo

Bom de prosa e verso.

Tô de olho em você!

Domingo é dia de intermináveis passeios no shopping com minha mulher e sogra. Elas passam um milhão de vezes em frente da mesma vitrine e sempre comentam as mesmas coisas sobre os produtos expostos.

Quando minha sogra liga dizendo que não quer ir almoçar, por que passou a noite em claro e está “esbodegada”, lembro-me do meu avô dizendo que uma coisa chata era uma coisa “muito aborrecida”. Quando alguma criança passava fazendo bagunça, ele dizia “não chacoalha menino”.

Vô José Alzamora e meu filho Rodrigo.

Tô de olho nesse seu azedume!

Nem mel adoça essa joça…

Google

Embora a semana tenha começado com sol, não posso abandonar o azedume. Ele é contagiante e duradouro.

Acho que vai acabar depois do dia 28, eleições. O ar vai ficar mais leve. Em Brasília vão plantar limoeiros nos canteiros das principais avenidas.

Vão lançar a bolsa açúcar e a bolsa 51.

O lema vai ser “mais cachaça nessa joça, uma boa ideia”.

Bebum brasiliense vai ter caipira de “grátis”!

Lewandowski absolve Dirceu e diz que ‘não há prova documental’ contra o réu.

Vai lançar a Vodka Lewandowski.

Vodka Sobieski 750 ml

Como se ele “sobieski” alguma coisa!

Bota limão nessa figura impoluta!

Não dá para dizer que ele é um grande filho da Pátria!

Dá para não ficar azedo?

É sacola “saco cheio” pra lá… Das ilhas Cayman!

Sem fugir das arraias… E da Raia!

Água transparente e vodka fresca dão para arrancar o azedume de qualquer um. Mas tem que ser da turma não muito transparente.

Deitado em rede esplêndida…

Assim como o céu varonil…

Desse Brasil… Sem Lábaro… Sem Buril…

O Resto da Rima…

Fica por Conta… De Quem aqui Pariu!

Encontra a preguiça na caliça… Dessa justiça postiça…

Vai Lewandowski “numa boa” Zé Mané!

Levanta esse seu chulé e vá chupar limão de picolé.

Se você não acrescenta nada…

Sou só Limão!