O Tijolo do Universo

O Tijolo do Universo

Hoje me lembrei de “A LEBRE COM OLHOS DE AMBAR” de Edmund De Waal onde ele abre o livro com: “Tire um objeto do seu bolso e o coloque diante de si. Você começa a contar uma história”.

Tirei a segunda pedrinha do bolso!

Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento.
(Albert Einstein).

Não dá para deixar cair a “peteca”, “pedrinha”, “bolinha” ou sei lá o que for!

Assim vou sentindo as pedradas do Universo…. Guardando no bolso… E tirando outra vez!

A primeira pedrinha foi no meu artigo “SEMIÓTICA ARQUITETÔNICA”

Raio no Vaticano, renúncia Papal, meteoro na Rússia, tempestades no mundo inteiro, trovões, ventanias e outras intempéries climáticas e “mentais” nos pontos cardeais! Tá tudo fora de lugar? O que o Cósmico quer sinalizar com tudo isso? Esta semana houve homenagem até pelo Doodle do Google ao astrônomo e matemático Nicolau Copérnico na data de 540 anos de seu nascimento. No doodle é representado um desenho animado ilustrando a teoria heliocêntrica de Copérnico, que colocou o Sol no centro do Sistema Solar.

Assim, a edição especial do logo do Google apresenta a estrela como a segunda letra ‘o’ no nome do buscador, com os planetas girando ao seu redor. É uma representação das teorias de Copérnico. A Terra, representada em azul, inclui a Lua como seu satélite na homenagem ao astrônomo polonês, cuja teoria revolucionou e mexeu com crenças estabelecidas na época.

Coincidências existem da forma em que se define a palavra pelo dicionário.

Quando duas ou mais coisas acontecem de forma que parece que foi combinado.
Ato ou efeito de coincidir.
Realização simultânea de dois ou mais acontecimentos; simultaneidade, contemporaneidade.

Os fenômenos espaciais, raios, “pedradas” cósmicas na Rússia e Copérnico me ligaram ao Carlos Ruiz Zafón outra vez. Em “O Príncipe da Névoa” ele relata o diálogo entre o pai Maximilian Carver (relojoeiro) e o filho Max:

– O que está lendo? – perguntou Max, apontando para o grosso volume.

-É um livro sobre Copérnico. Sabe quem foi Copérnico? – indagou o relojoeiro.

-Estou na escola – respondeu Max.

Seu pai gostava de perguntar cada coisa… Era como se ele tivesse acabado de chegar ao mundo.

– E o que sabe dele? – insistiu.

-Descobriu que a Terra gira ao redor do sol e não o contrário.

-Mais ou menos. E sabe o que isso significou?

-Problemas – devolveu Max.

Pareceu-me que havia combinado com o autor do livro para ler o trecho exatamente naquela hora.

Desde o momento em que comecei escrever essa lavra, já fez sol e chuva, barulho no Céu e na Terra.

As principais partes da teoria de Copérnico são:

  • Os movimentos dos astros são uniformes, eternos, circulares ou uma composição de vários círculos (epiciclos).
  • O centro do Universo é perto do Sol.
  • Perto do Sol, em ordem, estão Mércurio,  Vênus, Terra, Lua, Marte, Júpiter, Saturno, e as estrelas fixas.
  • A Terra tem três movimentos: rotação diária, rotação anual e inclinação anual de seu eixo.
  • O movimento retrógrado dos planetas é explicado pelo movimento da Terra.
  • A distância da Terra ao Sol é pequena se comparada à distância às estrelas.

Se essas proposições eram revolucionárias ou conservadoras era um tópico muito discutido durante o vigésimo século. Thomas Kuhn argumentou que Copérnico apenas transferiu algumas propriedades, antes atribuídas a Terra, para as funções astronômicas do Sol. Outros historiadores, por outro lado, argumentaram a Kuhn, que ele subestimou quão revolucionário eram as teorias de Copérnico, e enfatizaram a dificuldade que Copérnico deveria ter em modificar a teoria astronômica da época, utilizando apenas uma geometria simples, sendo que ele não tinha nenhuma evidência experimental.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Astrônomo Copérnico: Conversa com Deus.

 Imagem: Jan Matejko-Astrônomo Copérnico.

Está chovendo pedra. Acho que é tijolo, pelo estrondo. Minha “2ª pedrinha” caiu do bolso aqui em Curitiba. Foi parar perto do Cesare Mansueto Giulio Lattes, mais conhecido como César Lattes, (Curitiba, 11 de julho de 1924 – Campinas, 8 de março de 2005). Foi um físico brasileiro, codescobridor do méson pi. Dividiu a menor partícula do Universo. “O Tijolo do Universo”.

Dizem que o meteoro que caiu na Rússia passou aqui por cima do Brasil. Deve ter homenageado o físico Lattes.

César Lattes – Publicados Brasil – Google – Imagem.

Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento.
(Albert Einstein).

Google – Imagem.

Enquanto isso Copérnico fica atirando pedrinhas no Universo!

Rocha teria cerca de 10 toneladas, segundo agência russa.

Do micro ao macro cosmo, as dimensionais variam muito.

A segunda pedrinha é bem clarinha. É branca. Está ao lado do meu instrumento de trabalho. Fico olhando para ela e lembrando o tamanho do Tijolo do Universo!

Em momentos de crise, só a imaginação é mais importante que o conhecimento.
(Albert Einstein).

Assim canta a musa da música… Ela, bela, encanta na luz!

É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama…

Elis Regina- Tom Jobim

Coincidências existem da forma em que se define a palavra pelo dicionário.

Quando duas ou mais coisas acontecem de forma que parece que foi combinado.

Não é atoa que prezo meus amigos. Postei no Facebook: Quando tirei a primeira pedrinha do bolso… Escrevi esse artigo!

Esta semana, depois da “pedrinha” que caiu do céu da Rússia, achei outra no meu bolso! Vou escrever sobre isso.

Estava divulgando “SEMIÓTICA ARQUITETÔNICA” e anunciando um novo artigo, impulsionado com a segunda pedrinha. Logo, meu amigo e vizinho Paulo Sergio Maioque escreveu:

Quando começo a ler seus artigos, fico imaginando: Qual vai ser a música? Igual aquele quadro antigo do Silvio Santos. Desta vez passei longe. Pensei que fosse encerrar com aquela: “Se esta rua, se esta rua fosse minha, eu mandava eu mandava ladrilhar, com pedrinhas, com pedrinhas de brilhantes para ver o meu amor passar”. Surpresa boa: Elis Regina com aquela voz de veludo. Valeu…

Respondi de bate pronto:

Você é um dos meus melhores incentivadores. Aí vizinho nota 1000! Interessante que nesse novo artigo, que estou elaborando ainda, não consegui escutar qual música será! Nessa, até eu vou ficar surpreso! Hehehe. Obrigado amigo. Vê se não acorda muito cedo amanhã, tá? Vamos falar.

De noitinha ele ligou para meu interfone. Queria falar com a Denise. Falei: Aqui não tem Denise! – Oh Marco, desculpe, eu liguei pra casa errada. Perguntei: Levou uma pedrada na cabeça? – Respondeu: Um TIJOLO! Kkk…

Inventei a estória do tijolo para justificar o título! Mas o resto é a mais pura verdade!

A verdade é que só fui identificar a música cabível para essa escrita no outro dia. Ele só vai saber quando ler o próximo artigo. Mas vai tentar adivinhar!

Anoitecendo outra vez, o manto celeste enegrecido com pinceladas púrpuras se manifestou no espaço etéreo.

Novamente vieram o barulho ensurdecedor dos trovões e os flashes incandescentes dos raios. O “manda chuva” lá de cima está meio nervosos nesses novos tempos. Dizem que o apelido dele é “Pedroca”! Acho que tem algo a ver com os raios do Vaticano. São Pedro, dono da “chave do céu”… Representante da divindade renunciando aqui na Terra… Deve ser “pedrada” das brabas!

Está prevista a oficialização da renúncia do Papa em 28 de fevereiro de 2013. No Vaticano!

Assim como é uma grande Coincidência entre as 24 horas de um dia e as 24 latinhas de cerveja de uma caixa, assim como no Vaticano, deveria também acontecer em Brasília. Dá-lhe Renan Calheiros!

Deve ser cabalístico! E tem pedra a dar de pau ainda!

Descoberta a menor partícula do Universo:

É pau, é pedra, é o fim do caminho.

É um resto de toco, é um pouco sozinho.

É um caco de vidro, é a vida, é o sol.

É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol…

Quando era adolescente, inquiridor, eu queria contrariar dogmas, leis, normas, teorias e tudo que existisse no Universo. Briguei com Copérnico, Einstein… Comigo mesmo, principalmente. Era meu umbigo o Centro do Universo. Tudo girava em volta dele. O resto era farelo, napo (Do termo francês garde-nappe)… Residual. Para mim, o Sol, girando na axial, escalava a montanha ou desabava rumo ao mar… Hoje sou um pouco menos obliterado, obtuso… Obnubilado! Que pujança de saber linguístico, hein? Tudo bem, eu já estou indo… Alguém deve estar me mandando ir… Se “catar”! Quirelas e mais quirelas esfacelando-se e formando a poeira, aquela que formata O Tijolo do Universo.  Tudo coberto com nuvem, escurecido, obscurecido… Nublado! Raios que o partam! Tá tudo dominado!

Bom, brincadeiras à parte, vamos falar sério.

Tive que dar uma saidinha para o dentista e o trânsito estava uma verdadeira merda. Acho que o motorista curitibano tem “titica” na cabeça. Como diria meu saudoso amigo Dino Almeida. Pensei em ficar bravo, mas logo lembrei que todos nós vamos virar poeira no final das contas. Vou deixar passar “batido” mais essa.

“Dó pó da terra foste formado e ao pó voltarás”!

…o Sol, girando na axial, escalava a montanha ou desabava rumo ao mar…

Movimento Solar – Desenho – Marco Alzamora

Esse papo de “ao pó voltarás”, me soa meio estranho, embora saiba da poeira cósmica. O corpo humano é 80% líquido, água. Se cremado, vira cinzas. Cinza é pó?

E o tempo climático continua abafado.

Num dos almoços com minha sogra, ela comentou:

 – Como está quente… Abafado, né?

Respondi cantando: – Se chovesse… Talvez desabafasse… E o que eu sinto no peito… Não posso dizer!

Ela me olhou de rabo de olho… Desconfiada rebateu:

– Não é “Se chovesse”… É “Se eu chorasse”… Seu boboca!

Continuei: – É o sinal do Fim dos Tempos!

-Você acredita nisso?

– É o que os antigos diziam frente às disritmias cósmicas!

– Não acredito! O Fim dos Tempos é quando a gente morre…

– É… Daí acaba mesmo. Pelo menos uma das etapas deste ir e vir!

Enfim, não tem choro nem vela… Tudo se transforma na Excelência Divina do Ser… Mesmo não sendo!

O Tijolo do Universo… É somente Poeira… Cósmica!

Poeira Cósmica – Desenho – Marco Alzamora

Ela me olhou de rabo de olho… Desconfiada rebateu:

– Não é “Se chovesse”… É “Se eu chorasse”… Seu boboca!

Essa era a Bina!

Aprendeu-se a liberdade…

A Liberdade aprende-se todos os dias!

“Deixa estar jacaré… A lagoa há de secar… Os peixinhos… Hão de morrer… E você… Há de ficar”!

Dito popular cantado em verso e prosa para manifestar um temporário estado de espera e acomodação perante um desagravo que alguém nos impeliu. “O mundo dá voltas”! “Amanhã é outro dia”! E assim por diante…

Estamos sendo “metralhados” com rajadas de todos os lados. Em todas as mídias percebe-se a mesma ansiedade e angústia, tanto nos conteúdos como na forma com que nos chegam tais informações. O repórter se exalta. Os entrevistados bradam forte pensando em fazer ecos mais distantes com decibéis alterados. Há quem diga que o mês de junho será um marco histórico, já conquistado no espaço e no tempo, para a posteridade. Vamos contar isso para as futuras gerações como o despertar desse gigante adormecido que é o Brasil continental. Com limites marítimos pelo Oceano Atlântico, só se ouve a palavra Pacífico! Sim, existe balbúrdia de vândalos em todas as manifestações pacíficas. São produtos de nossas próprias alienações. Os Poderes constituídos estão em polvorosa.

O povo está inflamado. A luta não é com flechas e tacapes! São apenas brasileiros irmanados.

Recebi uma boa em meu e-mail: “Ando tão preocupado com as manifestações que hoje espirraram dentro do ônibus e uma mulher falou ‘saúde’, eu gritei ‘e educação’. Todos levantaram e começaram a cantar o Hino Nacional”.

Quando contei a piadinha para minha mulher, ela começou a cantar: “Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor…”.

Acho que o civismo só aparece em fechamento de espírito de corpo. Não confundir com “espírito de porco” dos anarquistas do vandalismo.

A história do Brasil é repleta de exemplos que sinalizam as atitudes da nossa massa popular. Massa muitas vezes cega, obtusa e obliterada, quando vota errado e depois brada “mudi dideia”, como disse meu neto ainda na tenra infância.

Pra Frente Brasil (Copa de 70)

De repente…

É aquela corrente pra frente,

Parece que todo o Brasil deu a mão…

Todos ligados na mesma emoção…

Tudo é um só coração!

Parece que todo Brasil está querendo dar as mãos novamente. Só que o mote principal não é a Copa do Mundo e nem a das Confederações. Todos vão ao “circo” sim! Comem muitas vezes o “pão que o diabo amassou”!

São os “pacíficos” que aproveitam para ver a Seleção de futebol e protestar, unindo o útil/necessário ao agradável (quando a Seleção do Brasil ganha… É lógico!). Ainda bem… Ufa! Já pensou se estivéssemos perdendo dentro e fora dos campos? A “bronca” iria ser bem maior!

Diante do clima de brados e gritos do povo indo às ruas, passou-me pela mente um momento da nossa história.

Dos morros do Rio ao Morro dos Guararapes.

A insurreição pernambucana, também referida como Guerra da Luz Divina, registrou-se no contexto da segunda das invasões holandesas do Brasil, culminando com a expulsão dos neerlandeses da região Nordeste do Brasil tornando esta à coroa portuguesa. Em 15 de maio de 1645, reunidos no Engenho de São João, 18 líderes insurretos pernambucanos assinaram compromisso para lutar contra o domínio holandês na capitania. O movimento integrou forças lideradas por André Vidal de Negreiros, João Fernandes Vieira, Henrique Dias e Felipe Camarão. Wikipédia.

Em um resumo da descrição da batalha segundo Lopes Santiago, um cronista da guerra: “Ganhamos todos os canhões do inimigo e muita bagagem, motivo que levou muitos soldados ao saque e à euforia”.

Saquear é cultura insuflada no decorrer dos tempos? Bom… Isso depende da guerra! Já que “guerra é guerra”.

Muitos governantes deste país lutaram para que o coletivo se desenvolvesse. Outros nem tanto. A “borra” que degustamos hoje é a somatória de uma sequência de comandantes que só pensaram em seus próprios interesses. Vamos contratar uma “Presidenta” de Cuba, de Portugal ou da PQP? A atual “mandatária” da nação é o ectoplasma da figura obliterada, da aberração, que deixou a herança grotesca.

Vamos importar algum descendente do Maurício, já que o norte e o nordeste do Brasil continuam carentes?

João Maurício de Nassau

Estabeleceu relações amistosas entre neerlandeses, comerciantes e latifundiários. Estes restauraram seus engenhos com empréstimos concedidos pela WIC, utilizados também na venda a crédito dos engenhos abandonados, visando restabelecer a produção de açúcar.

A Companhia Holandesa das Índias Ocidentais ou Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais (em holandês: West-Indische Compagnie ou WIC) foi uma companhia majestática de mercadores holandeses. Representa um exemplo de organização privada do comércio externo, de pendor capitalista, que contrasta com o modelo de comércio português, que permaneceu fortemente dependente do Estado até bem mais tarde.

A companhia tornou-se instrumento da colonização holandesa nas Américas e foi responsável pela ocupação de áreas no nordeste brasileiro no século XVII.

Nassau incrementou no Nordeste a economia açucareira, introduziu métodos aperfeiçoados de cultivo da cana-de-açúcar e do fumo. Hoje o Nordeste é carente! Todos sabem por que!

Apesar de calvinista, permitiu a liberdade de culto entre holandeses, franceses, italianos, belgas, alemães, flamengos e judeus, que oriundos da Península Ibérica e do norte europeu, foram atraídos para a Nova Holanda por clima de tolerância religiosa que não havia na Europa.

Neste período foi fundada uma sinagoga no Recife, considerada a primeira das Américas.

 

João Maurício de Nassau-Siegen, cognominado “o Brasileiro”, foi conde e príncipe de Nassau-Siegen, um Estado do Sacro Império Romano-Germânico e mais tarde da Confederação Germânica, localizado nas cercanias das cidades de Wiesbaden e Coblença. Wikipédia.

Devemos contratar um “brasileiro” de Cuba, de Portugal ou da PQP? É bem contra isso que o povo está bradando.

É contra os “desgovernos”, que se sucedem sucessivamente sem cessar, que o povo clama! Conclama! Para sair dessa “lama”!

Como muitos leitores desta coluna não fazem parte de redes sociais eu reproduzo parte de um texto muito esclarecedor sobre a “Presidenta”:

Enio Mainardi

Nossos intestinos estão cheios, empanturrados com fatos e verdades não só sobre as mazelas do Planalto. Mas o Congresso… Meu Deus, três bandidos condenados na Comissão de Justiça? O Renan, julgado corrupto, decidindo o que serve para nós, povo brasileiro? Os congressistas, deputados federais, a maioria sendo processada por “malfeitos”, para usar a expressão do FHC? …

O momento é de futebol. Se carnaval o fosse, a presença da torcida seria a mesma. Festa de São João, Ciranda ou o que quer que seja o brasileiro vai “sambar”…

Nem que seja para unir o útil ao agradável! “Curtir” e se manifestar! A Ciranda fala do bom Nassau! O Carnaval fala da Liberdade. O povo repele a Corrupção!

Não vamos falar de partidos políticos e sim de maus elementos que vazem parte de alguns deles. Uma vez me perguntaram sobre a maçonaria ser uma ordem do mal. Havia um irmão que fez algo errado nos conceitos da beatitude. Falei que a maçonaria era uma ordem antiga e honesta. Porém existiam bons e maus maçons. Assim é toda a humanidade. Por isso não podemos criticar instituições partidárias. Acho que assim é melhor para todos, né?

“Entendeu ou quer que desenhe?”

Precisa explicar para o “fenomenal” que uma coisa é uma coisa… Outra coisa é outra coisa!

“Passe Livre”… “Vale Transporte”… “Vale TUDO”!

Musa do Carnaval carioca, Andréa Martins pintou o corpo para protestar na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Andrea, que já foi musa por dois anos seguidos da escola de samba Renascer de Jacarepaguá, está inconformada com os preços cobrados pelas agremiações para que ela possa desfilar na Sapucaí, dentro do Grupo Especial.

Foto: Daniel Ramalho/Terra

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude. A rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.

Rui Barbosa

Aprendeu-se a liberdade…

Combatendo em Guararapes…

Entre flechas e tacapes…

Facas, fuzis e canhões…

Brasileiros irmanados…

Martinho da Vila

Um abraço pro gaiteiro!

Tá pintando o Maior Bode

Tá pintando o Maior Bode

Com um governo se fechando em Espírito de Porco, a população desgostosa tem que possuir um Estômago de Avestruz.

Com esse Gênio de Cão da “comandanta” da nação, alguém vai ter que Pagar o Pato!

Pode até Dar Zebra

Porém há quem cante:

Deixa estar Jacaré

A lagoa há de secar…

Os Peixinhos hão de morrer e…

Você há de ficar!

Quando o Bode Expiatório percebeu que eram Lágrimas de Crocodilo e os Abutres do governo estavam devorando as vítimas, fizeram cair lágrimas dos seus olhos.

O Molusco com depressão chora pelos cantos e até a Anta se esvaece em pingos lacrimais crocodilantes!

Não podemos sacrificar a Anta!

Brada insolente o Molusco!

Pode até parecer o Fim da Picada!

Mas ainda tem muita água (ou lama) pra Rolar nesse Rio!

A populaça vai ter que comer de tudo.

Desde salada a Carne de Cobra!

Com suco gástrico capaz de dissolver metais, a Anta e o Molusco só perdem para o Avestruz!

Será que vai ter Boi de Piranha?

Vai ter encrenca jurídica?

Serão 30 juristas defendendo uma bandeira criada como “Juristas em Defesa da Democracia” contrários ao impeachment?

Serão juristas Matando Cachorro a Grito ou Engolindo Sapo barbudo?

Eles defenderiam também a Maga Patalógica?

Que possuía uma “folha corrida” digna dos Irmãos Metralhas!

Em 1967 foi militante da Política Operária (POLOP) nas Minas Gerais.

 Em 06/10/68 realizou assalto ao Banespa da Rua Iguatemi subtraindo a instituição em Ncr$ 80 mil.

 Dois meses após, em 11/12/68, assaltou a Casa de Armas Diana na Rua do Seminário, levando 48 armas.

 Após assaltar o 4º Regimento de Infantaria em Quitaúna – Osasco – SP, participou ainda de assaltos à casa de um governador e ao Banco Mercantil de São Paulo.

 Era a parceira ideal para dar continuidade aos Projetos de Poder do Pateta.

O jurista Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, entrou com um pedido de impeachment na Câmara dos Deputados contra a presidente Dilma Rousseff.

 Ele disse:

 “Ela é incapaz de governar”.

 “Por isso, não dá para esperar”.

Bicudo afirmou ter entrado com o pedido porque a classe política é “inoperante”.

Diz, ainda, que o Brasil vive momento único.

“O clima é propício para deflagrar a consciência brasileira para a questão política”.

 “O país passa por uma crise moral”.

“É a incapacidade do governo da Dilma”.

 “Ela cometeu uma série de atuações que podem ser consideras crimes eleitorais”.

 “Por isso, não dá para esperar”.

 “Eu tomei esta atitude porque a política está enrolada, ninguém faz nada, então, resolvi jogar em frente, para ver se sai alguma coisa”.

E não vai adiantar a Anta e o Molusco ficarem Bicudos!

O povão, num Mato Sem Cachorro, já sabe que O Bicho Vai Pegar!

Pior que Cachorro Sarnento, a caterva governamental insiste em mentir e negar falcatruas em suas propagandas políticas.

O Cachorrão da Câmara é acusado de ocultar contas na Suíça com depósitos de milhões de dólares provenientes de corrupção, segundo a Operação Lava Jato.

 Ele já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal, que ainda tomará uma decisão sobre a abertura de um processo penal.

Já a Maga Patalógica não enfrenta denúncias de corrupção da PGR, mas tem contra ela acusações de irregularidades fiscais em 2014 respaldadas por parecer do Tribunal de Contas da União.

 Alguns juristas, porém, questionam a validade desse argumento, já que o parecer ainda tem que ser votado no Congresso, podendo ser rejeitado ou aprovado.

Com esse Gênio de Cão da “comandanta” da nação, alguém vai ter que Pagar o Pato!

Quén! Quen! Quén! Quen!

Lá vem o Pato
Pata aqui, pata acolá
Lá vem o Pato
Para ver o que é que há!

O Pato pateta
Pintou o caneco
Surrou a galinha
Bateu no marreco
Pulou do poleiro
No pé do cavalo
Levou um coice
Criou um galo

Comeu um pedaço
De jenipapo
Ficou engasgado
Com dor no papo
Caiu no poço
Quebrou a tigela
TANTA fez o moço
Que foi pra panela!