A Eternidade do Infinito!

A Eternidade do Infinito!

Num momento de elucubrações com meu amigo “Juan Campesino”, responsável pela divulgação de um blog, quando conversávamos sobre física e metafísica, química e alquimia, recebi postagem da minha filha Renata que, retornando do Chile, fez a linda foto da capa desta lavra.

Enlevado na “prosa” com o amigo e vislumbrado no “clique” da fotógrafa, resoluto, mergulhei no Universo Curvo de Einstein.

A quarta dimensão. O espaço, pela relatividade, é curvo, e não plano. Por isso, todas as trajetórias são “tortas”.

Até a da luz.

Na Física clássica, o espaço tem três dimensões – altura, largura e profundidade. A relatividade acrescenta uma quarta, o tempo.

Segundo essa teoria, de Albert Einstein, o espaço é deformado pela presença de objetos com muita massa, como as estrelas e os planetas, cuja gravidade interfere na trajetória de qualquer corpo em movimento. Nem mesmo a luz viaja em linha reta pelo espaço. Revista Super Interessante.

Após ter me enviado um artigo que discorria sobre “Partículas Telepáticas”…

A conversa começou assim:

Não é a mesma coisa que o efeito borboleta?

 Ou melhor, amai ao próximo como a ti mesmo?

 Pois o próximo é você mesmo.

 Marco está tudo interligado, penso eu.

Respondi de “bate pronto”:

Luigi (Juan Campesino),

Efeito borboleta é um termo que se refere à dependência sensível às condições iniciais dentro da teoria do caos. Este efeito foi analisado pela primeira vez em 1963 por Edward Lorenz. Segundo a cultura popular, a teoria apresentada, o bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo.

Física foi uma das matérias que mais me cativou na tenra escola! Metafísica foi uma faculdade que cursei até certo grau avançado! Nunca fui bom de Química, mas pela metafísica galguei algo da alquimia. Colocar isso tudo em fórmulas é um exercício de estudiosos obcecados. A excelente conjectura do artigo que você enviou rabisca alguns encontros da física e da química. Ambas as ciências em suas respectivas evoluções nos remetem á metafísica e a alquimia. Desde criança fui induzido aos exercícios de comando mental e da telepatia.  Meu avô materno era um estudante de hipnose chegando ao elevado grau da letargia! Enfiava uma agulha de tricô no braço e, sem dor, retirava-a estancando o sangramento. Somos todos sensíveis a hiperestesia direta ou indireta do pensamento, que é a pré-cognição. Muitas vezes temos a visão de algo que vai acontecer, ou a sensação que remete ao evento. É louvável explicar certos fenômenos pela ciência convencional, porém, a intuição e conhecimentos similares ainda não puderam ser colocados em fórmulas físicas materializadas.

A telepatia era utilizada por astronautas e paranormais russos e americanos para fazerem contatos com a Terra no momento em que a nave espacial encontrava-se atrás da Lua e os instrumentos de comunicação só funcionavam com ondas hertzianas. Elas não atravessam obstáculos sólidos.

Daí, as ondas mentais faziam às vezes de tais ondas e a comunicação era telepática.

Enfim…

O mundo não sabe que na NASA já existe, há muitos anos, corpos de marcianos e outros “alienígenas”. Esse é um tema interessante para um novo artigo.

O pensamento pode ser mensurado e captado sim. Quando escrevi o “Chip do Chimpanzé” ou “Não te Contei Não?”, eu estava pensando nisso. Vamos continuar “batendo essa bola”!

Vai dar Samba do Crioulo Doido.

O pensamento se propaga no vácuo?

Ato contínuo veio à resposta:

Eu penso que se propaga sim. Pois acredito que o vácuo não existe, como não existe o número zero.

Os árabes ou indianos, colocaram o desenho “0” dizendo que ele estava esperando ser preenchido.

Ora, toda espera gera algum tipo de força, portanto vácuo é zero e não existe.

Abraços. Luigi

Ri e respondi:

O número 8 deitado é infinito?

Lá veio ele com outra elucubração:

Para mim o número 8 deitado é o código do DNA. Como acredito que o universo é curvo e não se expande. O número 8 deitado é a espiral, do começo e do fim. Os cientistas falam que sim, mas se eu olhar o universo de um ponto diametralmente oposto da terra, eu poderia dizer que o universo está encolhendo. Acontece que os buracos negros engolem galáxias, mas estas são repostas, dando a impressão que o universo se expande. Funciona como um moto contínuo, esse sim, infinito.

Pensei cá com meus botões: Vou dar “trela” a esse “papo maluco”… Respondi: São dois zeros emendados! Tanto na horizontal quanta na vertical. O círculo mostra o ciclo do “ir e vir”! VIDA & MORTE & VIDA & Oito infinitamente! Dizem que nosso ciclo encerra com mil reencarnações! Depois… ETERNIDADE!

Encerrada a conversa geradora desta “viajem lisérgica” sem uma gota sequer do famoso LSD – Que é a sigla de Lysergsäurediethylamid, palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico, sendo uma das mais potentes substâncias alucinógenas…

E sem “O soma” que era a droga que os personagens do livro Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley utilizavam a fim de que eles nunca ficassem tristes!

Fui dormir pensando nas “reencarnações”. Não acredito que foi por acaso, porém, ao ser despertado as pressas por minha mulher que possui ojeriza a seres alados, eu fui solicitado para afastar uma enorme borboleta com envergadura das asas por volta dos 15 centímetros, onde pousava tranquilamente em uma das paredes do seu escritório. Gastei quase meio conteúdo de inseticida de óleo de eucalipto! A borboleta se debateu toda e não morreu! Saiu voando pela janela! Acho que ela também não cumpriu ainda as encarnações todas. Mas ela deve ter ficado bem “alegrinha” com o “banho” de química. Se as borboletas pensam, esta protagonista matinal deve ter lembrado o Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley.

 O símbolo do Infinito lembra a forma da Borboleta…

Infinito é um adjetivo que denota algo que não tem início nem fim, ou que é inumerável. É também um nome que representa o que não tem limites. Usado em sentido figurado pode significar Deus, o Absoluto ou o Eterno. Eterno é aquilo que não tem fim! Então a Eternidade deve ser a mãe do Infinito! Assim sendo… Ambos viverão Felizes para Sempre!

E o Universo é uma Eterna Poesia!

Assim como o oceano… Só é belo com luar

Assim como a canção

Só tem razão se se cantar

Assim como uma nuvem

Só acontece se chover

Assim como o poeta

Só é grande se sofrer

Assim como viver

Sem ter amor não é viver

Não há você sem mim

Eu não existo sem você

Vinícius de Moraes

2 respostas para “A Eternidade do Infinito!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *