Não te contei… Não?

Não te contei… Não?

Enquanto estou começando escrever esta lavra, alguém em algum lugar já sabe até o que eu estou pensando!

Fantástico!

Com o advento do norte-americano Edward Snowden, embasado em documentos secretos, o Universo está sendo espionado. Querem fazer crer que somente os Estados Unidos da América possuem esta capacidade. Óbvio que não. Espionagem sempre existiu nos quatro pontos cardeais. Lembro-me muito bem do meu avô, estudante avançado de hipnose e telepatia, contando que os astronautas russos e americanos contratavam paranormais para fazerem parte das suas equipes, objetivando a comunicação entre a central de comando na Terra e os “Deuses Astronautas” em suas naves interplanetárias. Dizia que quando as naves espaciais se posicionavam atrás da Lua, perdia-se a comunicação com a Terra, considerando que as ondas hertzianas transmitidas por instrumentos não atravessavam “paredes sólidas”. Nesse lapso de tempo as comunicações deveriam ser feitas por telepatia, pois as “ondas cerebrais” não são barradas por nenhum obstáculo material. Pensando bem… Não precisamos de “aparelho” nenhum para sabermos alguma coisa.

No dia 6 de junho, o jornal britânico The Guardian, primeiro a divulgar os vazamentos de Snowden, informou como opera a NSA. Um programa de computador dá à agência acesso a e-mails, chats online e chamadas de voz dos usuários dos serviços da Apple, Facebook, Google e Microsoft, entre outros, e tem parceria com uma grande telefônica dos Estados Unidos que mantém relações de negócios com serviços telefônicos no Brasil e noutros países.

Publicado por Associação do Ministério Público de Minas Gerais (extraído pelo JUSBRASIL).

Claro que a utilização de uma “parafernália” de instrumentos e equipamentos detecta e arquiva informações até do nosso DNA.

Mas a leitura do pensamento é muito mais protegida das intempéries climáticas. Faça sol ou… Faça chuva!

A ideia remete-me á Dan Brown em mais uma de suas fabulosas ficções, “Inferno”.

No livro ele fala de um luxuoso iate de 229 pés de comprimento chamado Mendacium. Avaliado em mais de 300 milhões de dólares, onde foi instalado um centro de comando informatizado de nível militar e protegido por uma blindagem de chumbo.

A sala de controle era servida por três links dedicados via satélite e por uma densa rede de estações de transmissão terrestres. O diretor desta “nave aquática” deveria ter o controle de tudo. Ali, o autor descreve, poder-se-ia prever cada possibilidade, antecipar qualquer reação e moldar a realidade a fim de alcançar o resultado desejado. Ele tinha um histórico impecável de sucessos e confidencialidade que lhe garantia uma clientela impressionante: bilionários, políticos, xeques e até governos inteiros.

Portanto a ficção de Dan Brown já nem é tanto assim… Tão fora da realidade! Ops! Desculpe-me…

Volto já! Estou recebendo uma ligação com encriptação em meu computador!

É uma mensagem criptografada!

Pronto! Voltemos ao tema! Ah! Vocês estão curiosos para saber qual mensagem acabei de receber? Pois bem, vamos lá! Em forma de hieróglifos fui informado sobre a criação da DARPADefense Advanced Research Project Agency (em português: Agência de Projeto e Pesquisa Avançada de Defesa). Meu avô José Alzamora voltou à cena! E tem até um brasileiro nessa empreitada metafísica! Seu nome é Miguel Nicolelis.

A Darpa, agência que ajudou a criar a internet e que financia as pesquisas do brasileiro Miguel Nicolelis, terá um projeto próprio para criar um leitor de pensamentos para ajudar soldados dos EUA.

Resultados muito mais palpáveis para os projetos financiados pela Darpa nesta área foram observados na Universidade Duke, na Carolina do Norte. Lá, a equipe liderada pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis conseguiu, em 1999, fazer com que uma macaca movimentasse um braço robô usando apenas o pensamento. Em janeiro do ano passado, um macaco conseguiu controlar o andar de um robô, em uma pesquisa que pode dar o Nobel ao brasileiro. Tudo isso pode parecer muito bizarro, mas o fato é que a Darpa tem um histórico de sucesso. Criada em 1957, após os Estados Unidos terem sido derrotados pela União Soviética na corrida para colocar o primeiro satélite artificial em órbita (os soviéticos conseguiram lançar o Sputnik em 1957 e ainda mandaram Yuri Gagarin para o espaço em 1961), a Darpa deu origem à NASA, a agência espacial dos EUA, e, mais tarde, iniciou a pesquisa que culminou na internet atual. Se há alguma agência capaz de criar uma inovação de impacto tão grande como a da telepatia, certamente é a Darpa.

…Darpa que pretende criar binóculos capazes de ler a mente – e que funcionariam a partir da detecção dos pensamentos dos inimigos quando eles ainda estivessem no subconsciente. REDAÇÃO ÉPOCA.

Não te contei… Não?

Chacotas vão “rolar” em todas as redes! Até naquelas do Nordeste dependuradas em troncos de coqueiros, com sombra e água de coco fresca!

Após a espionagem detectada na China, só nos falta saber como estão se comportando os marcianos! Será que eles existem mesmo? Acho que os chineses vieram para o Brasil alegando interesse no petróleo da camada do Pré-Sal com o objetivo de saber se existem extraterrestres em nosso mar profundo!

Penso que, além da invasão do dragão, já existe um exército de marcianos no fundo desse mar!

Alô, alô, marciano…

Aqui quem fala é da Terra…

Pra variar estamos em guerra…

Você não imagina a loucura…

O ser humano tá na maior fissura…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *