Os Arredios Sem Rédeas

Os Arredios Sem Rédeas

Pode até ser redundante o título, porém há controvérsias sobre o termo arredio ser somente utilizado á quem não tem rédeas.

Desgarrado.

O país continental da América Latina está condenado por décadas e décadas perdidas de desgovernos, corrupção crônica e desleixo sistemático!

Há tempos perdeu-se a rédea que conduz esse “animal” emburricado!

Um Brasil à deriva e sem rumo, sem prumo e sem rédeas. Rédea é a correia presa ao freio e com a qual se conduz a montaria ou animal de tração.

Governo incompetente tende ficar arredio quando os problemas aparecem em velocidades vertiginosas.

Sem o comando direcional que conduz aos caminhos certeiros, governantes se apartam das suas responsabilidades onde, muitas das vezes, querem transferir as próprias incapacidades e incompetências para outros.

Alguns possuem tanta “cara de pau” que colocam as disritmias como culpa de gestões anteriores.

Pior é quando a gestão anterior foi de suas próprias responsabilidades, como é no caso das reeleições.

Já amargamos com disparada da inflação, aumento destacado do desemprego, interrupção do crédito, maior endividamento da população e grande salto do dólar. Vivemos todo o tipo de mazelas. Como diria o “caboclo”: “É uma fartura”! “Farta isso, farta aquilo, farta tudo”!

Seria redundante enumerar os motivos que colocam o país em estado de caos. Quando a chamada “grande imprensa” anuncia em todos os canais de comunicação as notícias diárias sobre a “Pátria Grande” em colapso, a pátria pequena, porém continental, se esvaece em “leites derramados”. Não vai adiantar nem chorar o óleo da Petrobrás que escoou pelo ralo da corrupção sistêmica.

Enquanto em países com culturas mais acirradas…

Envergonhado com a corrupção, ministro japonês se suicidou…

No governo Getúlio Vargas, por meio da Lei nº 2004, de três de outubro de 1953, foi criado a Petróleo Brasileiro S/A – Petrobrás.

A nova empresa era responsável pela execução do monopólio estatal do petróleo para pesquisa, exploração, refino do produto nacional e estrangeiro, transporte marítimo e sistema de dutos.

A publicação registrou a posse do novo presidente do Conselho Nacional do Petróleo, Plínio Cantanhede, e do primeiro presidente da Petrobrás, Coronel Juracy Magalhães, além da legislação que fundamentava a política nacional de petróleo no País.

“Procuremos ser os bandeirantes desta nova cruzada através das ínvias terras brasileiras, e só pedimos a Deus que ao chegarmos ao fim da caminhada longa e esfalfante, encontremos lá, não as falsas esmeraldas da lenda, mas as verdadeiras riquezas petrolíferas de que o Brasil precisa, para construir a sua grandeza ao lado das maiores nações do Universo”.

(Do discurso de posse do Coronel Juracy Magalhães na presidência da Petrobrás).

Em 1950, Getúlio Vargas ganhou as eleições presidenciais.

Após 15 anos de governo ditatorial, o gaúcho deveria governar o Brasil por um período de 5 anos em um regime democrático.

 Ao iniciar o seu governo, Getúlio sente as primeiras dificuldades encontradas em não ter uma bancada totalmente favorável no Congresso que apoiasse os seus atos nacionalistas.

A construção da Petrobrás, com apoio popular, após a Campanha “O Petróleo é nosso”, fez com que a rivalidade entre o presidente e o Congresso aumentasse, já que essa decisão ia contra os setores empresariais – a indústria nascida era totalmente estatal.

Além disso, com ações cada vez mais independentes, como o aumento em 100% do salário mínimo em 1954, as críticas dos adversários continuavam a aumentar, de modo particular, vindas de setores da UDN, lideradas pelo jornalista Carlos Lacerda, declarado opositor de Vargas.

O fato culminante da crise que antecede o suicídio do presidente aconteceu em agosto de 1954.

Na madrugada do dia 05, o jornalista Carlos Lacerda sofre um atentado, no qual sai ferido e um Marechal da Aeronáutica, Rubens Vaz, é assassinado. Após uma investigação, chega-se ao mandante do crime que era o chefe da guarda-pessoal do presidente, um ex-policial, chamado Gregório Fortunato.

Embora eu estivesse com apenas três anos de idade, senti por anos posteriores a comoção nacional.

Na madrugada do dia 24 de agosto de 1954, Vargas toma a decisão que mudaria totalmente o rumo de sua trajetória na história do Brasil.

Sozinho, em seu quarto, no Palácio do Catete, Vargas toma uma arma e dispara contra o próprio peito.

Como gosto de resgatar a história, reproduzo a carta manuscrita deixada ao povo brasileiro:

Deixo à sanha dos meus inimigos, o legado da minha morte. Levo o pesar de não ter podido fazer, por este bom e generoso povo brasileiro e principalmente pelos mais necessitados, todo o bem que pretendia. A mentira, a calúnia, as mais torpes invencionices foram geradas pela malignidade de rancorosos e gratuitos inimigos numa publicidade dirigida, sistemática e escandalosa.

Acrescente-se a fraqueza de amigos que não defenderam nas posições que ocupavam a felonia de hipócritas e traidores a quem beneficiei com honras e mercês, à insensibilidade moral de sicários que entreguei à Justiça, contribuindo todos para criar um falso ambiente na opinião pública do país contra a minha pessoa.

Se a simples renúncia, ao posto a que fui levado, pelo sufrágio do povo me permitisse viver esquecido e tranquilo no chão da pátria, de bom grado renunciaria.

Mas tal renúncia daria apenas ensejo para, com mais fúria, perseguirem-me e humilharem-me.

Querem destruir-me a qualquer preço. Tornei-me perigoso aos poderosos do dia e às castas privilegiadas.

Velho e cansado, preferi ir prestar contas ao Senhor, não dos crimes que não cometi, mas de poderosos interesses que contrariei, ora porque se opunham aos próprios interesses nacionais, ora porque exploravam, impiedosamente, aos pobres e aos humildes.

Só Deus sabe das minhas amarguras e sofrimentos.

Que o sangue dum inocente sirva para aplacar a ira dos fariseus.

Agradeço aos que de perto ou de longe me trouxeram o conforto de sua amizade.

A resposta do povo virá mais tarde…

Encerrando este resgate da história do Brasil e assistindo, inconformado, os rumos por onde passa a nação… Eu deixo aqui…

A sugestão “Getuliana” e “Japonesa”… Para quem servir possa!

Dona Maria Tereza, diga a seu Jango Goulart, que a vida está uma tristeza, que a fome está de amargar…

E o povo necessitado, precisa um salário novo, mais baixo para o deputado, mais alto pro nosso povo.

Dona Maria Tereza, assim o Brasil vai pra trás, quem deve falar, fala pouco, Lacerda já fala demais.

Enquanto feijão dá sumiço, e o dólar se perde de vista, o Globo diz que tudo isso, é culpa de comunista.

Dona Maria Tereza, diga a seu Jango porque, o povo vê quase tudo, só o parlamento não vê,

Dona Maria Tereza, diga a seu Jango Goulart, lugar de feijão é na mesa, Lacerda é noutro lugar háháhá!

E que Os Arredios Sem Rédeas… Fiquem…

Com cada macaco no seu galho!

The End Brazil! Have a good time!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *