Torre de Pizzas

Torre de Pizzas

SONORO DESPERTAR

Acordei, abri a janela e o bem-te-vi cantou olhando para mim. Ontem o sono demorou a chegar. Nem sei se chegou. Às vezes o limbo confunde a percepção. Estava pensando como escrever a continuidade das minhas incursões europeias.  Falando da Suíça, lembrei-me do saudoso amigo Oscar Bolliger, Cônsul que me atendeu e orientou quando, após ter voltado da Europa, pensei em retornar à Confederação Helvética. A ideia era montar uma Comercial Importadora em Berna, onde levaria algumas representações brasileiras. O Bolliger me apresentou o então Secretário de Indústria e Comércio, Antônio Fernando Miranda, que se tornou um bom amigo também. Fernando Miranda, sabendo do meu desiderato, apresentou-me Nicola Minervini, alto executivo da Brown Boveri (empresa multinacional com sede em Zurique) para a América Latina. Acompanhei Nicola durante dois anos em suas andanças pelo Brasil, realizando palestras sobre comércio exterior. Bondade do Fernando Miranda e paciência do Minervini ao me proporcionarem tamanha oportunidade. Fiz muitos contatos para angariar marcas e produtos susceptíveis de serem comercializados na Europa. Em determinado momento, para realizar o pretendido, com boa parte da documentação já providenciada, me foi solicitado pelo Governo Suíço, uma Carta de Apresentação de algum órgão oficial ligado ao setor de exportação e importação. Ingo Zadrozny, então dono da Artex e presidente da entidade mor de comércio exterior no Brasil, me agraciou com tal Carta. Como precisava de um capital inicial de grande envergadura, não pude realizar o projeto de retorno ao coração da Europa. Embora não tenha vingado vitória na empreitada historiada, ganhei muitos amigos e uma experiência impar na caminhada da vida.

Conheci Arnaldo Macedo Caron que me proporcionou a concepção do logotipo de sua empresa de transportes aéreos e o projeto arquitetônico do primeiro terminal de containers fora do Porto de Paranaguá, na saída para as praias em Curitiba.

Logotipo da Comissária de Transportes. Marco Alzamora.

Henrique Lenz Cesar, competentíssimo Desembargador e Presidente do TJP eu já conhecia do próprio Tribunal de Justiça do Paraná, por intermédio do meu pai Juiz de Direito Zanoni de Quadros Gonçalves. A amizade ficou fortalecida pelo convívio de vizinhança nas férias de Caiobá. Sua casa ficava em frente à do Renato Schaitza, meu então sogro, e já tínhamos o Rotary em comum.

Renato Schaitza, minha filha linguaruda Renata com os priminhos Otávio e Alfredo em Caiobá.

Apadrinhado pelo Rotary Club Curitiba (o Curitibão), fiz parte da fundação do Rotary Club Curitiba-Marumby, no qual fui Secretário. Muitas vezes saímos, eu, Henrique e Caron, no enorme iate do último (maior barco do Iate Clube de Paranaguá) e após belíssimos passeios em alto mar, ancorávamos próxima a Ilha do Mel para saborear a moqueca especialidade do bom chef Lenz Cesar. Como era bom de serviço o saudoso companheiro. Chegava a empatar com a moqueca do Rubens Teig nos jantares da Confraria do Lechaim (Grupo de amigos do Centro Israelita do Paraná que se confraternizam todas as terças feiras de cada mês, revezando-se na cozinha).

Marco e um amigo “sabra”. Confraria do Lechaim!

Le Grand Chef Rubens Teig e o Poderoso Chefão da Confraria Isaac Ingberman.

Ao fundo o Guardião da Vodca (Lechaim) Claude Hasson.

Nessas andanças, eu não poderia deixar de citar dois grandes companheiros dos tempos idos:

Odone Fortes Martins (Jornal Indústria e Comercio) e Miguel Zattar (Labra).

Odone Fortes Martins

O empresário Odone Fortes Martins já foi membro dos Conselhos Superior e Deliberativo, vice-presidente (1990/94), primeiro vice-presidente (94/96), vice-presidente e coordenador do Conselho Político (2008/2010) e vice-presidente e coordenador do Conselho de Comércio Exterior e Relações Internacionais na Associação Comercial do Paraná.

Se o meu amigo “Sancho Pança” comentasse a foto, diria:

“Lá vai o ‘Mala’ e as malas”

De pronto eu responderia:

São malas com alças! Mané! Viu SSP*?

*Seu Sancho Pança – El Bruxo doravante!

No Brasil a Torre se chamaria:

“BALANÇA… Mas Não Cai”!

E… Io cammino per le strade!

E Ando Devagar…

Guardando na memória:

Oscar Bolliger

Antonio Fernando Miranda

Nicola Minervini

Ingo Zadrozny

Arnaldo Macedo Caron

Renato Schaitza

Henrique Lenz Cesar

Zanoni de Quadros Gonçalves

Rubens Teig

Isaac Ingberman

Claude Hasson

Odone Fortes Martins

Miguel Zattar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *