POLÍTICA GASTRONÔMICA MORNA

Do anarquista russo do século 19, Mikhail Bakunin
 (1814-1876):

Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado
para considerar esta
questão, chega-se ao mesmo resultado execrável:

 O
governo da imensa maioria
das massas populares se faz por uma minoria
privilegiada.

 Esta minoria,
porém, dizem os marxistas, compor-se-á de
operários.

 Sim, com certeza, de
antigos operários, mas que, tão logo se tornem
governantes ou
representantes do povo, cessarão de ser operários e
pôr-se-ão a observar o
mundo proletário de cima do Estado; não mais
representarão o povo, mas a si
mesmos e suas pretensões de governá-lo.

Quem duvida disso não conhece a natureza humana”.

Chico Anysio

A Corruptocracia de Justo Veríssimo.

“Eu quero é que pobre se exploda”, era o bordão que ele soltava logo após ouvir queixas de cidadãos menos favorecidos.

Na sua crueza anárquica, o humor oferece a mais devastadora crítica da realidade. Anarquista Russo e anarquista tupiniquim!

Ok.

Vamos ao gastronômico.

 A paisagem da cidade muda em época de eleição.

Têm placas em todas as “calçadas”, parques e jardins, nos largos de grama castigada e em todo centímetro quadrado da urbe em festa!

Parece anúncio de restaurante a quilo anunciando o cardápio do dia.

Jonatas do Suco, Zé Banana, Fei Joada, Honório do Açougue, Tadeu da Linguiça, Alfacinha da Bata clã, meu amigo Batatinha, Juarez da Cachaça Lerda, Vote Certo no Bode Experto, Rosinha do Chá Gelado… E depois de tantas calorias alimentícias e bebidas ácidas, tem o Elias da Farmácia e Estraga Onofre do Supositório.

Com tudo isso, ainda tem gente dizendo que a campanha política aqui está morna.

Kkk…

Lembrei-me da minha sogra na Boca Maldita em tempos idos,  falando com estátuas e abanando bandeiras.

Com tudo isso, ainda tem gente dizendo que a campanha política aqui está morna.

Conta-se na família, que a manceba jogou um prato de sopa na primogênita!

Alguém exclamando perguntou:

“Como você teve coragem de fazer uma coisa dessas? ”

A resposta veio imediata:

“Mas estava morna! ”

Em política, mesmo morna, sempre tem cacetada!

Ou… Pratada!

Pensando bem, está morna mesmo.

Ainda não começaram os jingles em caminhões falantes com decibéis estoura timpânico, nem reco-recos dos cabos eleitorais pagos ou voluntários.

Enquanto isso no Planalto Central da República montou-se um palco para a prática laboratorial de advogados exibidos ensaiando a teatral arte de representar os seus clientes “honestos”, anjinhos de todos os Valériosdutos!

Presidente do STF inicia a fase destinada aos votos dos ministros. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF (15/08/2012)

O Professor René Dotti deve estar observando os atores da arte em qual ele é Grande Mestre.

René Ariel Dotti

Um dos maiores penalistas do país. 

A GASTRONOMIA CONTINUA.

Comícios regados a ki sucos e pães enrugados com linguiças de trésontonte.

Problemas gástricos?

Daí é só procurar o Elias da Farmácia e o Estraga Onofre do Supositório.

Haja estomago para politicar!

“Vamu que Vamu”! Caro amigo Juan Campesino.

Já pensou em se candidatar?

No interior, onde os debates eram em palanques montados na praça principal da cidade, sem a tecnologia televisiva, dois candidatos disputando a prefeitura, assistiu-se o bate-boca:

O primeiro falou:

“Vossa Excelência é um DESCALCIFICADO! ”

O segundo respondeu de ‘bate-pronto’:

“Vossa Excelência é um analfabeto”! Pois deve estar querendo dizer: “DESCLASSIFICADO”!

O primeiro retrucou:

“Não”! É DESCALCIFICADO MESMO! Porque sua mulher lhe bota corno há mais de dois anos e o chifre ainda não nasceu! Deve ser falta de cálcio…

Como diria o baiano: “Tá rebocado e piripicado”!

O outro baiano contaria que:

* “Me retei e piquei a porra”.

* fiquei nervoso e dei um tiro nele!

Aqui no sul não tem mais o coronelato da época do Guataçara Borba Carneiro.

Guataçara Borba Carneiro (Reserva, Paraná, 24 de maio de 1899 – Curitiba, 17 de junho de 1979) foi um político brasileiro.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Meu pai foi Juiz de direito em Reserva.

Era um revolver em cada lado da cintura.

Política de outros tempos.

Reserva-Paraná

Guataçara Borba Carneiro

Guataçara Borba Carneiro, descendente do célebre sertanista Telêmaco Borba, nasceu em Reserva, Paraná em 24 de maio de 1899.

Foi prefeito de Tibagi, deputado estadual por várias legislaturas e presidente da Assembleia Legislativa. Ocupou a chefia do Poder Executivo por duas vezes nas ausências do governador Moysés Lupion, em 1949 e 1959.

Exerceu ainda os cargos de promotor público interino e de delegado regional de Tibagi.

Eleito deputado estadual, pela primeira vez, em 1947. 

Líder da maioria no ano seguinte e reeleito em 1950.

Nas eleições governamentais de 1960, integrou dissidência do Partido Social Democrático. 

 Depois de algum tempo no ostracismo, reapareceu na cena política como presidente do Partido Democrático Social.

 Exerceu muita influência na política do seu tempo pelo poder de liderança e de coordenação política, notadamente quando o Secretário dos Negócios do Interior e Justiça.

 “Amigo dos livros, supriu com leitura de bons autores a falta de curso superior”, autodidata de reconhecido valor intelectual.

Quando eu passava em frente á casa dele perto do Colégio Estadual do Paraná para praticar salto na plataforma da piscina, lá estava o Guataçara com seu chapelão, sentado na varanda.

 Era vizinho do Colégio.

Bento Munhoz da Rocha Netto e Moisés Wille Lupion de Tróia. 

Minha homenagem aos bons políticos do Paraná. 

Tanto em épocas MORNAS E GASTRONÔMICAS quanto em épocas FRIAS E SUBNUTRIDAS!

Boa Eleição…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *