Viver Sob Pressão

Viver Sob Pressão

Existe momento que parece não ter fim! A sensação é de que a cabeça vai explodir! Sentimos a natureza sendo retorcida até na mais ínfima molécula dos nossos cérebros, dos nossos músculos… Dos nossos ossos!

Será que fomos abandonados por Deus?

Quando recebi, de um querido amigo, a sugestão do tema para este artigo estava começando ler o fantástico livro de Richard Elliott Friedman, O Desaparecimento de Deus – Um Mistério Divino.

Por que o Deus que era conhecido através de milagres e de interações diretas no início da Bíblia vai pouco a pouco se tornando oculto, até deixar os seres humanos inteiramente sozinhos ao final da Bíblia?

Quando temos a sensação de que o Universo conspira contra nós, a primeira reação é pedir socorro á quem está por perto… Do lado!

É claro que as dificuldades servem para lapidar a pedra bruta fortalecendo a essência dos corpos e das almas viventes! Forjar o fio da espada!

É a grandiosa pressão que transforma um simples e rejeitável carvão em um cobiçado e valioso diamante.

Embora Sob Pressão, li no site Sou Mãe que: Dentro da barriga da mãe existe um mundo maravilhoso. Os movimentos do neném são parciais e variados, o tronco se vira, estica-se e flete-se, as pernas e os braços, extensão e flexão, os pezinhos apoiam-se sobre as paredes do útero como se fosse dar um salto, a cabeça gira e encosta no útero, os olhos movimentam-se. Os movimentos são espontâneos ou estimulados pelos ruídos, agradáveis ou não. Por volta dos seis meses de gestação, o neném dá a volta e bate frequentemente com a cabecinha no colo do útero sobre os músculos do pavimento pélvico, dando a sensação um pouco desconfortável à mãe, com uma pressão de baixo ventre, “como se o neném fosse cair”.

Assim começa a maratona de Viver Sob Pressão!

Daí a gente cresce e não admite que a bomba do chope não funcione por falta de pressão…

Brincadeiras à parte, mas temos que achar um meio de dar risadas colocando sempre, nas situações mais difíceis, uma pitada de humor!

Fica mais leve suportar os apertos que nos amassam o corpo e a alma! Dia após dia!

O medo é outro fator que corrobora, sobremaneira, a manutenção desses estados de espírito. Até para falar de medo é bom preservarmos o humor cômico.

Ser Fotofóbico é ter medo de fobias!

Ablutofobia é o medo de tomar banho! Azinofobia é o medo de ser agredido pelos pais! Belonofobia é o medo de agulhas! Corofobia é medo de dançar! Cronometrofobia é o medo de relógios! Dromofobia é o medo de atravessar a rua! Heliofobia é o medo do sol! Limnofobia é o medo de lagos! Megeirocofobia é o medo de cozinhar! Metrofobia é o medo de poesia! Penterofobia é o medo da sogra! Verbofobia é o medo de palavras! Parasquavedequatriafobia é o medo de sexta-feira 13! Triscaidecafobia é o medo do número 13!

E para não amarelar o Viver Sob Pressão encontramos a Xantofobia, que é o medo da cor amarela!

Se Viver Sob Pressão já faz parte da maioria dos seres viventes nas CNTPCondições Normais de Temperatura e Pressão, imaginem o que ocorre com algumas profissões. Motoristas por exemplo!

Todos os dias, penso duas vezes quanto à coragem de sair de casa. Quando não penso no trânsito, saio mais rápido, sem titubear. Protelado o massacre do stress, vencido o primeiro medo, mergulho no fluxo sanguinário de artérias entupidas, congestionadas, cujo sistema nervoso assemelha-se às questões anatômicas de um corpo doente.

Dante Alighieri em sua viagem guiada pelo poeta romano Virgílio, poetiza o inferno. Corofobia?

Dante e Virgílio no Inferno, quadro de William-Adolphe Bouguereau. Wikipédia.

Soma-se a isso tudo, os carrinheiros, motoqueiros, estacionamentos em fila dupla (carros, caminhões e até pedestres afoitos) e o mal traçado trajeto de coletivos.

Revista Eletrônica do Grupo Educacional Uninter Foto: Larissa Glass.

Xantofobia?

Êta ferro! Eu, tendo sido motoqueiro, fico pensando que trabalhar com moto deve ser “osso duro de roer”.

Ciclonibus via? Dromofobia?

Em Curitiba, ligeirinho invade trecho da ciclofaixa da Rua Marechal colocando em risco integridade dos ciclistas: “Tenho horário para cumprir”, justifica o motorista.

Alexandre Costa Nascimento/Ir e Vir de Bike

Viver Sob Pressão…

“O cérebro encolhe e fica igual titica de galinha”

Antonio Costa/ Gazeta do Povo – Curitiba

Para taxistas, Avenida Visconde Guarapuava lidera lista das vias com pior tráfego em Curitiba. Como sempre me dizia o saudoso amigo, companheiro e padrinho das minhas artes, Dino Almeida: “O curitibano já é ruim de boléia… Quando chove então o cerebro encolhe e fica do tamanho de uma titica de galinha”!

Viver Sob Pressão…

Prefiro ser
Essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo

Eu quero dizer
Agora o oposto do que eu disse antes

Sobre o que é o amor
Sobre o que eu nem sei quem sou

Se hoje eu sou estrela
Amanhã já se apagou
Se hoje eu te odeio
Amanhã lhe tenho amor

Lhe tenho amor
Lhe tenho horror
Lhe faço amor
Eu sou um ator

É chato chegar
A um objetivo num instante
Eu quero viver
Nessa metamorfose ambulante

Metamorfose Ambulante Raul Seixas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *