Mentira

Mentira

Não te contei não?

Que diga a primeira verdade quem nunca mentiu! Quando mentimos para alguém, estamos mentindo duas vezes. A primeira é para nós mesmos. Fica registrada nos anais acásicos da eternidade. Os Registros Acásicos contêm todo o Conhecimento do passado, presente e futuro do Homem. Esta é uma doutrina mística que se refere à Inteligência Indelével do Cósmico, às Forças Potenciais que atuam como as Causas de que todas as coisas se originam. Nesta Inteligência todas as coisas têm existência potencial. Assim, tudo está contido em essência. Já se cantou:

Pega Na Mentira – Erasmo Carlos

Zico tá no Vasco, com Pelé.

Minas importou do Rio, a maré.

Beijei o beijoqueiro na televisão.

Acabou-se a inflação.

Barato é o marido da barata.

Amazônia preza a sua mata.

 Tá… Tá… Tá…

Pesquisando no Discovery (Por Gabriel Tonobohn) sobre algumas mentiras da história recente da civilização, encontrei:

Em junho de 1972, cinco pessoas foram detidas ao tentarem fotografar documentos e instalar aparelhos de escuta em telefones do escritório do Partido Democrata, no Hotel Watergate, nos Estados Unidos. Depois de alguns meses de investigação jornalística, ficou claro que os homens haviam sido enviados por autoridades próximas ao presidente Richard Nixon. Restava saber se Nixon sabia do ocorrido, ou mesmo havia ordenado à espionagem. A princípio, Nixon obviamente negou qualquer envolvimento, mas a verdade veio à tona mais tarde. Gravações de conversas privadas na Casa Branca surgiram, demonstrando que o presidente sabia mais do que dizia saber sobre o caso. Em agosto de 1974, quando já havia muitas provas que ligavam a espionagem a Nixon e ao Partido Republicano, Nixon renunciou à presidência, sendo substituído por Gerald Ford, seu vice. Ford assinou uma anistia que retirava as responsabilidades legais das infrações de Nixon, mas o caso deixou marcas tão profundas que ajudou a eleição de Jimmy Carter, do Partido dos Democratas, alguns anos depois.

No Brasil, hotel também tem história!

O ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu, condenado no mensalão, desistiu de trabalhar no hotel Saint Peter, de Brasília. Na ocasião o advogado de Dirceu afirmou que o ex-ministro foi vítima do que chamou de linchamento midiático. E que não seria justo que outras pessoas fossem alvo de ódio e perseguição pelo gesto de generosidade de lhe terem oferecido o emprego de R$ 20 mil reais. Só rindo!

Beijei o beijoqueiro na televisão.

Acabou-se a inflação.

Outra forma mais danosa da mentira, encontramos em uma época negra da humanidade:

“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”!

Propaganda nazista de Joseph Goebbels.

Quando o nazismo surgiu na Alemanha na década de 30, o antissemitismo já não era novidade.

O povo judeu já sofria preconceito e era perseguido. Mas o nazismo levou isso a um novo nível perpetuando mentiras centenárias.

Foi provavelmente a mentira com os piores efeitos da história.

Para isso, Hitler contou com o apoio de Joseph Goebbels, ministro da propaganda, lançando uma campanha maciça para convencer o povo alemão de que os judeus eram os verdadeiros inimigos e responsáveis por todas as mazelas da sociedade.

Hitler culpou os judeus inclusive pela perda da Primeira Guerra Mundial.

 A propaganda antissemita foi forte e assumiu uma variedade de formas, desde pôsteres, jornais e até filmes e transmissões de rádio.

Por fim, infelizmente, acabou sendo a maior prova de que uma mentira contada muitas vezes pode se tornar uma verdade.

O dano foi terrível!

Em tempo de eleições, as mentiras são praticadas como defesas, ataques, promessas que se sabem não serem cumpridas e uma gama variada de idiossincrasias dicotômicas… Ou dicotomias idiossincrásicas! Papo de político!

Justo Veríssimo foi a melhor tradução que Chico Anysio encontrou para representar algo que ele próprio classificava como enfadonho: a política. No rastro do jargão “tenho horror a pobre”, Justo Veríssimo era a mais completa tradução dos milhares de alarifes que frequentam o universo político nacional. Política, como se sabe, é um clube privado de negócios milionários, cujo acesso é restrito a uma ínfima minoria.

As mentiras começam cedo. Crianças pequenas aprendem pela experiência que declarar uma inverdade pode evitar punições por más ações, antes de desenvolverem a teoria da mente necessária para entender porque funciona. De maneira complementar, existem aqueles que acreditam que as crianças mentem por insegurança, e por não compreender a gravidade dos seus atos escapa da responsabilidade apelando para a mentira.

Mentir é contra os padrões morais de muitas pessoas e é tido como um “pecado” em muitas religiões.

As tradições éticas e filósofos estão divididos quanto a se uma mentira é alguma situação permissível – Platão disse sim, enquanto Aristóteles, Santo Agostinho e Kant disseram não. Mentir de uma maneira que piore um conflito em vez de diminuí-lo, ou que se vise tirar proveito deste conflito, é normalmente considerado como algo antiético.

 Existem pessoas que afirmam que é com frequência mais fácil fazer as pessoas acreditarem numa Grande Mentira dita muitas vezes, do que numa pequena verdade dita apenas uma vez. Esta frase foi proferida pelo Ministro da Propaganda Alemã Joseph Goebbels no Terceiro Reich. Já citado.

A mentira torna-se uma sátira com propósitos humorísticos quando deixa explícita pelos excessos na fala e o tom jocoso que de fato é uma mentira. Nestes casos é com frequência tratada como não sendo imoral e são muito praticadas por humoristas, comediantes, escritores e poetas.

Culpa do Gepetto?

Zico tá no Vasco, com Pelé.

Minas importou do Rio, a maré.

Beijei o beijoqueiro na televisão.

Acabou-se a inflação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *