Apesar de você… A coisa aqui… Tá preta…

Apesar de você… A coisa aqui… Tá preta…

Do Bom Dia Hoje, de Sigmar Sabin, recebi a seguinte pergunta:

“Olá: Marco”! Como você acordou hoje?
Como uma pessoa animada, disposta e entusiasmada para olhar pela janela para ver e desfrutar as maravilhas deste mundo ou com um olhar triste, nublado por tristeza do passado, por uma perda que ainda não foi compreendida ou aceita?

Abri a janela e o céu estava preto. Só o telhado da casa do Gerson Horochowski estava branco. Vizinhos queridos em que a Patrícia, sua esposa, volta e meia nos brinda com algum quitute feito com esmero. Já que falei em vizinho, não posso esquecer-me do Cristian Gulin, soldado Gulin, como é chamado na Gloriosa Corporação da Policia Militar. Sempre quebra um galho aqui em casa quando se trata de elétrica. Somos privilegiados com referência à vizinhança.

Quase agarrei no fio elétrico que passa bem em frente da minha janela. Abri a casa toda para ver se ventilava sobre o ranço noturno. A vantagem é que não tinha raios nem trovoadas naquele momento. Resolvi lavar o rosto e escovar os dentes. Sou pobre mais sou limpinho!

Porém… Quando leio o Arnaldo Jabor em “A náusea”, escrito em 11 de dezembro de 2012 – O Estado de São Paulo:

O grande Cole Porter tem uma letra de música que diz: “Conflicting questions rise around my brain/ Should I order cyanide or order champagne?” (“Questões conflitantes rondam minha cabeça/ devo pedir cianureto ou champanha?”).

Fico cá com meus botões pensando se minha náusea é maior que a dele e a do Sartre, juntas!

Ele escreve tudo que eu gostaria de escrever. Ele diz e brada com o desabafo de quem já explodiu o “saco”!

As palavras escritas parecem sonoras.

Google – Imagem

Sinto-me assim, como articulista.  Para que escrever? Nada adianta nada. E como meu trabalho é ver o mal do mundo, um dia à depressão bate.  A náusea, não a do Sartre, mas a minha. Não aguento mais ver a cara do Lula, o homem que não sabe de nada, talvez nem conheça a Rosemary, não aguento mais ver o Sarney mandando no País, transformando-nos num grande “Maranhão”…

Embora tenha vontade de reproduzir o texto na íntegra, não é o caso desta lavra. Esse cara é “foda”!

Continuo caminhando com esse céu escurecido de verão amalucado.

Havia recebido um e-mail do Dr. Zanoni de Quadros Gonçalves, meu pai, repassando texto sobre como as coisas estão por aqui na Pátria Amada. O título era “10 técnicas infalíveis para manipular a população”.

O filósofo, um judeu antissemita norte-americano Avram Noam Chomsky desenvolveu uma lista de 10 estratégias utilizadas pela mídia como um todo para manipular a população em geral. Comunista de carteirinha.

Conversando com meu amigo Szyja Lorber sobre o “gajo” Chomsky que escreveu as 10 estratégias, fui ilustrado com o seguinte comentário:

Só lastimo você citar o Chomsky, para “uma anta tocada a cachorro”, como dizia um amigo meu. De fato é filósofo, professor disso e daquilo e é judeu (não sei se sabia). Mas é, um judeu antissemita (sim, também existem os judeus com auto-ódio). Ele é de esquerda, um comunistão. Até aí tudo bem. Mas tudo o que faz, escreve ou fala, incluindo “As 10 técnicas infalíveis para manipular a população”, é para criticar os Estados Unidos pelo apoio a Israel. Em 2.006, logo após a guerra de Israel no Líbano, a anta apareceu abraçada numa fotografia com… O chefão do terrorista Hezbolá, o Nasralla, rindo um para outro! É só um desabafo porque não suporto o tipo (quem por sinal tem muito, muito mais), mas não precisa tirá-lo do texto, pois senão ficará quebrado em sem sequência.

Abração

Szyja.

Não vou reproduzir todas. Mas essa me chamou bastante a atenção:

Mensagens Subliminares

Se aproveitar da fragilidade emocional de grande parte das pessoas é outra técnica bastante utilizada para manipulação, a fim de causar um curto-circuito no senso crítico de cada um. Para isso, a mídia constantemente se utiliza da técnica das mensagens subliminares, sobretudo na televisão, a fim de manipular a mente das pessoas.

Como já foi tema de artigo meu anterior: “Vou ali me deprimir um pouquinho e… Já Volto”!

Em outro artigo escrevo sobre Propaganda Subliminar. “Apesar de você… A coisa aqui… Tá preta…”. É melhor ser rico com saúde do que pobre doente, né?

Falando em saúde, náusea, doença e escambau! Houve uma passagem interessante comigo e minha mulher. Estávamos voltando de um opíparo jantar de comemoração de aniversário da minha cunhada Sheilla Figlarz, noite fria de verão chuvoso “curitibense”, quando um sujeito atravessava a rua. Fora da faixa de pedestre e mancando em uma das pernas. Minha mulher falou: “Ele deve estar procurando acidentar a outra perna”!

Olhei bem para a cara dela, com expressão de dúvida.

Percebendo, ela completou: “Isso é Cinemática do Trauma”!

Ri… Muito! Nem precisou perguntar e ela já estava me explicando. “Veja no meu livro do curso que fiz sobre Trauma – Atendimento Pré-Hospitalar”.

Ah! Sim… Ela é enfermeira!

E das boas! Competência não lhe falta! Dedicada e atenciosa! Atenta! Atina tudo!

Fiquei encucando sobre “Cinemática do Trauma”… Pensei… Bem que poderia ser também “Cinemática da Náusea”. Minha, do Sartre e do Jabor!

Segundo o livro dela:

Denomina-se Cinemática do Trauma o processo de avaliação da cena do acidente, para determinar as lesões resultantes das forças e movimentos envolvidos.

Ô loco sô! É muito pra minha cabeça! Até física esses enfermeiros sabem!

E=m.V²/2 … A energia de movimento ou cinética (E) é uma função da massa (m) (peso do acidentado) e da velocidade (V). Primeira Lei de Newton. É mole?

Lendo as atuais manifestações dos brasileiros, imagino que Newton iria criar uma fórmula para a “Cinemática da Náusea”. Minha, do Sartre e do Jabor!… Sabe-se lá de quem mais!

E=PQP²/196.655.014 – “Cinemática da Náusea”.

Canta aí Chico Buarque… Melhorou muito depois dos protestos que foram feitos nos tempos idos? É a “lesma lerda”? Adiantou o exílio de uma turma poeticamente correta?

…não dá mais para ouvir quantos campos de futebol foram destruídos por mês nas queimadas da Amazônia, enquanto ecochatos correm nus na Europa, fazendo ridículos protestos contra o efeito estufa; não aguento mais contar quantos foram assassinados por dia, com secretários de segurança falando em “forças-tarefas” diante de presídios que nem conseguem bloquear celulares…

Arnaldo Jabor em “A náusea”.

Esse aí está “nauseado” mesmo…

Aqui no Brasil… Sei lá!

Apesar de você…

A coisa aqui…

Tá preta…

Preta? Seria politicamente correto… Afrodescendente?

Do anarquista russo do século 19, Mikhail Bakunin.

(1814-1876):

“Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada”. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessará de ser operários e pôr-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. “Quem duvida disso não conhece a natureza humana”.

E daí cantores de protestos?

…não suporto a polêmica nacionalismo-pelego x liberalismo tucano, eu tenho enjoo de vagabundos inúteis falando em “utopias”, bispos dizendo bobagens sobre economia, acadêmicos decepcionados com os ‘cumpanheiros’ sindicalistas, mas secretamente fiéis à velha esquerda…

Arnaldo Jabor em “A náusea”.

Quando estive na Europa, fiquei hospedado na casa do meu Diretor de Tese. Sérgio Ferro foi exilado também.

Cultivava a incoerência. Inquiridor. Foi professor do Chico Buarque na Faculdade de Arquitetura. Brigou, como muitos, para que o Brasil se tornasse um país livre de ordens ditatoriais. Hoje vejo e escuto eruditos reclamando da nova ordem. Tá valendo o que? Como os jovens estão enxergando este momento nacional?

Vai ter “apagão” ou o ministro promete que vai chover?

“Amanhã… Vai ser outro dia”?

E o Rio de Janeiro?

Até você Vinicius?

Como era mesmo?

Vai meu irmão
Pegue esse avião
Você tem razão
De correr assim
Desse frio, mas beija
O meu Rio de Janeiro
Antes que um aventureiro
Lance mão…

E o Rio de Janeiro continua lindo!

Barracão de zinco… Pendurado no morro! Vai pedindo…

Meu irmão, Luiz Aurélio Alzamora Gonçalves estava com sua agência de publicidade no Rio de Janeiro. Indigna-se o tempo todo com o que está acontecendo na cidade maravilhosa. Qualquer dia ele vai cantar como o Vinicius de Moraes:

Pede perdão pela duração
Dessa temporada
Mas não diga nada
Que me viu chorando
E pros da pesada
Diz que eu vou levando…

Acho que tem alguém me querendo “sacanear”!

Logo eu, que “Soy loco por ti, América
Yo voy traer una mujer playera”
, né Caetano?

Levem-me para Londres também! Quero aprender “Ingreis”.

Tráfico de crianças… Ou de quengas…?

OsPaparazzi.com. br

E o BBB? Não é necessário nem traduzir. O Brasil inteiro sabe do que se trata! É Mensagem Subliminar?

Aproveitar-se da fragilidade emocional de grande parte das pessoas é outra técnica bastante utilizada para manipulação, a fim de causar um curto-circuito no senso crítico de cada um?

É Mensagem Subliminar?

Google – Imagem

Continuei minha caminhada em busca de elucidações pertinentes quanto ao real estado das coisas aqui na terrinha do faz de conta!

Procurei a Rosa… A Margarida… Até a Interpol!

Só encontrei denúncias em cima de denúncias.

Senti dor de barriga e fui aliviar minha náusea.

A minha… A do Jabor… A de Sartre! Procurei pesquisar sobre “disritmias” nacionais e mentais. Metafísica e etc…

Curioso, fui buscar Sartre. Niilismo foi o que encontrei.

Niilismo (do latim nihil, nada) é um termo e um conceito filosófico que afeta as mais diferentes esferas do mundo contemporâneo (literatura, arte, ciências humanas, teorias sociais, ética e moral). É a desvalorização e a morte do sentido, a ausência de finalidade e de resposta ao “porque”. Os valores tradicionais depreciam-se e os “princípios e critérios absolutos dissolvem-se”. “Tudo é sacudido, posto radicalmente em discussão. A superfície, antes congelada, das verdades e dos valores tradicionais está despedaçada e torna-se difícil prosseguir no caminho, avistar um ancoradouro”.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Aí faço analogias sobre “Cinemática do Trauma” e “Cinemática da Náusea”:

E=PQP²/196.655.014 – “Cinemática da Náusea”.

A população do Brasil é de aproximadamente 196.655.014. Isaac Newton não saberia denominar as dimensionais PQP², mas, certamente, concordaria que a divisão seria justa!

PQP²/196.655.014=Rateio do prejuízo!

É muito justo!

Google-Imagem

Vejo o céu clarear de repente… Impunemente!

Desta forma… Ou desta fórmula, quem inventou a tristeza vai ter que “desinventar”, né Mané?

Quando o galo cantar, vai brotar água nova!

Esse grito contido e esse samba no escuro… Tenha a fineza de “desinventar”!

Vamos esbanjar POESIA!

Meu caro amigo me perdoe, por favor.

Se eu não lhe faço uma visita.

Mas como agora apareceu um portador.

Mando notícias nessa fita.

Aqui na terra tão jogando futebol.

Tem muito samba muito choro e rock’n’roll.

Uns dias chove, noutros dias bate o sol.

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta. Muita mutreta pra levar a situação.

Que a gente vai levando de teimoso e de pirraça.

E a gente vai tomando que também sem a cachaça.

Ninguém segura esse rojão.

Meu caro amigo eu não pretendo provocar.

Nem atiçar suas saudades.

Mas acontece que não posso me furtar.

A lhe contar as novidades…

É… Meu Caro Amigo!

Vamos esbanjar POESIA!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *